terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Começar de Novo





Algumas coisas, como amadurecer e se conscientizar do que é ser adulta (coisas diferentes, veja bem), me fazem gastar boas horas de reflexão. A última delas aconteceu nos últimos dias, em meio a um processo emocional intenso na construção de um projeto artístico. No mergulho das minhas emoções, buscava algumas palavras que me ajudassem a dar sentido ao que precisava captar e enquadrar virtualmente numa junção de pixels. Muitas vezes aparecia a palavra "recomeço" em minha cabeça.  

É aí que parei para pensar no que realmente significa o tal recomeço. É zerar e começar de novo? É juntar forças e continuar de onde parou? É morrer pra iniciar? É deixar algo pra trás e começar como se nunca tivesse acontecido esse passado? Qual a real diferença entre recomeçar e continuar?  Fala-se muito sobre maneiras de se curar de traumas ou conseguir segundas chances. Fala-se muito sobre recomeçar. Ninguém, no entanto, parou pra explicar o que isso significa de verdade. 

Acho que não existe recomeço, apenas renovações (ainda estou em processo de pesquisa e desconfio que levará décadas até uma resposta concreta aparecer na minha frente). Uma junção de forças que te acordem de onde você parou, como um "play again" do videogame enquanto você ainda tem vidas. Você só volta pro início do jogo, para a estaca zero, quando elas acabam. E na vida real isso significa você morrer (literalmente ou para alguma coisa). E quando isso acontece, não acho que é um recomeço. É um início. O prefixo "re" tira a beleza do novo. Da inocência de experimentar tudo aquilo pela primeira vez.  

Quando se recomeça, não se sente os gostos inéditos, ou doem as dores que você nunca sentiu. Você só passa por tudo isso de novo com um monte de alertas no seu cérebro que te gritam "perigo! perigo! foge!". Recomeçar é se dar conta que um caminho parece errado e então decidir voltar para pegar outra direção. Recomeçar, repetir, repensar: zona de conforto.  Começar é seguir pelo caminho desconhecido - e muitas vezes errado também - e ver onde ele leva. "Mas e as experiências não servem pra nada? Não te amadurecem?". Certamente. Mas servem mais para você se conhecer, entender que você também é infinito, também é maior que parece, e que tudo pode ser viável e possível, e com um pouquinho de esforço, tudo pode até ser bonito. Se só as experiências contassem, não sairíamos do mesmo lugar. Se elas não existissem, viveríamos pulando de abismos o tempo todo. A questão é equilibrar. E a coisa que mais tenho aprendido é que equilíbrio não significa, necessariamente, igualdade. E acho que recomeço não significa, obrigatoriamente, uma oportunidade.  
Um brinde aos começos, aos inícios e às dúvidas que nos fazem ir um pouquinho mais além. Deixemos os recomeços pra trás, vamos usar nossas vidas guardadas, que são muitas e são lindas.

Leia Também:
Leandro Faria  
Patricia Janiques, 30 anos, produtora cultural, escritora, roteirista e publicitária somente nas horas vagas. Tem medo de cachorros e egoísmo, não curte chocolate mas é adicta a goiabada e acha que arte e meditação podem mudar o mundo.
FacebookTwitter


Nenhum comentário: