quinta-feira, 13 de agosto de 2015

Sexo Oral - # 06





I’m baaaaaaaack! Depois de uns dias de férias e de ter sido presenteado com textos de Fernanda Prates e Michael Oliveira, decidi voltar em grande estilo. Sim, vamos voltar falando de sexo, relacionamento e aquilo que fica no meio dos dois. Afinal, existe assunto melhor para apimentar nossa quinta-feira? Quer dizer, existe. Nanda, Mikes e eu falando sobre o assunto, claro! Isso mesmo. Você teve duas semanas de cada um e chegou a hora de ter nós três ao mesmo tempo (ui...). 

Então se prepare que essas são as dúvidas sexuais dessa sexta e especial edição do Sexo Oral. E lembre-se: você pode enviar suas perguntas para o nosso e-mail: BarbaFeitaBlog@Gmail.com ou via inbox na nossa página no Facebook. Pode deixar que sua identidade será preservada, sempre! 

Vamos agora para as dúvidas dessa edição:
Amei o blog, os conselhos e por isso vim até aqui pra ver se vocês me ajudam! Terminei um namoro de 3 anos (que já não ia muito bem) por estar apaixonada pelo melhor amigo do meu irmão (que talvez me veja como irmã dele também). Desse namoro ficou um filho de menos de dois anos e muita complicação. Agora, meu ex não me deixa em paz, achando que por termos um filho irei reavaliar e reatar. Sou do tipo de pessoa que sempre pensa nos outros primeiro e meu maior defeito é me sacrificar para não magoar alguém. Mas o meu ex me traiu diversas vezes e sempre fui humilhada pela sua família. E me vejo aqui dividida entre voltar a essa história, mas encantada por outro homem que surgiu me fazendo sorrir do nada e trazendo o bom humor para minha vida. Nos falamos todos os dias por mensagens, ele me entende e está cuidando de mim. Mas, e meu filho? Como será a sua vida longe do pai? O que faço, gente? - Mãe Confusa 
Sil – Mãe confusa, vamos lá. Primeiro, o relacionamento era uma bosta, ou seja, você não voltaria para essa realidade se dependesse de você. Então acredito que temos sua resposta. Filho não segura relacionamento. Parece piada, mas homens e mulheres vivem achando que essa é a solução mágica em momento de crise ou quase separação e não é. 

Sobre seu filho... Ele vai ter o pai, vocês podem combinar uma forma dele conviver com você e com ele, sem danos e problemas. Crescer com pais separados é uma realidade muito maior do que imaginávamos anos atrás. 

Sobre o amigo do seu irmão, querida, se joga, tenta. Não vamos deixar nada no platônico. Você pode sondar pra saber se ele não gosta de alguém, se não tá em um momento que não quer nada sério... Mas caso ele esteja disponível, tenta. Nunca se sabe o que pode acontecer. Vai que ele pode ser o cara certo e tá só esperando você acordar pra vida? E caso não seja, relaxa, a vida taí e não se pode deixar ela passar em branco. Seu filho, em alguns anos seguirá o próprio cainho e acho que seria justo com ele e com você que não espere até lá para recomeçar sua vida. Seja feliz!

Nanda Prates – Acho que você já resolveu sua própria dúvida, né? Você mesma definiu como "defeito" sua qualidade de se sacrificar para não magoar os outros. É claro que a vida envolve compromissos e, obviamente, um filho faz as decisões terem mais peso, mas você realmente acha que seu filho se beneficiaria de uma mãe infeliz, num relacionamento ruim? 

Muitas vezes as pessoas decidem ficar juntas pelos filhos, mas não percebem que desta forma, em vez de crescerem vendo pais e mães legais, os filhos acabam crescendo vendo marido e mulher infelizes. Isso é ruim em diversos sentidos - desde a própria dinâmica desagradável do lar, ao fato de que, obviamente, filhos querem ver seus pais felizes. Neste caso, ainda estamos falando de um marido que te traiu inúmeras vezes, ou seja, trata-se de um relacionamento deteriorado e sem confiança. A sua felicidade não é egoísmo - é inclusive um benefício para seu filho, que certamente vai preferir crescer num lar equilibrado e feliz, ainda que o pai não necessariamente esteja perto o tempo todo. É totalmente possível incorporar o pai do seu filho à vida dele sem que ele precise comandar a sua (eu e tantos outros filhos de pais divorciados somos prova). 

Sem contar que insistir num relacionamento miserável por motivos além de amor é receita para ressentimento e brigas. Mesmo que você consiga fazer funcionar agora, as chances são de que tudo exploda novamente no futuro, quando ele sentirá ainda mais a ausência paterna. Sabe quando o avião tá caindo, e dizem pra você botar a máscara primeiro em você, pra que assim você possa realmente ajudar a criança? Então. Talvez seja um desses casos, né? 

Mikes – Na boa, minha querida... acorda pra vida! Você tem um filho, então é ele em primeiro lugar, mas de qualquer forma, como você quer fazer ele feliz se você não estiver feliz? Também tem aquela velha história, pai é quem cria. Então nem pensa duas vezes, erros do passado ficam no passado, por mais que venham acompanhados de títulos como "pai". It's out with old, in with the new. 

Ai, eu preciso de ajuda! Sou casada há 5 anos e nunca tive um orgasmo. Meu marido é carinhoso, mas nunca me faz gozar e acho que é porque ele tem o pau pequeno, uns 14 cm. Só conseguia me satisfazer comigo mesma e durante os banhos, até que não resisti e acabei traindo meu marido com o meu cunhado, que tem um pau muito grande. E não me culpo por isso, foi bom, uma vez e pronto. Mas como faço agora que sei que é o meu marido que não me satisfaz? - Esposa Infeliz 
Sil – Então, Miga, bora fazer a fila andar? Se você nunca teve um orgasmo em cinco anos de casamento, isso não vai mudar em mais cinco anos. E se seu cunhado fez o serviço direitinho... Acho que tá na hora de você se separar e seguir com a sua vida. 

Claro que você também pode fazer uma coisa muito doida, mas que pode dar certo. Já pensou em conversar com seu esposo? Assim, se você estava casada com ele e demorou esse tempão pra trair é porque tem sentimentos por ele, certo? E isso significa muita coisa. Acho que ele pode saber que não vem te satisfazendo e, quem sabe, possa melhorar nessa área. Vivemos falando que o tamanho da varinha não é importante, mas a mágica que ela consegue fazer. Talvez não seja só o tamanho do pênis dele. Pode ser questão de pegada, modo de fazer... O pacote completo que não te deixa feliz e se esse for o caso, se separa. Não continua casada e traindo. Isso não é bacana e só vai estar enganando a você (além dele também). 

Nanda – Bem. Vamos com calma porque sexualidade humana é um negócio extremamente complicado. Primeiro: acho que você sabe que trair seu marido com seu cunhado não é particularmente legal, né? Tendo dito isso, escorregões acontecem e estamos numa zona livre de julgamento aqui. Se foi uma vez e você já superou, quem sou eu para tentar colocar mais peso? Porém, acho que estamos tratando de algo maior aqui. Você aparentemente já decidiu que seu marido não te satisfaz. Mas você acha que isso é só uma questão de tamanho? Porque, se fosse apenas isso, ele poderia te excitar de outras formas. A sexualidade, principalmente a feminina, é muito ligada a fatores psicológicos mil. Se você é capaz de ter orgasmos sozinha, por que não consegue ter com ele, ainda que de formas alternativas à penetração? Talvez tenha mais coisa neste relacionamento te impedindo de chegar lá com ele, não? Acho que vale refletir e pesar as coisas. 

Se o seu relacionamento é ótimo em outros sentidos, se você quer continuar com seu marido, vale analisar mais profundamente o que está te travando e, então, buscar alternativas. O que não dá é para você continuar sexualmente frustrada. Isso não é saudável para você ou para seu relacionamento e, às vezes, acaba levando a deslizes como esse do cunhado. Convenhamos que, a longo prazo, não vai funcionar pra ninguém, né? 

Mikes – Você só se satisfaz com penetração? Sempre acreditei que sexo é muito mais do que o velho in-and-out. Acho que antes de você botar a culpa no marido, tenta conversar com ele. Faz uma sessão de sexo dance-a-long. Manual prático, saca? Guia o cara, diz e mostra o que você gosta e como gosta. Você pode acabar descobrindo que seu marido pode muito mais do que o que ele sempre fez. Talvez por inexperiência, talvez por falta de prática. Não seja precipitada. 

Meninos, vamos lá, acho que podem me ajudar. Tenho quinze anos e estou completamente apaixonado pelo meu primo (que tem 17). Ele é todo machinho e não acho que ele curta outros meninos, mas não consigo não dar mole pra ele. Um dia, quando ele dormiu aqui em casa, eu o chupei enquanto ele dormia e me senti muito bem. Mas não sei como fazer com essa vontade de ir além com ele (eu sou virgem), já que ele pode ficar puto comigo. Fora que ia dar uma merda se minha mãe soubesse. Por que eu sou assim?Primo 
Sil – Primo, vamos conversar. Vou falar com você como costumo fazer com meus amigos. Paixão por primo, melhores amigos, é normal. Acaba sendo mais algo de desejo aliado com paixão platônica. Se complica quando é do mesmo sexo. Mas mesmo achando que ele não curte outros caras você tomou coragem (depois de ler contos eróticos pela internet, aposto) e foi lá e caiu de boca nele? 

Bem, não acho isso muito legal. Primeiro, ele estava dormindo, ou seja, vulnerável. Tudo bem que pode ter sido uma oportunidade aliada ao seu fetiche, mas é errado. Segundo, acho que você chegar e conversar com ele (não que esteja dando força pra isso) seja menos pior (BEM MENOS PIOR) do que ele saber que você já abusou do membro dele, certo? Então, o conselho de amigo é: Não repita mais isso e supere. 

Você encontrará outro amor, mas isso de família é sempre complicado. Se quando os dois são heteros, muitas vezes já dá uma treta incrível, imagina se algo chega a rolar entre vocês e todos descobrem? Acho que seria muita dor de cabeça para uma paixão não correspondida, né? 

Nanda – Primo, primeira coisa. Você não pode, em circunstância alguma, molestar uma pessoa enquanto ela dorme. Isso não tem discussão ou flexibilidade: é abuso sexual. E seus sentimentos confusos não podem ser desculpa para isso de forma alguma. Acho que você tem problemas maiores que seu primo agora, e precisa se entender com você mesmo antes de tentar um relacionamento. 

Mikes – Você sabe que chupar alguém sem o consentimento desse alguém, por mais que não seja considerado estupro, é errado, certo? Acho que essa fantasia gay devia ficar somente nos filmes. 

Segundo... Primo é problema... Acredite, meu primeiro foi meu primo e isso me rendeu anos e anos de problemas. Vai procurar alguém da tua idade, com o mesmo nível de experiencia e, principalmente, que esteja interessado. Nada é melhor do que descobrir as coisas com alguém que esteja passando pelo mesmo que você. 

Oi, meninos. Li todas as postagens do blog de vocês e me divirto muito e o Sexo Oral é o melhor. Tanto é que decidi escrever. Meu caso é simples e, ao mesmo tempo, um pouco complexo. Eu tenho uma melhor amiga de infância. Mesmo com o passar do tempo, e com nós duas já com 27 anos e morando longe, temos muito em comum. Ela está noiva e me convidou para madrinha de casamento, o que adorei. Mas agora vem o bafo: eu fiquei com o noivo dela em uma festa sem saber que era ele. Confuso, eu sei, mas aconteceu e, agora, não sei com que cara olhar para ela. O que faço, conto a verdade? - Madrinha 
Sil – Madrinha, que história! Tá, vamos lá. Você ficou com ele quando ele já estava noivo da sua amiga? Caso positivo, acho que você deveria pensar em conversar com ela. Fidelidade pode não ser o forte do rapaz. Vai saber se ela não pode se decepcionar com esse casamento? 

Maaaaas, caso vocês tenham ficado uma vez, muito tempo atrás, antes mesmo dele se relacionar com sua amiga. Acho que não deveria contar. Sei lá, foi uma ficada, não rolou uma história depois disso. 

Nanda – Madrinha... Esse é o tipo da situação que, embora as pessoas tentem pintar como preto no branco, tem áreas cinzas. Moralismos à parte, o que me preocupa não é que houve uma situação de uma vez só envolvendo vocês dois. Estou presumindo que isso tenha acontecido depois que eles já estavam juntos, correto? Se ele ficou com você numa festa já estando com ela, pode ser um sinal de que ele não seja particularmente confiável. Quem garante que ele não faça isso com regularidade? 

Se ela é realmente sua melhor amiga, você não acha que merece um aviso sobre a pessoa com quem ela vai casar? Se você não sabia que era ele, tem zero culpa no cartório, mas ele... Bem, ele sabia quem ele era. 

Porém, é o tipo da situação com uma dinâmica muito específica. Você sabe o que desse cara? Sente que isso foi coisa de uma vez, que ele é um cara confiável? Chegou a conversar com ele sobre o que aconteceu? Sua "obrigação", nesse caso, deve ser com a felicidade da sua amiga, que está para casar com alguém que pode estar traindo a confiança dela. Já que vocês têm tanto em comum, se conhecem há muito tempo, acho que você sabe avaliar muito melhor que eu como proceder de forma a preservar sua amiga. Gostaria de poder ajudar mais, mas acho que essa vai ter que ficar por conta da sua consciência. 

Mikes – Eles já eram um casal na época? Por mais que eu acredite em verdade absoluta, acho que nesse caso ela é subjetiva. Se ela é realmente sua melhor amiga e se eles já eram um casal, você deve contar a verdade. Se eles não eram um casal ou ela não é sua melhor amiga, desencana, você não tem nada com isso e monogamia é superestimada. Se tem algo que eu sei é que gente apaixonada não escuta ninguém. 
_________ 

Como estava com saudade dessa coluna, desse espaço e dessas perguntas. O mês que passei fora foi ótimo para recarregar minhas energias e pensar em textos maravilhosos para vocês. 

Mas antes, se tiver alguma dúvida sexual, já sabe, né? Entre em contato com a gente:


Espero que tenham sentido a minha falta. Senti e muito falta de vocês!

Leia Também:
Leandro Faria  
Silvestre Mendes, o nosso colunista de quinta-feira no Barba Feita, é carioca e formado em Gestão de Produção em Rádio e TV, além de ser, assumidamente, um ex-romântico. Ou, simplesmente, um novo consciente de que um lance é um lance e de que romance é romance.
FacebookTwitter


Nenhum comentário: