quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Nada Justifica...





O mundo anda tão louco que não sei sobre o que poderia escrever. Não, não quero falar sobre as pessoas que andam perdendo a noção cada vez mais. Também não pretendo fazer uma análise de como a mídia não anda sabendo lidar com tantos acontecimentos simultâneos. Se acontece uma tragédia aqui, é preciso equilibrar com aquela outra ali e ter flashes diários sobre aquela outra lá.

Graças ao mundo conectado, ou por culpa dele, pouca coisa ainda foge aos nossos olhares ou nosso conhecimento. Parte disso é muito positivo, afinal, é mais fácil descobrir o que “de fato” anda acontecendo do que só ter um olhar, de um veículo, sobre o tema. Mas ao mesmo tempo é enlouquecedor. Estamos lidando com tanta informação, com tantas notícias verídicas que parecem que são tiradas da capa do site Sensacionalista, que é tudo muito desgastante.

Me sinto um ser humano de merda quando vejo o festival de comparações entre tragédias. É uma disputa por quem sofre mais ou quem merece mais atenção, que fico chocado. Se isso não bastasse, vem o festival de roubalheira dentro do país, que parece não ter fim. O pior de tudo? Saber que culpados não serão castigados e que o dinheiro não voltará para onde deveria. E nem saindo do âmbito político é preciso para falar sobre mais um absurdo da semana passada. O secretário executivo do Rio de Janeiro e braço direito do prefeito da cidade assumiu, melhor dizendo, teve que assumir após vazar na impressa, mais um episódio de agressão à sua ex-mulher. E não para por aí. Tudo só piorou com os argumentos apresentados por ele para justificar (como se existisse alguma maneira de fazer isso) o episódio.

Acho que foi ali, ouvindo o festival de besteiras apresentadas pelo secretário e nenhum veículo de mídia questionando o que era dito, que decidi largar mão. Não é possível ficar são quando se recebe notícia atrás de notícia e comentário após comentário com os piores argumentos possíveis para se justificar (ou tentar justificar) o injustificável.

Não se explica uma empresa destruir todo um ecossistema e não ser chamada de criminosa pelos jornais. Não se explica um atentado terrorista e represálias ao ataque, quando só inocentes morrem. Assim como em uma briga de casal não se justifica o homem agredir sua companheira. Exagerar em uma discussão não abre as portas para agredir fisicamente alguém. Isso não é justificável de maneira nenhuma!

E vocês ainda achando que os Maias estavam errados? Acho que o fim de tudo começou mesmo lá em 2012... 

Leia Também:
Leandro Faria  
Silvestre Mendes, o nosso colunista de quinta-feira no Barba Feita, é carioca e formado em Gestão de Produção em Rádio e TV, além de ser, assumidamente, um ex-romântico. Ou, simplesmente, um novo consciente de que um lance é um lance e de que romance é romance.
FacebookTwitter


Nenhum comentário: