segunda-feira, 29 de junho de 2015

Paixão, Amor e Outras Drogas





Vejo muita gente querendo amar. Gente que parece bem intencionada, que procura sua alma gêmea, cara metade ou whatever para a vida. Gente que quer viver um amor, mas que, infelizmente, não está realmente disposta ao que esse verbo intransitivo realmente significa. Porque, convenhamos, com tanta "disposição", se houvesse realmente vontade, seria mais fácil essas pessoas se encontrarem, não?

Porque amar, apesar de parecer fácil, é aprender a abrir mão, a ceder, a ser um pouco menos egoísta. Não, não adianta, o seu príncipe encantado ou princesa perdida não existe fora do mundo dos seus sonhos, eu juro para você. Dói, mas aceitar a realidade é bem melhor do que viver na fantasia. O que tem por aí é um monte de gente imperfeita (que nem você, veja bem), que pode ajudá-lo a ter uma vida bem interessante, se ambos se dispuserem a compartilhar a vida juntos e com todos os contras que isso pode representar.

Paixões são maravilhosas. As borboletas na barriga, o riso frouxo, as milhares de mensagens por dia no celular. A descoberta do beijo do outro, do cheiro, do gosto, do sexo maravilhoso. O coração palpitando a cada contato e o desejo de que esse contato se prolongue cada vez mais. Mas isso tem prazo de validade, afinal, a paixão nada mais do que um processo químico.
"A paixão, como descrita pela ciência, é um estado fisiológico, com sintomas psíquicos e físicos, em que há uma intensa atividade cerebral e hormonal, muito semelhante à do vício por uma droga, como a cocaína. O julgamento crítico, o discernimento e a racionalidade em relação ao parceiro estão muito reduzidos, especialmente nos primeiros meses." - Cibele Fabichak, médica, no livro Sexo, Amor, Endorfinas e Bobagens
Segundo os especialistas, a paixão, ou o estado apaixonado, pode durar até quatro anos. Atenção para o até. Afinal, existem pessoas literalmente viciadas em paixões, que buscam sempre a sensação desses primeiros sintomas e pulam de "relacionamento" em "relacionamento", colecionando pessoas e não se permitindo avançar no Banco Imobiliário do amor.

Vou contar agora uma verdade muito triste para vocês, condicionados assim como eu pelas histórias de amor da Disney: não existe amor à primeira vista. Amor é aquilo que construímos a partir da paixão, feito no dia a dia, no cotidiano, quando decidimos por escolha própria compartilhar a nossa vida com outra pessoa. 

Amor é se irritar com a louça suja na pia, com as manias do outro, é ter vontade de dar um socão, mas relevar tudo isso porque o que realmente vale a pena é intangível e maior que aquilo que nos irrita. É olhar para o outro e se encantar com aquilo que nos fez ficar apaixonados, mas que cresceu e se tornou perene. É saber que os planos conjuntos, a longo prazo, serão alcançados porque há um projeto de vida a dois. Amor é rir sozinho ao se dar conta que só de olhar você já consegue imaginar o que o outro está sentindo ou pensando. Amor é uma história em construção escrita a quatro mãos.

Mas amar não é fácil. Apesar da forma como é vendido pelas histórias da literatura e do cinema, envolve esforço, boa vontade e, acima de tudo, investimento emocional. Envolve doar-se de uma forma que, ironicamente, reverte-se em autoconhecimento. É um investimento "caro", mas que quando bem feito, reverte-se em ganhos e lucros de longo prazo.

Por isso é fácil entender todos aqueles que ainda não tiveram a experiência e que desejam vivê-la um dia. O problema é que apenas querer não é suficiente. Para viver um grande amor é preciso estar disposto a aceitar o outro como ele é e a abrir mão das sensações mil e das facilidades que as paixões múltiplas (e pueris) podem te proporcionar. Está certo que quer isso para você? 

Amar é uma delícia. Mas ninguém nunca disse que é fácil.

Leia Também:
Leandro Faria  
Leandro Faria: do Rio de Janeiro, 30 e poucos anos, viciado em cultura pop em geral. Gosta de um bom papo, fala pelos cotovelos e está sempre disposto a rever seus conceitos, se for apresentado a bons argumentos. Odeia segunda-feira, mas adora o fato de ser o colunista desse dia da semana aqui no Barba Feita.
FacebookTwitter


Nenhum comentário: