domingo, 3 de maio de 2015

O Que Eu Penso Saber Sobre o Amor





Então você quer saber se é amor? Pois é, isso não é algo que se percebe da noite pro dia… Principalmente, porque estão sempre ensinando o errado por aí, “mascarando” o amor e dando-lhe formas e significados que não tem nada a ver com o dito cujo. E, ainda por cima, vamos buscar conhecê-lo de verdade muito tardiamente, quando já criamos muitos vícios e costumes que dificultam o entendimento do que o amor seja de verdade. 

Nós nos prendemos demais no sentir, no experimentar… E deixamos de lado o exercício da nossa razão e de perceber as reais coisas que demonstram o verdadeiro amor, gestos que “são” amor! Lógico que não podemos generalizar: “ah, se ela(e) fez determinada coisa é amor mesmo” ou “se ela(e) não faz isso é porque não ama”… Aí também é querer mecanizar ou até mesmo reduzir o amor a um gesto, uma palavra, uma expressão. Sendo que não é o gesto, a palavra ou a expressão, mas sim o que está por trás deles: é a intenção, é a doação, é a decisão. E é isso que é o mais difícil de perceber; por isso muitos não vêem quando o amor chega. 

Qualquer coisa que alguém faça, em si, não é amor… Mas é quem o pratica que o fará ser. Então, como eu percebo? Como posso diferenciar se já me fizeram tantas coisas de formas diferentes dizendo ser amor? Bom, não há uma fórmula pronta e cada caso é um caso, mas você já pode ir começando a considerar coisas próprias do amor: sacrifício, esforço, doação e renúncia. Acha que amar é fácil? Não é. 

Ter apenas uma pessoa em mente durante toda a vida é difícil sim… E ter que aguentar seus defeitos ou colocá-la(o) nos primeiros lugares em quase tudo é mais ainda. E é só o amor que conseguirá fazer valer a pena todo o esforço de permanecer juntos, apesar dos apesares. E o interessante é que o amor ainda nos faz realizar o que é mais custoso para nós, em prol do outro, mas de uma forma que nos realiza e nos torna verdadeiramente felizes em vez de achar ruim por estarmos fazendo alguma renúncia ou sacrifício. Por isso, perceba primeiramente os sacrifícios que ela(e) faz por você, as iniciativas que são custosas a ela(e),   mas que por ser pra você, foi prazeroso. 

Comece a perceber também como ela(e) lida com seus defeitos. Não de ver se é paciente, ou se sabe resolver algo, pois essas coisas são mais questão de personalidade; foque na atenção que ela(e) dá, a preocupação, o sofrer junto. Perceba também o capricho e o “suor” nas coisas que faz para você, a personalização, o querer que seja algo especialmente para você, que agrade suas particularidades. Perceba a prioridade que ela(e) dá a você, as renúncias às coisas que gosta para satisfazer algo seu. 

Enfim, há diversas formas de perceber se é amor de verdade e coloquei algumas que eu já fui descobrindo com o passar do tempo que são, de fato, importantes e verdadeiras. Basta nos desprendermos da falsa concepção de que o amor é um sentimento e irmos buscando sua verdadeira forma e suas expressões. Minhas dicas não são regras prontas, mas acredito que possam ajudar nessa busca. 

Há muitas outras que você pode descobrir, mas, para isso, tenha em mente algo muito importante: para quem ama, não há nada que não valha a pena, além de seu valor para ela(e). Você tem que ser único(a)! 

Leia Também:
Leandro Faria  
Fernando Santos: 25 anos bem vividos, olhos castanhos, mantém sempre a barba aparada, cerradinha e certinha, seguido do cabelo cortado (meio bagunçado), e da roupa no estilo que lhe der na cabeça. Anda com o coração cheio, porque é pura intensidade no quesito sentimento.
FacebookTwitter


2 comentários:

Aprendendo a Amar. disse...

É isso ai amigo, o amor pode ser mensurado através dos atos da pessoa amada.......

Escola Monteiro Lobato disse...

É isso ai Fernando, o amor, ah amar... realmente as vezes nos foge a razão. Mas como vale a pena amar.