sexta-feira, 13 de março de 2015

Sobre Hipóteses




Jovem músico cai de plataforma do metrô. Ele tocava violino nos ônibus e fazia o dia das pessoas mais alegres. Chegou a ser matéria num telejornal local que acompanhou seu dia a dia. Aprendeu a tocar com o tio e era um rapaz bem quisto por todos. Infelizmente, ele não viu o metrô se aproximar e o retrovisor bateu nele, o derrubando. Ele estava além da linha amarela permitida.

Esta história aconteceu essa semana aqui em Recife. Rapidamente, o principal telejornal daqui correu para fazer uma matéria alertando sobre o perigo de se estar além da linha amarela, fato muito comum aqui na cidade. Sem querer julgar o moço, longe de mim, mas ele cometeu uma imprudência que lhe causou a vida. Uma perda terrível, era um jovem cheio de sonhos.

Basta apenas um deslize para que as coisas saiam do lugar. Errar o caminho, passar por outro lugar e, de repente, toda sua vida muda. Lembro do Dinho Ouro Preto dizendo que um dia fez um atalho para sua casa e conheceu Renato Russo. A vida dele mudou totalmente. E se ele não tivesse feito isso? Quem me conhece sabe que sou impaciente, impetuoso mas, sobretudo, autêntico, verdadeiro. Mas eu também sou leal, não sou conformista e luto pelo que acredito. Talvez se eu fosse mais comedido estaria numa posição diferente?

O efeito borboleta é uma prova disso. Um bater de asas aqui, uma tempestade do outro lado do mundo. Uma frase aqui pode ser compreendida de várias maneiras e, de repente, paz vira guerra. Mas, e se todos parassem alguns minutos para pensar? Semana passada eu falei sobre apressa, as pessoas vivem com pressa, e se parassem um pouco?

Escolher ir a pé ou de carro, elevador ou escadas, isso são apenas pequenas escolhas que, de repente, podem mudar sua vida para sempre. Estas pequenas escolhas podem alcançar outro nível se trocarmos por estudar de manhã ou à noite, fazer sexo com esse ou aquele. Mesmo sendo coisas com atenções diferentes, são também escolhas que podem mudar muito nossa vida.

E as pessoas que estão ao nosso redor nos influenciam de uma maneira ou outra porque nós escolhemos pessoas também. Não podemos escolher nossos parentes, mas podemos escolher nossos amigos. Eu escolhi os meus amigos e, consequentemente, esses amigos me apresentaram seus amigos e eu os escolhi também. 

Hoje temos as redes sociais que nos aproximam mais ainda. Você escolhe uma pessoa que, de repente, sugere outra ou a própria rede sugere alguém em comum. Você pode escolher adicionar ou não. Quem sabe o que te espera? Um grande amigo ou alguém que você jamais gostaria de ter conhecido? São escolhas e, nesse caso, riscos a serem corridos, afinal viver é correr riscos. Independente das escolhas que façamos, nunca saberemos o que está atrás da porta senão a abrirmos. 

Assim é a vida. O “se” faz parte, o “talvez” faz parte, mas se nos deixarmos controlar por essas palavrinhas, elas sempre estarão presentes e nunca saberemos o que vem pela frente. 

Pequenos deslizes podem mudar nossas vidas para sempre. São escolhas. E o que você vai escolher para o seu futuro?

Leia Também:
Leandro Faria  
Serginho Tavares é um apreciador de cinema (para ele um lugar mágico e sagrado), da TV e da literatura. Adora escrever e é o colunista oficial do Barba Feita às sextas. É de Recife, é do mar: mesmo que não vá com tanta frequência até a praia e mantenha sempre os pés bem firmes na terra.
FacebookTwitter


Nenhum comentário: