segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Estar Solteiro: Que Mal Existe em Ficar Sozinho?




Uma coisa que acho muito engraçada (e incompreensível) é o desconforto de tantas pessoas em estar solteiro. Como se estar sozinho fosse um peso enorme e a própria companhia não fosse suficiente para a existência. E, sei lá, acho que exatamente essa necessidade de estar junto é que faz tantos relacionamentos já começarem fracassados, já que o outro, a sua cara metade, ganha logo de início um imenso saco de expectativas (suas) sobre as costas.

Tem bastante tempo que não sei o que é ser solteiro, mas nunca tive grandes problemas com a solteirice quando ela era a minha companheira. E por encarar a solteirice mais como uma amiga do que como uma vilã a ser vencida, tive excelentes experiências que me prepararam para quando meus relacionamentos começaram.

Que fique claro: não estou falando aqui daquela fase da vida, lá pelo fim da adolescência, início da idade adulta (e não, se você tem vinte e poucos anos, você não é mais adolescente, dica!), quando ainda estamos experimentando a vida e nunca tivemos um relacionamento, o que faz com que o nosso desejo por um seja maximizado. É nessa fase que temos as primeiras paixões, os amores eternos de uma semana, as experiências inesquecíveis que serão apagadas poucos anos depois e ficarão lá, como singelas e distorcidas recordações. Falo de gente adulta que sofre por estar sozinho e não consegue fazer nada na vida sem se preocupar com um futuro pretendente em cada esquina.

Namorar, casar, viver junto é legal pra caramba, posso atestar. Mas também não é nada fácil, muito pelo contrário. Exige uma boa dose de auto conhecimento e, acima de tudo, boa vontade para com o outro, o que é normalmente cultivado pela solteirice, pelas suas experiências, pela vida. Se você, inocente que é, passa o tempo todo procurando alguém ao invés de, olha o clichê, conhecer bem a si mesmo, como poderá ser parte de algo maior ao lado de outra pessoa?

Não sou especialista (e acho que ninguém é), mas sempre fui bem resolvido. E falo por mim mesmo. Gente carente e desesperada nunca me atraiu e, muito pelo contrário, só me assustava e afastava. Quem quer namorar alguém que demonstra desde o primeiro instante que quer desesperadamente namorar com você, sem nem mesmo saber direito quem você é? Eu, heim, sempre fugi de gente doida nessa vida.

Mas, falando pela minha experiência, acho que ser leve é a melhor opção. Vivendo tranquilo e sem desespero, aproveitando a vida e, mais importante de tudo, se divertindo, a gente fica preparado para quando aquela pessoa especial surge na nossa vida, sem anseios desnecessários e obrigatoriedade de se apaixonar por qualquer um que apareça pela frente. Porque ser solteiro é ser livre, leve, solto e, por que não, feliz!

Fora que acho essa história de cara metade uma tremenda de uma bobagem. Ninguém é pedaço de ninguém e essa ideia me é tão estranha, que desconfio logo de quem usa o termo "cara metade". E ficar procurando alguém que te complete chega a ser bizarro. Não é melhor ser inteiro e achar outra pessoa assim, para que, na soma, vocês sejam duas pessoas completas e não a metade de uma só?

Ah, Leandro, você não sabe de nada, quem é você para dar palpite sobre a minha vida e a minha solidão? Sou ninguém, gente. E, como sempre caguei para as convenções, continuo fazendo isso e apenas compartilhando as minhas impressões sobre um assunto que vejo incomodar tanta gente legal e que, por isso mesmo, está deixando de ser. Ninguém aguenta ficar ao lado de alguém monotemático e que está focado apenas em uma coisa nessa vida. Principalmente se essa coisa for a busca incessante por outra pessoa.

A vida é curta e passa rápido. Viva feliz. Sozinho ou acompanhado. Mas viva, aproveite as oportunidades. Abra os olhos. E assim, quem sabe, talvez, você não acabe realmente encontrando aquilo que está procurando, mas sem o peso de ter de fazer isso a todo o custo? 

Leia Também:
Leandro Faria  
Leandro Faria:, do Rio de Janeiro, 30 e poucos anos, viciado em cultura pop em geral. Gosta de um bom papo, fala pelos cotovelos e está sempre disposto a rever seus conceitos, se for apresentado a bons argumentos. Odeia segunda-feira, mas adora o fato de ser o colunista desse dia da semana aqui no Barba Feita.
FacebookTwitter

Um comentário:

Math disse...

Ótimo texto meu lindo amigo! Muito bom...concordo contigo...e olha que de estar solteiro, eu entendo...hehehehe.
Sim, tem uma hora que vc precisa ficar esperto, para não se tornar solteiro eternamente....afinal, o bom de estar solteiro, é poder conhecer e conhecer e se conhecer (como vc mesmo disse), e assim dar oportunidade para que a pessoa certa (e inteira) surja na tua vida.
Ficar procurando a metade por aí...só para quem é metade...eu tb prefiro ser inteiro....hehehe.
Beijos lindão!