quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Trinta Anos, Nem Bem Te Conheço, Mas Já Te Considero Pra Caramba!




Trinta anos sempre foi uma idade meio misteriosa pra mim. Lembro que quando mais novo, o que achava legal era ter vinte e cinco. Aos vinte e cinco já não existia faculdade. Só trabalho e diversão. Isso, aos olhos de uma criança, claro. Quando completei vinte anos tive o meu primeiro susto. Era o mesmo cara e com os mesmos medos de quando tinha dezesseis. Fazer vinte e quatro, cinco e seis não foi muito diferente disso. A idade vai ficando maior e todo o resto continua com a mesma proporção que tinha quando se era mais novo. Menos as roupas que acompanham a idade e vão subindo de número. Aliado ao cabelo que foi diminuindo.

Parece trágico, eu sei. E até foi em alguns momentos em algumas questões. Os sonhos tornaram-se outros, claro. Também troquei de crush aqui e ali. Me apaixonei e desapaixonei algumas vezes ao longo dos anos e da “maturidade”. Mas o Silvestre, aquele que pensava que os vinte cinco anos eram o máximo, aquele inocente, continuava o mesmo. Até que vieram os meus vinte e seis anos e tudo mudou. Tive minha primeira perda. E me vi mudar. Mudar de verdade pela primeira vez. Percebi como funcionava em situações limite, de pressão, e gostei disso. Gostei de ver minha digievolução, se é que você me entende.

Mas cresci por um lado e continuava o mesmo em outras coisas. E isso durou um tempinho a mais. Só que aos vinte e oito desencanei de certas amarras que me faziam permanecer em um eterno episódio de Malhação. Parei de sofrer por não me adequar fisicamente ao corpo que todo mundo diz que você tem que ter. Também parei de me torturar por meu cabelo diminuir progressivamente. Me olhei e percebi que meu corpo também estava evoluindo (que ironia, não?), mas em outros aspectos. Por exemplo, perdi o cabelo, mas ganhei na barba e isso me ajudou a ter outra imagem e também a chamar outro tipo de atenção. A primeira vez que eu era um Silvestre diferente.

Mas os trinta vinham caminhando em minha direção a passos largos e eu sentia certo medo. É a segunda troca de idades que tenho. Sai da casa dos dez + alguma coisa e fui parar na casa dos vinte e alguma coisa. Agora saio dos vinte e tenho, nos próximos dez anos, um novo terreno para trilhar. Mas se os últimos “vinte” me ensinaram algo, com toda certeza é ter menos medo da jornada que se inicia. Se aos vinte e poucos anos somos uma extensão dos dez e tantos outros, aos trinta somos novos, mas sem tanta inocência.

Sei que não devo colocar tanta responsabilidade em uma idade que vou conhecendo aos poucos, mas é preciso dar um voto de confiança. Afinal, trinta anos, eu te conheço pouco, mas te considero pra caramba!

Leia Também:
Leandro Faria  
Silvestre Mendes, o nosso colunista de quinta-feira no Barba Feita, é carioca e formado em Gestão de Produção em Rádio e TV, além de ser, assumidamente, um ex-romântico. Ou, simplesmente, um novo consciente de que um lance é um lance e de que romance é romance.
FacebookTwitter

Nenhum comentário: