quinta-feira, 12 de novembro de 2015

Seja Você Mesmo, Mas Não Seja Sempre o Mesmo




Diz pra mim, mas com honestidade: você já sentiu vontade de se cuidar? Sim, se cuidar. Marcar aquela consulta no dermatologista, depois ir ao barbeiro ou cabeleireiro polir o visual. Ah, dar uma marcada para cortar as unhas e depois passar em uma perfumaria para comprar um cheiro novo, uma nova fragrância para um novo você.

Pode ser que as respostas sejam concentradas no lado do sim ou no do não (no fim, isso não muda em nada o que quero dizer), mas é um fato que uma dessas coisas que listei você já fez na vida.  Pode ter sido por você mesmo, por querer se cuidar e se sentir bem ao olhar para o espelho. Como pode ter sido por certa pressão daquela pessoa com quem você estava e queria te ver bem.

Estou entrando em um terreno onde quero me ver bem. Me sentir bem. Cansei um pouco do meu eterno visual de vinte e poucos anos, que carregava por aí. As eternas bermudas. As camisas com estampas de série e suas cores berrantes. Quero me vestir de outra maneira. De outro estilo. Quero ter um estilo.

Engraçado pensar que estou em busca de um estilo “novo”, nem considerava o “antigo” um estilo, mas uma maneira de me vestir. O grande fato é que estou mais observador com as roupas alheias. Com o que vejo outros caras usando por aí. Seja uma armação do óculos mais clássica, que combine com o formato do rosto, ao corte de cabelo. Estou em uma busca por “identificação”. Quero encontrar aquele eventual modelo que quero ou seguir ou adaptar para o meu uso.

E se você chegou até aqui e não anda entendendo nada do que estou dizendo, vou tentar te explicar. Pode ser que aquilo que você nunca deu muita importância na vida seja uma das coisas que mais te chame atenção em algum momento. Chame tanta atenção que você pode querer, de uma hora pra outra, saber tudo a respeito. Pode ser que você só queira se reinventar, ser um novo você. Afinal, a gente não muda só internamente. Somos uma versão nova e atualizada, quase que diariamente, mas poucas vezes nos damos conta disso e nos permitimos sair da zona de conforto que é o nosso eu de cada dia e abraçamos o diferente. Que permitimos ser aquela versão que descobre novas opções no menu do restaurante que visita semanalmente, ou então que decide arriscar visitar um local completamente novo para descobrir novos sabores, pratos. Ou só ter uma novidade em sua vida.

Algumas vezes, nós somos a novidade, só não nos damos conta disso. 

Leia Também:
Leandro Faria  
Silvestre Mendes, o nosso colunista de quinta-feira no Barba Feita, é carioca e formado em Gestão de Produção em Rádio e TV, além de ser, assumidamente, um ex-romântico. Ou, simplesmente, um novo consciente de que um lance é um lance e de que romance é romance.
FacebookTwitter

Nenhum comentário: