terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

O Amor, Seja Como For, é o Amor





Salve Carlos Drummond de Andrade e uma das suas melhores obras, O Amor Bate na Aorta. Eu reli há poucos dias esse maravilhoso conjunto de palavras tão bem selecionadas que, juntas, fazem esse carinho na alma. E pode chamar de brega, de cafona, de “não é pra mim”, mas a verdade é: amor, seja como for, é bom. De quem for, pra quem for – ainda que o objeto do texto seja sobre o amor daqueles que a gente celebra quando tem alguém no ultra-comercial dia 12 de junho. 

O poema do mestre Drummond não mente, toca na ferida, mostra o malefício da melancolia, faz poesia com mato e sangue, coloca tudo em perspectiva. E aí a gente vê que quando ele chega, não tem mesmo pra onde fugir. É um bandido perseguido por um policial incansável. É uma via crucis onde a cruz é um peso gostoso de carregar – mas é pesada por demais. 

Eu sou escorpiana em quase nada, mas no que sou, sou muito. E se tem uma coisa que escorpiano é, sem dúvidas: o dono das dores do mundo. Ou amargurado, pra quem preferir. Nessa sofrência astrológica que eu nem sei se acredito tanto assim, eu imploro, suplico, faço promessa e tudo, para que eu não me apaixone nunca mais. Ô coisa ruim isso de um dia é da caça e outro do caçador, não é mesmo? Já disse antes aqui que essas metáforas de Fábio Júnior não estão com nada. Mas, verdade seja dita, ninguém no fundo escolheria não amar nunca mais. Porque quando acontece (e acontece!) é gostoso, é lindo, é maravilhoso. Beijo é bom, beijo da pessoa amada é bom demais. Sexo casual é bom, sexo com a pessoa amada é melhor ainda. A independência é essencial – e boa –, mas saber que tem alguém que está disposto a dividir o peso do mundo com você é um alívio tão gostoso quanto acordar achando que perdeu a hora e lembrar que é domingo e está chovendo lá fora. 

E quando acaba é ruim, quando se transforma é ruim, quando passa também é ruim. E o poema já diz: às vezes sara, às vezes não sara nunca

Acho que no fim das contas, a grande lição que podemos tirar é que a energia investida em pensar “onde deu errado?”, “por que acabou se a gente se amava tanto?” ou “f%*&ˆ#$%@#!”, podemos investir na prática de deixar ir embora aquilo que não pertence mais ao nosso momento presente. Desconectar do passado e das falidas possibilidades que jogamos nos ombros do universo lá no futuro. Porque algo sempre fica, e o que fica pode ser transformado: de tristeza para carinho, de raiva para perdão, de distância para cordialidade quando possível, ou para esquecimento quando inevitável. Mas, mais importante, deixar do lado de dentro o que engrandeceu, jogar fora o que doeu, e abrir as portas pro novo. 

Não costumo dar asas ao sentimentalismo, mas Drummond merece. E pra encerrar cafona como começou, repito as palavras do mestre:

o amor, seja como for, é o amor. 
E sê-lo é grande demais. 
Amemo-nos,-vos,-tu,-eu,-o mundo.
Leia Também:
Leandro Faria  
Patricia Janiques, 30 anos, produtora cultural, escritora, roteirista e publicitária somente nas horas vagas. Tem medo de cachorros e egoísmo, não curte chocolate mas é adicta a goiabada e acha que arte e meditação podem mudar o mundo.
FacebookTwitter


Nenhum comentário: