terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Não Deixem a Zoeira Acabar




Gente, eu adoro o Twitter. Pra mim, é a melhor rede social que já criaram. Sério, gente! Se você ainda não tem uma conta nessa rede social, faça agora. No começo pode ser um pouco chato mesmo, mas vai ficando melhor, e melhor, até você não conseguir mais parar. 

Uma pessoa posta algo, os seguidores dessa pessoa retuítam para seus seguidores, que retuítam para seus seguidores, e então, de repente, todo mundo está sabendo, todo mundo está informado. Dá pra interagir com gente do país todo. Eu sigo gente de, praticamente, todo o Brasil. Com alguns, a gente interage mais, até marca de se encontrar pra conhecer os amiguinhos de internet, tomar umas cervejas, enfim, socializar fora da rede social. E, claro, é exatamente lá, no Twitter, que são criados alguns dos melhores memes e bordões da internet. Lá também são criadas algumas modas que podem ser usadas, ou na vida e lá, ou apenas lá.

Uma das modas da rede social é usar o feminino pra tudo. Frases como "Amigas, estou exausta", "Oi, miga!", "Eu tô é morta com isso!", "Amigas, bom dia!", enfim e enfim, se tornaram extremamente comuns por ali, inclusive (ou eu deveria dizer 'principalmente'?) entre os gays. É divertido demais ver a galera se tratando assim. Vários diálogos entre as arrobas me matam de rir.

Porém... Como em todos os lugares, na internet também tem muita gente chata, e no Twitter não seria diferente. Sempre tem a arroba caga-regra, a pessoa mimizenta que não sabe brincar, que gosta de pagar de culta. Aí começa: "Mimimi, eu não uso feminino, mimimi, eu sou homem, mimimi, isso é coisa de viadinho afeminado."

O que me deixa intrigado é que, a maioria dessas arrobas caga-regra são o que? Sim, gays, minha gente. Tudo viado. Tudo beija rapazes. Eu, felizmente, deixei de seguir essa galera, porque não dava. O povo não entende o significado de Zoeira. 

O que é a Zoeira? Nada mais é que uma forma de se divertir, de encarar a vida de um jeito leve, fazer piada, fazer palhaçada, fazer... Zoeira.

Mas não, esses gays discretos e fora do meio (outra coisa que eu não entendo, porque se é gay, ESTÁ DENTRO DO MEIO), ficam de graça, querendo pagar de machão, sendo que entre quatro paredes.... Ah, que coisa chata. É uma necessidade de autoafirmação constante que me irrita. É igual muito hétero que eu conheço, que fica posando de machão, que só pega mulher, e sempre acaba com a brincadeira de todo mundo. Ganha alguma coisa sendo chato? Não, né? Então sosseguem, deixem o povo se divertir como quiser, divirtam-se como quiserem, só não estraguem o barato de quem quer ser feliz. Não deixem a zoeira acabar!

E é isso, texto de hoje foi rapidinho porque eu não to com muita paciência (novidade, né?).

Leia Também:
Leandro Faria  
Glauco Damasceno, do interior do RJ, é o colunista oficial das terças no Barba Feita. Tem aproveitado a fase de solteiro para viver tórridos casos de amor. Com os personagens dos livros que lê e das séries que assiste, porque lidar com o sofrimento do término com personagens é bem mais fácil do que com pessoas reais.
FacebookTwitter

Nenhum comentário: