quinta-feira, 4 de junho de 2015

De Que Lado Você Está?




Não tem como fugir. Ou você é contra ou a favor, mas no meio do caminho, no meio termo, no mais ou menos não da mais pra ficar. Chegou o momento de você se posicionar. Não existe espaço para quem não liga e prefere ser da “política” do “deixar pra lá” ou de fazer parte do coro que tenta evitar o inevitável fazendo a vez do “deixa disso”. Não agora, não cabe mais. Existe uma guerra em curso e você, meu querido leitor, amigo, colega, desconhecido ou conhecido, precisa saber muito bem qual é o seu papel no meio disso tudo.

Você já sabe de toda polêmica que envolve a propaganda do perfume do Boticário. Sabe também que pessoas utilizando a posição religiosa que ocupam iniciaram uma campanha de boicote. Mas engana-se quem pensa que eles focavam só na marca de perfume exibida no comercial. Teve inicio nas redes sociais toda uma mobilização com a missão de negativar ocomercial no Youtube. Paralelo a isso tudo, denúncias ao CONAR (Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária) foram feitas e o site do Reclame Aqui também foi palco de reclamações. Só que, diferente do que vinha acontecendo, esse não é mais um novo capítulo da “guerra” travada pelos valores da “Tradicional Família Brasileira” contra a comunidade LGBTTT, mas o início de um novo livro. Ou uma nova saga, como preferirem.

Está na hora das pessoas se posicionarem de uma vez por todas, porque não é só sobre uma propaganda de perfumes que decidiu abranger o amor que vai além do que a conhecida pelas convenções sociais da família dita tradicional. Também não é sobre casamento igualitário e nem adoção. A conversa aqui é sobre respeito. Você se acha no direito de interferir na vida de outra pessoa ou você só se acha no direito de desejar que o outro seja feliz, independente do que possa acreditar por felicidade? Veja, não digo que o momento seja de abraçar o desconhecido ou entrar de cabeça em um assunto que pode soar desconfortável para você, amigo e amiga heterossexual. O que questiono é: Será que uma pessoa não merece ser respeitada por conta de quem ela é? Esqueça religião, esqueça guias religiosos. Pense: Não é humano desejar a felicidade do outro? Então...

É preciso lembrar que os questionamentos que levantamos hoje, outros países já se posicionaram e continuam seguindo seu caminho. Sem dramas e sem o fim da espécie humana. É preciso lembrar-se de algo muito importante. Esse assunto pode ter chegado só agora pra gente, mas ele já existe séculos e vem sendo discutido há séculos em outros países. A união entre pessoas do mesmo sexo é uma realidade, ainda bem.

O grande choque para alguns participantes da família “tradicional” é que enquanto ainda se discutia por aqui se deveria ou não ter beijo gay em novelas, os americanos já exibiam séries com famílias gays. Dois pais e um bebê, como em Modern Family. Duas mães criando três filhos e recebendo em sua casa mais duas crianças, sim, falo sobre The Fosters. E até série onde um casal contratava uma barriga de aluguel para o futuro filho, como aconteceu em The New Normal.

A televisão mundial vem fazendo sua parte, enquanto por aqui regras são impostas por fanáticos homofóbicos que vem no diferente o mais assustador dos medos.  E mobilizar os féis em uma votação online ou em denúncias em sites e órgãos responsáveis por um conteúdo focado na diversidade de amor acaba sendo mais importante do que organizar campanhas em beneficio do outro. Não vejo ninguém se preocupando com agasalhos para moradores de rua, comida e companhia para senhores e senhoras de idade abandonados em asilos. Ninguém querendo ajudar crianças carentes ou animais abandonados. O que vejo, e o que se destaca sobre esses grupos intolerantes, é a visão restrita de mundo. Como se o outro, ao buscar amor e a verdade sobre quem é, fosse mais ameaçador do que ajudar alguém que precisa desesperadamente de apoio para passar por um momento difícil.

Então, se posicione. Não peço para que ninguém compre brigas a torto e a direita por aí. Meu único questionamento acaba sendo um só: Você concorda que duas pessoas se amem? Você concorda que duas pessoas que se amam de verdade possam crescer sua família com o ato da adoção? Se sim, HI five pra você. Mas se ficou na dúvida do que responder, meu querido, o tempo está passando e só lhe resta uma coisa: aceitar.

E para aqueles que já aceitam e acham que toda essa questão de casal gay e casal hetero nada mais é do que um questionamento ridículo, os meus parabéns. Vocês conseguem ver “the whole Picture”.

Se posicione . Seja uma versão melhorada de você mesmo!

Leia Também:

Leandro Faria  
Silvestre Mendes, o nosso colunista de quinta-feira no Barba Feita, é carioca e formado em Gestão de Produção em Rádio e TV, além de ser, assumidamente, um ex-romântico. Ou, simplesmente, um novo consciente de que um lance é um lance e de que romance é romance.
FacebookTwitter

Nenhum comentário: