domingo, 31 de maio de 2015

Basta Um Dia





Um dia, vinte e quatro horas, mil quatrocentos e quarenta minutos, oitenta e seis mil e quatrocentos segundos. Tantas coisas podemos fazer com esses números. Basta querer, apenas se dispor a aproveitá-los da melhor forma. Aproveitar as horas, os minutos, os segundos. 

Pode-se aproveitar o tempo, por exemplo, fazendo o bem, fazendo alguém feliz, aproveitando cada momento para usufruir de uma ótima companhia e poder se aninhar, se aconchegar nos melhores sentimentos e sensações que cada um possa nos dedicar e doar. Receber doações nesses momentos mágicos também faz parte. A doação de atenção, carinho, ensinamentos, lições de vida, que nos servirão para além desse momento; mas também, não podemos nos esquecer das broncas e conselhos que possam ser dados para nosso bem. 

Basta um dia para nos apaixonarmos e conquistar para toda uma vida. Basta a primeira impressão nos tocar a alma e nos fazer perder a linha que delimita o limite da razão. Deixar-nos levar pela emoção, pela sensação de aventura e casualidades que possam ser colocadas diante dos nossos olhos. Nesse único dia, podemos perder a razão e nos deixar envolver e perdermos a noção de tudo. Podemos nos levar pela fantasia de ter sensações que nos farão perder o norte e cair prazerosamente no abismo das emoções insanas. 

Nesse mergulho na insanidade, nos esquecemos das angústias, problemas, incômodos, cobranças, posturas, aparências e tudo aquilo que nos engessa. Nesse dia, bloqueamos todas as mágoas, venenos, ira, todos aqueles sentimentos mesquinhos que não gostamos de confessar que temos, mas que no fundo fazem parte de nossa personalidade. Tentamos aplacar esses sentimentos pequenos mascarando do mundo e desviando seu foco em ações punitivas que são feitas como se pudéssemos esquecer que temos que lidar também com eles. 

Basta um dia que nos faça esquecer toda agonia que nos maltrata, nos aflige, nos diminui. Basta um dia para alimentarmos a alma com uma sensação avassaladora, que nos desate toda a fantasia contida e nos cantinhos mais íntimos do nosso ser e nos faça esquecer toda dor que nos maltrata. 

Basta um dia.
Leandro Faria  
Givanildo Santos, 33 anos, eterno aprendiz e valorizando o Ser e não o Ter. Levando um sorriso no rosto para contagiar o mundo.
FacebookTwitter


Nenhum comentário: