quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Haters Gonna Hate!





Hoje, muito mais que o amor livre, as pessoas estão odiando. Percebo que existe uma facilidade maior em não gostar de alguém. E isso não é algo solitário, estamos diante de um ódio coletivo, em massa. Seja direcionado para uma pessoa, um grupo especifico, ou simplesmente um objeto. 

Sei que com a internet, as portas do inferno foram abertas e todo mundo decidiu dizer o que realmente pensa, sem filtros e sem considerar o outro. A vítima. No quanto às palavras podem ofender ou machucar. Também não quero exagerar e afirmar que só se propaga o ódio por hashtag na timeline alheia. Afinal, quem quer amar, ama, e quem quer total fama e compartilhamento, odeia! 

Sim, porque o ódio – e ser piadista das redes sociais – é basicamente a nova web-profissão do momento. E a cada dia nasce um novo humoristão que acha que ser realmente engraçado significa ofender qualquer pessoa ou minoria. 

Nas últimas semanas a persona non grata da vez foi o “pau de selfie”. Todo mundo decidiu odiar o coitado do bastão. Até mesmo quem tira selfie. Ficou plenamente decidido que o “pau” é cafona, que quem usa é cafona e quem faz selfie, também é! Não, selfie já havia sido rebaixada e odiada por muita gente já tem um belo tempo. E, pra falar a verdade, o que me surpreendeu “desde o seu surgimento” foi o nome. Meus queridos amiguinhos, selfies sempre foram tiradas (saudades 2004 e o booom das câmeras digitais), o único problema é que não tinham um nome. Selfie era... Foto e pronto, simples. 

Mas hoje, odiar e falar mal é o que mais repercute conteúdo por ai. Pode fazer uma busca no Twitter ou mesmo nos vídeos do Youtube. É uma infinidade de críticas, de palavras que são ditas mais para polemizar do que significarem algo de verdade. 

Também não é preciso morrer de amores pelo Pau... da selfie ou até mesmo pela própria. Podemos só brincar de não tocar no assunto. Quem é ignorado, não é lembrado. Isso já diz muito sobre a real importância das coisas. 

Quem sabe em 2015 todo mundo não precise amar mais e odiar menos? Acho que é preciso iniciar alguma coisa para ajudar nisso. Algo como... Uma campanha! É isso. Vamos espalhar essa hashtag por aí! 

Inicio a campanha: #AmeMaisOdeieMenos!
Leandro Faria  
Silvestre Mendes, o nosso colunista de quinta-feira no Barba Feita, é carioca e formado em Gestão de Produção em Rádio e TV, além de ser, assumidamente, um ex-romântico. Ou, simplesmente, um novo consciente de que um lance é um lance e de que romance é romance.
FacebookTwitter


2 comentários:

Luciana disse...

Eu odeio esse pau d selfie pelo simples fato dele aparecer na porra da foto..
Aprendam a tirar foto sem q ele apareça.
e selfie ja era selfie nas fotos de revelar.. Tenho um monte..
fim

Anônimo disse...

Amar estar difícil... Amar e ser amado pior ainda... Devemos deixar de lado velhos conceitos e agregar novos. Ate que o velho seja totalmente substituído e assim eliminado da psique humana.
Ódio e resposta ao ódio. Prefiro manter sigilo e silencio do amor, pois como dizem por ai que amar ao proximo é demodé...