sábado, 19 de dezembro de 2015

Homens





Eles estão por toda a parte, invadindo minhas retinas e minhas fantasias. Eles quase nunca foram legais comigo. Me perseguiram, me humilharam, me rejeitaram. Mas sempre mexeram comigo. Com minha libido, minhas emoções, minha curiosidade, meus sentimentos e desejos mais íntimos. Eles, os homens (meu objeto de atração e desejo), foram o céu e o inferno, a melhor e a pior coisa que já aconteceu na minha vida.

Eles são muitos, dos mais variados tipos e tamanhos, e em determinados dias me deixam fora de mim. Na rua, no metrô, no trabalho, nos mais prosaicos momentos eles se proliferam, lindos, monumentais e inevitavelmente atraentes. Gordinhos peludos, magrelos tatuados, garotões musculosos, mauricinhos com cabelos milimetricamente penteados, coroas engravatados. Todos mexem comigo em algum grau. E quando se encontram no mesmo ambiente, todos juntos ao mesmo tempo, me deixam zureta, sem saber pra onde olhar. Mas quando todos os meus fetiches se unem em um único espécime masculino, aí eu entro em parafuso, piro o cabeção, saio de mim e só consigo pensar em uma coisa que um amigo sempre diz quando vemos um cara muito gato em algum lugar: "Dá vontade de pegar esses "homi" tudo e obrigar eles a estuprar a gente, né bi!" (sem apologia ao estupro, ok). Eu morro de rir, mas quando acontece, como aconteceu esses dias no metrô, de topar com um cara musculoso, tatuado e peludo, inevitavelmente lembro dessas palavras, que me soam sábias.

Mas homens são muito mais do que meros objetos sexuais. Embora conheça e entenda muito mais de mulheres, pela convivência intensa com elas, e as ache incríveis, quando me permito entrar no universo masculino heterossexual (que me provocou pavor durante muito tempo) e enxergá-los mais além do simples sentido da atração, descubro um mundo fascinante. Eles são práticos, divertidos, leves, verdadeiros e surpreendentemente carinhosos. São assim, logicamente, os não machistas e não preconceituosos; sem essas duas características horrorosas e repulsivas, os homens são quase perfeitos.


Independentemente de hétero ou homo, eu gosto deles. Gosto de e dos homens, e talvez se eu não gostasse tudo seria mais simples e menos sofrido. Ter atração por fêmeas poderia me direcionar a um caminho de serenidade ao qual desejo. Não quero ficar aqui de mimimi, dissertando sobre como é dura a vida das gays que querem a sorte de um amor tranquilo e etc, mas homem com homem, em se tratando de relacionamento amoroso, é como ganhar na Mega-Sena, comparação chula, mas é assim. 

Sexo entre homens é muito fácil, rápido, variado e abundante. Existem gays, bissexuais, HSH (Homens que fazem Sexo com Homens, mas não se consideram gays) e enrustidos, um cardápio de opções extensas em meio à uma profusão de hormônios que estão sempre em ebulição, possibilitando uma infinidade de encontros sexuais entre machos. Mas em mim, embora o sexo seja delicioso e até essencial, fica sempre a impressão de que a parte mais legal dos homens ou uma das, fica escondida. O ato sexual entre homens acoberta a verdadeira essência de cada um. No final das contas, fica só o efêmero, a falsa impressão de que homens, principalmente gays, só querem e pensam em sexo. Sim. Querem demais e pensam muito, mas tem tanta coisa bacana além da superfície.

E é por isso que eu gosto de homem. É por isso que eu quero viver um grande amor com um homem. Porque mulher é incrível, mas não rolou pra mim, não dessa vez, não nessa vida. Quem sabe um dia a tal fluidez sexual aflore em mim e eu possa parafrasear Ana Carolina e decretar que gosto de homens e de mulheres; ou como Renato Russo, dizer que gosto de meninos e meninas. Mas, por hora, eu gosto mesmo é de homens e homens, meninos e meninos.

Leia Também:
Leandro Faria  
Esdras Bailone, nosso colunista oficial do Barba Feita aos sábados, é leonino, romântico, sonhador, estudante de letras, gaúcho de São Paulo, apaixonado-louco pelas artes e pelas gentes.
FacebookTwitter


Um comentário:

Glauber Procópio disse...

Fácil se identificar com esse texto, pra esmagadora maioria, mas é mais profundo do que parece. Tamo junto Esdras!