quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Sexo Oral - # 03





O carnaval passou, o mês está acabando, mas não poderia terminar sem que a gente falasse sobre o que mais gosta - e faz! Sexo, claro! E, seguindo toda uma tradição que se inicia aqui no Barba Feita, meu convidado dessa vez é o dono das quartas-feiras (até porque dizem que de quatro é mais gostoso), o senhor Paulo Henrique Brazão, ou como já conheço e chamo, PH! 

Embora as perguntas sempre sejam sobre sexo, dessa vez deu pra perceber que o foco foi mais a parte de relacionamentos, duradouros ou não, e o sexo que tem no meio disso tudo. Mas, dá pra ter só sexo, sem amor? Ou é possível ter os dois e não ser muito possessivo com nenhum deles? Muitas perguntas, muitas teorias e temos duas respostas para algumas delas. 

Se joga nessa terceira edição do Sexo Oral aqui no Barba Feita
Olá, meninos! Estou namorando há quase dois anos e nosso relacionamento é muito bom. Nos damos muito bem e nunca traí em nenhum relacionamento. Mas, mesmo amando meu namorando, querendo construir um futuro com ele, tenho vontade de traí-lo. O que vocês acham disso???? - Moça Complicada 
Silvestre: Nossa! Não sei. Complicado poder ajudar, viu? Você diz que seu relacionamento é bom e vocês se dão muito bem, mas mesmo assim sente vontade de trair. Isso me leva a questionar, sabia? Será que está tudo muito bom/tudo muito bem entre vocês? Sim, acredito que duas pessoas podem estar em uma relação e mesmo assim sentir atração física por outra pessoa, mas não sei se esse pode vir a ser o seu caso. Afinal, não é alguém especifico, mas uma vontade de trair para estar com outro alguém que, pelo que li, não existe ainda em sua vida. 

Vou dar um conselho, como faria para uma amiga próxima: como você se sentiria se a situação fosse ao contrário? Como você iria reagir caso soubesse que seu namorado te ama, mas mesmo assim traiu porque sentiu vontade... 

PH: Moça, acho que, acima de qualquer coisa você tem que ver de onde vem essa vontade de traí-lo. Você acredita realmente que está tudo bem no seu relacionamento? É simplesmente uma questão de aventura? Ou de “não morrer sem fazer algo que nunca fez”? 

Se o seu caso é o de se relacionar com outras pessoas, por que você não tem uma conversa franca e sincera com ele e buscam encontrar um meio termo? Já pensou em sexo a três? Infelizmente, nossa sociedade julga menos quem trai do que quem faz sexo com outras pessoas junto com seu parceiro. Na verdade, creio que tudo o que é combinado e sadio para a relação é válido e cada relação tem os seus limites. 

Mas, se o seu único desejo é trair, realmente não sei como te ajudar. Até porque isso pode criar um passivo de arrependimento em você depois, com o qual você terá que conviver – e isso vira uma grande autossabotagem. Pense bem antes de dar qualquer passo. 

Meninos, ou divorciado  namoro já por três anos, tenho 54 e ela 43 anos. Ela também é divorciada e sempre tivemos uma vida sexual ativa. Eu sou católico, mas ela é Testemunha de Jeová. Depois de tanto tempo, só agora ela vem dizer que não acha correto sexo oral por causa da religião. Mas andei me informando com pastores da congregação e eles disseram que não tem nada a ver. Foi então que comecei a me questionar e ela disse o seguinte: ‘eu nunca gostei de sexo oral; eu aceitava, mas não sentia nada!’ E realmente fiquei e estou muito chateado! Me ajudem, por favor! O que eu faço: caso ou não caso? - Dilema Cruel 
Silvestre: Eita, Giovana. Então, acho que só você pode responder essa pergunta, pequeno gafanhoto. Assim, sexo é algo que une ou separa as pessoas e, pelo que deu para perceber, você sente falta de algo que sua parceira não tem muito prazer. O que, em outras palavras, é bastante complicado. Mas cabe a você pensar seriamente sobre o que realmente isso tudo significa. 

Casamento, sabemos muito bem, não é só sobre sexo. Tem o convívio, a maneira com que se lida com determinadas situações do dia a dia. E, com 54 anos e já tendo passado por um casamento anterior, você deve saber muito bem sobre tudo isso. 

Também acho que ela poderia ter dito isso pra você sem rodeios e sem usar a religião como desculpa. Pensa comigo, é pessoal. Ela não sente prazer, então é algo que só você gostava. Se refletir por um instante, ela até passou por cima do que sente realmente para te proporcionar prazer. O que você pode fazer, meu caro, é sentar e conversar. Quem sabe os dois não podem estar se privando do que gostam no sexo e por medo de serem, eventualmente, julgados por isso? Mas, se a falta de sexo oral é motivo para cancelar um casamento, só você pode responder... 

PH: Meu caro, a pergunta que você tem que fazer é exatamente a que o Silvestre coloca acima: o sexo oral é fato determinante para casar com alguém? Isso faz você deixar de amá-la? Em tese, o sexo não deveria ser empecilho de relacionamento algum, até porque ele não deveria ser causa, mas sim consequência, dos relacionamentos. 

Não adianta você estar em um relacionamento insatisfeito. Mas também, em qualquer relação, é necessário ceder e aprender a conviver com os limites do outro. Você vai ter os seus e ela os dela. E saber até que ponto você está disposto a abrir mão das coisas é uma questão muito íntima. 

Sentir prazer no sexo oral tem muito a ver em proporcionar prazer ao parceiro. Isso não tem como se impor. Creio que uma alternativa, se ela estiver disposta e aberta a isso, é uma terapia sexual. Somente com diálogo vocês poderão chegar a um denominador comum. 

Há uns 20 anos, meu primo e eu nos apaixonamos e namoramos. Foi intenso, mas durou pouco, pois a família por parte dele era contra e surgiram intrigas. Como morávamos em cidades diferentes, achei melhor acabar o relacionamento porque estávamos sofrendo muito. Ele então se casou com uma moça que engravidou. Passaram-se 10 anos e nos reencontramos: ele estava separado, mas tentando a reaproximação, pois já tinha 2 filhas e ele é do tipo que feliz ou infeliz, a família vem sempre em primeiro lugar. Ele até tentou conversar dizendo que sofreu muito e blablabla, porém eu não quis ouvir, pra não me iludir. Passados mais 6 anos, voltamos a nos falar e os sentimentos voltaram com uma força. Em suma, hoje é mais impossível do que antes, pois agora sou casada com 2 filhos e ele tem 5 filhos. Não nos falamos mais, porque da última vez deu o maior problema e, na verdade, não era nada demais. Agora sofro porque sei que é uma ilusão e desejo banir esse sentimento de mim. - Amor Proibido 
Silvestre: Vem cá e me da um abraço. Que história! E tá na hora de superar, né? A vida até deu, ao que parece, três chances para vocês dois. Em uma vocês não quiseram enfrentar a família de vocês, o que é compreensivo, ainda mais quando jovens. Na segunda, ele pensou muito na família ou isso é você quem diz para se enganar. Ele quis conversar, mas foi você quem não quis ouvir, com medo de se iludir, certo? Passando mais um tempo, a vida decidiu brincar mais um pouco e vocês se reencontraram (que novela!). E os sentimentos reprimidos atacaram todos de uma só vez, mas ao que parece, não só a vida dele é complicada, mas a sua também está bastante. 

Acredito que “nada nessa vida é coincidência”, mas também creio que você escolheu ficar chupando o dedo durante todo esse tempo. O sentimento sempre esteve aí, dentro de você, mas você mesma achou que não fosse valer a pena lutar por ele e o reprimiu. Talvez por esperar desse primo uma ação digna de Romeu ou outro príncipe das histórias que crescemos ouvindo por aí. Mas ele não lutou por esse sentimento. Ele respeitou a sua vontade e foi viver o que tinha pra viver. Foi errado? Não sei. Não posso julgar. Só acho que quando a vida aproximou vocês em uma segunda oportunidade, você não deveria ter sido tão protetora consigo mesma. Não quis ouvir. Quem sabe o que ele iria te dizer não poderia ter evitado o sofrimento de hoje? Pois é. Hoje você sofre por estar com esse sentimento preso ao peito e, o que posso dizer? Você escolheu isso. Posso até estar sendo um pouco duro, mas acho que em nada vai se comparar ao modo como você se tratou por todos esses anos. 

PH: Que coisa mais de filme essa sua história! E, honestamente, filme sem final muito feliz. Minha cara, a vida é feita de escolhas e você e ele fizeram as suas ao longo de décadas! Eu me imagino na sua situação e, realmente, é triste e bonito, ao mesmo tempo. Creio que o maior patrimônio dessa sua história é o sentimento que, por mais que não tenha se tornado concreto como vocês desejaram, é legítimo e ninguém pode tirar de vocês. 

Nesse período, vocês viveram tantas coisas. Construíram famílias, se tornaram pessoas mais experientes e, provavelmente, melhores do que eram quando se conheceram. Agarre-se nisso. A vida não é feita de “se”. Arrependa-se apenas daquilo que você fez e não do que não fez. Bola pra frente! 

Olá! Sou casada há 3 anos, num relacionamento de mais de 10. Descobri recentemente que meu marido me trai – e com várias mulheres -, o que não tolero. Além disso, ele mete as mesmas na nossa casa e na nossa cama. O que devo fazer? Por favor, me ajude pois estou muito triste e muito para baixo. - Traída Intolerante 
Silvestre: WOW! Vamos pensar sobre o assunto? Você não tolera ser traída e descobre que seu marido não só vem fazendo isso com você, mas faz dentro da sua casa e na sua cama? Eu acho que você já deveria ter dado um basta! O relacionamento de vocês tem mais de dez anos e nesse tempo você nunca reparou que isso já poderia estar acontecendo? Sou da teoria que ninguém começa a trair de uma hora para outra. O que acontece é o cara parar de ser cuidadoso e passa a ligar o botão do f*** para tudo isso.

Sério, você quer realmente continuar em um casamento como esse? Acho que sabemos muito bem o que você deve fazer, não é mesmo? Hora de seguir sua vida bem longe desse cara! 

PH: Moça, se você sabe disso tudo e você não tolera, tá na hora de dar um basta, não?! Além de ter sido infiel, ele foi desleal ao levar várias mulheres para dentro de sua casa e na sua cama sem o seu consentimento. Já se foi o tempo em que se achava que a mulher tinha que aguentar mandos e desmandos dos seus maridos, entender e aceitar que ele tivesse outras parceiras simplesmente porque tinha que se manter um casamento. Submissão é tão coisa do século passado... É necessário pegar todo esse sofrimento que ele anda te causando e colocar na balança contra o amor que você provavelmente ainda sente por ele em 10 anos de relação, antes que isso te leve a uma depressão profunda ou algo ainda pior. Um relacionamento envolve uma série de coisas: respeito, autoestima, confiança, admiração... Só amor não garante nada. Pode parecer clichê, mas você tem que se amar mais do que a qualquer pessoa. 
___ 

E por hoje é só pessoal. E vocês já sabem: enviem suas perguntas para nós! Teremos o maior prazer em respondê-las! 

Leandro Faria  
Silvestre Mendes, o nosso colunista de quinta-feira no Barba Feita, é carioca e formado em Gestão de Produção em Rádio e TV, além de ser, assumidamente, um ex-romântico. Ou, simplesmente, um novo consciente de que um lance é um lance e de que romance é romance.
FacebookTwitter


Nenhum comentário: