quinta-feira, 26 de novembro de 2015

O Cu De Todo Mundo




Admito que até hoje não tinha refletido sobre o tão cobiçado, proclamado e famoso orifício. E cá entre nós, nunca entendi muito bem a obsessão que algumas pessoas possuem por ele. E não, não estou sendo nada irônico. Pense só comigo. Quando pequenos, ouvimos a torto e a direito os adultos e os quase adultos mandando todo mundo tomar no meio do olho do cu. Crescemos acreditando que essa é a maior ofensa que qualquer pessoa pode receber e qualquer outro pode desejar e berrar em um momento de raiva!

Mas não é só isso. Existe também o tabu sexual que envolve essa “parte do corpo”. Homens querem. Mulheres (algumas) nem cogitam usar essa área do corpo, já que dizem (as más línguas) que isso (utilizar) não é coisa de mulher direita (e não estou usando nenhum exemplo extraído de uma obra de Nelson Rodrigues). Alguns outros (homens, mulheres e trans.) utilizam como ganha pão. Quando não, acabam tendo que usar os dos clientes para que eles saiam satisfeitos.

O que me leva pensar que existir um espetáculo em homenagem ao “orifício” não é nada surpreendente, mas um claro sinal do que somos todos nós, em uma escala cada vez mais: fiscal de cu alheio. Meus amigos de Barba e eu já escrevemos alguns muitos textos que falam das pessoas que regulam ou usam as redes sociais para reclamar sobre postagens, ideias e ideologias alheias.

Em um tempo onde a tecnologia dá mais liberdade para os seus usuários, somos mais julgados e vigiados pelos olhares dos “outros”. O pensamento “O que os outros vão pensar” nunca esteve mais atual do que agora. E olha que já passamos por uma ditadura militar, mas o olhar dos nossos “amigos”, por incrível que pareça, vai se tornando tão mordaz e feroz quanto se a ditadura estivesse em vigência atualmente. E jogar pedra no teto vizinho fosse a única maneira de sobreviver por mais um dia. Só mais um dia.

A ideia desse texto nasceu baseada nas fotos que vi de um espetáculo que anda explorando essa parte de tanto pudor das pessoas. Não fiquei chocado com o espetáculo, nem com a ideia artística. Acho que cada um sabe o que faz com “as suas partes”, e a questão nunca foi tão pertinente.  Seja por estarmos um tanto quanto loucos. Seja por vigiar as atividades alheias. Seja um novo esporte bastante praticado.

No fim, o “objeto de desejo” continua sendo curiosidade para alguns, xingamento para outros e instrumento de gozo para tantos mais. Olhar artístico ou não, o cu de todo mundo acaba entrando na reta e muitos congelam sem saber o que fazer ou se devem se defender... 

Leia Também:
Leandro Faria  
Silvestre Mendes, o nosso colunista de quinta-feira no Barba Feita, é carioca e formado em Gestão de Produção em Rádio e TV, além de ser, assumidamente, um ex-romântico. Ou, simplesmente, um novo consciente de que um lance é um lance e de que romance é romance.
FacebookTwitter

Um comentário:

Mega portal de filmes disse...

VÃO TOMAR NO OLHO DO SEU CU SEU PETISTA DO CARLHO