quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Sexo Oral de Quinta - # 01





Então, vamos falar sobre sexo? Vocês lembram que há quase um mês foi publicado aqui no Barba Feita, na minha coluna de quinta-feira, um texto em que eu convidava vocês, queridos leitores, a mandarem perguntas sobre sexo? Caso você esteja chegando agora, seja muito bem vindo e mande perguntas! Bem, não precisava e nem precisa ser necessariamente uma pergunta. Mas a ideia era e, continua sendo, da gente conversar sobre sexo. Sem medo. Sem julgamentos. Sem neurose. 

Então, reunimos aqui três perguntinhas que recebemos durante esse tempo. E não pensem que responderei ou, melhor dizendo, dialogarei sozinho. A cada nova edição (que deve ser mensal) um dos colunistas do Barba, será convidado a deixar também as impressões dele sobre os questionamentos, dúvidas sexuais, existenciais e sentimentais de vocês. 

Para iniciar os trabalhos, ninguém melhor do que o Leco Faria, dono das colunas de Segunda, aqui do site. Ele, assim como eu, não tem tempo ruim e adora falar sobre o que entende ou não. Vamos então aos nossos questionamentos iniciais?
Tenho um elemento que não sei se é bom ou ruim: tenho um pênis de 23 cm, além de grosso. Sempre que vou me relacionar com uma mulher, muitas vezes elas nem querem tentar ‘algo mais’ por causa do tamanho. Outras, que tentam, eu acabo machucando. Já tem outras que gostam. Gostaria de saber se tem algum tratamento para diminuir ou, sei lá, fazer alguma coisa. Obrigado! - Problemão Danado 
Silvestre: Já dizia o ditado. Não importa o tamanho da varinha, mas a mágica que ela faz. Então, amigo “Problemão”, você tem – quase que literalmente – uma faca de dois gumes. Acho que a questão não é tentar diminuir (quem em sã consciência diminuiria isso, gente?), mas tentar aprender uma forma de usar que dê prazer e não medo, para suas parceiras. Vai, pensa comigo. Qualquer pessoa – QUALQUER PESSOA MESMO – teria certo receio de deixar algo tão grande e grosso, penetrar. 

A melhor coisa que você pode fazer por você e por quem você se relaciona é não ter medo e ir descobrindo maneiras de conseguir usar o que você tem, mas sem machucar. Só assustar. Susto, dependendo do momento, até é bom. É como uma caixa de bombons que você ganha e não faz ideia do que está ali dentro e quando abre, sorri porque é exatamente o seu chocolate favorito. 

Leco Faria: É isso mesmo ou ninguém nunca está satisfeito com o que tem? Se a criatura tem um pintinho-inho, entra em crise porque tem medo de só fazer cocégas; se tem um grandão, pensa em diminuir o dito cujo (sério, dor mental só de imaginar!). Meu caro "Problemão", dica pra vida: análise! Zueira!

Falando sério, acho que antes de se desesperar, você deve investir no seu instrumento. Pode ter gente com medo da sua ferramenta, mas pode ter muita mulher interessada em desbravar novas possibilidades. Já pensou em fazer um marketing personalizado do que você tem de bom? Sei lá, cria um nick divertido e cai nos APPs de pegação da vida. Vai que encontra alguém disposta a se aventurar no seu imenso parque de diversões?

E, como disse o Silvestre, conheça o seu corpo e como ele pode agradar a sua parceira. E depois, vá com calma, relaxe e goze. Literalmente, nesse caso.

Ai ai, tô na dúvida: Eu posso ou não dar o primeiro passo pra ficar com “um carinha aew” da minha facul? As ninas dizem ‘vai lá’, os ninos dizem que não, que é melhor esperar…  Esperar o quê? Eu não sei decifrar o código!!! E você, me diga sua opinião, por favor…  - Universitária em Dúvida 
Silvestre: Então, minha querida universitária, tudo é um jogo, mas você precisa saber exatamente em qual fase vocês dois estão. Isso, claro, se você quiser ir levando essa possível/futura pegação como algo leve, uma distração do seu dia. Mas se você já estiver querendo dar uns pegas nele, vai lá e chama pra sair. Sou da teoria que homens e mulheres, nos dias de hoje, possuem a liberdade para fazerem o que quiser. Você pode e deve tomar a iniciativa. Vai esperar o quê? Outra vir e ficar com ele no seu lugar? 

Mas antes de dar sua cara a tapa, avalie. Pensa no que vocês dois possuem agora. Porque vocês podem estar no início dos trabalhos. Na fase da paquera visual? Aquela de ficarem se olhando de longe e se analisando e se avaliando. Se esse for o caso, vai olhando, vai mostrando o interesse que algo, em algum momento vai acontecer. 

Leco Faria: Primeiro de tudo: você é universitária e escreve assim???? Medo, menina, vamos melhorar a escrita, né? Falou o maluco da comunicação bem realizada! :-P

Sobre seu caso, acho que você deve se mostrar disponível para que o cara perceba seu interesse. Ou, se for o caso, chegar na cara dura e falar suas intenções, por que não? Puxa um papo casual no Facebook, solta umas indiretas, elogie ele (a roupa, o cabelo, homem adora elogio) e, talvez, convide pra um programa. Uma festa, um cinema. E deixe o nino morder a isca. 

Olá! Tenho 27 anos e namoro uma menina de 24. Gosto muito da minha namorada, mas já fiquei com outras duas meninas depois que começamos a namorar, inclusive uma casada. No meu entender não mudou em nada o meu sentimento (que é verdadeiro). Mas esse não é meu maior problema… O meu maior problema é que, às vezes, sinto atração física por outros rapazes. Essa atração é simplesmente física, não sentimental; às vezes, tenho vontade de experimentar sexo com eles, mas não tenho vontade de trocar carinhos e beijos como tenho com mulheres. Posso me considerar um bissexual? - Hétero Flexível 

Silvestre: Então, meu querido Hétero, vamos analisar isso aos poucos. Bem aos poucos. Trair a namorada tá ok porque são mulheres. O que te deixa cabreiro é pensar que você pode começar a querer fazer isso com homens, certo? Se for esse o caso, acho que você precisa avaliar bem o que anda fazendo com a sua namorada. Sim, acredito que sexo e sentimento são coisas distintas e nem sempre andam juntas. Você pode fazer sexo com essas mulheres e continuar amando sua namorada, sem problema nenhum. Acredito nisso, mas não acho justo. Não enquanto vocês dois não conversarem sobre o assunto. Caso o relacionamento de vocês seja liberal, aí tudo muda de figura. 

Mas sinto que essas outras pegações, essas outras mulheres, não são o que te fazem perder o sono. Você quer mesmo saber onde os homens entram nessa sua história. Também sou da teoria de que quem come de tudo não passa fome. Você pode ser – e muito provavelmente é – bissexual. Não tem nada de errado nisso. Na parte prática, você tem mais opções do que muitas pessoas por aí! Então, sobre isso, comemore! 

Agora, antes de sair por aí matando a fome que sentia, pense um pouco. É justo somar homens aos chifres que sua pobre namorada já carrega? Não é melhor terminar e você ir descobrir o que curte? Assim, pode ser que você perceba que “não é bem isso” e volte a namorar essa garota, assim como também pode acabar acontecendo de vocês dois ficarem amigos e felizes por isso. A amizade também é um casamento. Difícil, sem sexo (alguma vezes), mas é! 

Leco Faria: Menino, que situação, heim? E eu juro que fiquei sem saber por onde começar, porque sua história é tão ampla, que poderia render um tratado sobre a sexualidade humana (e sobre o caráter também). Mas serei curto e grosso e darei minha opinião mais imediata sobre o assunto.

Vamos ser honestos com a namorada? Ou você conta pra ela essa sua característica pegadora incontrolável ou termina com ela, meu caro. Porque, garanto, é muito feio fazer o que você faz, se as regras do seu relacionamento não foram maleáveis no que diz respeito a envolvimento sexual. Se você transa com homem ou mulher, tanto. O que importa aqui é o que você apronta com a sua namorada, a mulher que você diz amar.

Sobre seu desejo por outros homens? Pode ser que sim, você seja bissexual. Pode ser que não, essa seja uma curiosidade passageira. Pode ser que você seja pansexual e amanhã você queira transar com árvores. De verdade, isso importa? Acho que a sexualidade humana é bem mais do que preto no branco. Entre um extremo e outro existe uma infinidade de tons que podem (e, por que não) ser explorados. 

Por isso, seja honesto primeiro. Depois, Hétero Flexível, vá ser feliz! ;-)
___

Gostou das três dúvidas? Quer abrir seu coração e saber o que achamos sobre isso ou aquilo outro? Então, vá enviando as suas perguntas, comentários, opiniões, tudo. Vai já pensando no que vai questionar e mande ver. Quem sabe a gente não se ajuda nesse meio do caminho e tudo não acaba virando uma grande terapia sexual em grupo? ;) 

Contato em:
Email: barbafeitablog@gmail.com 
Facebook : Barba Feita  (aliás, não curtiu nossa página ainda por quê???)
Leandro Faria  
Silvestre Mendes, o nosso colunista de quinta-feira no Barba Feita, é carioca e formado em Gestão de Produção em Rádio e TV, além de ser, assumidamente, um ex-romântico. Ou, simplesmente, um novo consciente de que um lance é um lance e de que romance é romance.
FacebookTwitter


3 comentários:

Luciana disse...

Gente adorei essa d perguntas e respostas. Não lembrava q tinha isso... e Leco sempre mt sincero ne? ADOROOO hahahah
vou mandar umas questões tbm p dar uma animada. Nada diferente do q a gente (sil e eu) ja não conversamos diariamente haha

Luciana analfa disse...

Comentar assim q acorda não da mt certo. 'A gente ja nao conversamos. .'
Me mata
raciocínio lento as 7:20 d manhã. Me perdoe hahahha eu sei conjugar verbo

Marcos Paulo Ribeiro disse...

Muito legal as discussões do blog, achei mega valida as opiniões dadas pelos colunistas!