terça-feira, 1 de março de 2016

Teoria de Jonas





Gostaria de pedir licença pra contar uma historinha bíblica. 

Ah, não se preocupem, não vou pregar, nem nada, só que essa passagem sempre me chamou a atenção. Jonas era um cara legal, bacana, que servia a Deus. Até aí tudo bem. Certo dia, Deus disse pra Jonas ir até a cidade de Nínive pregar pro povo de lá. Jonas foi? Que nada! Jonas pensou: “O que?! Eu? Ir pra outra cidade pra pregar? Jamais, eu vou é andar de navio!”. E lá foi Jonas, todo feliz, todo contente, passear de navio, afinal, quem não gosta de um bom cruzeiro, né? (Tô falando assim, mas nunca fui, sempre tive vontade). 

Estava todo mundo lá, feliz, tranquilo, andando de navio, quando, de repente, uma tempestade se abateu sobre o navio e pronto, a coisa ficou séria, ninguém sabia o que fazer pra evitar que o navio afundasse. Começaram a jogar as cargas ao mar pra tentar aliviar o peso do navio, correram de um lado pro outro, cada um rezou pro seu deus, mas nada adiantava. Enquanto isso, nosso amigo Jonas, aparentemente alheio a tudo o que estava acontecendo, foi pro porão da embarcação fazer o que? Isso mesmo, tirar um cochilo. Quem nunca, não é mesmo?

O mestre do navio foi até lá e: “Qual é a tua, dorminhoco? Não vai ajudar não?”. Foi aí que a tripulação lançou sortes pra que seus deuses mostrassem a causa da tempestade, e qual foi o resultado? Isso mesmo, nosso amigo Jonas, que não devia estar lá. Então, a tripulação pegou o homem e jogou ao mar, e rapidamente, a tempestade cessou (a quem interessar possa, Jonas foi engolido por um peixe grande, mas passa bem, foi vomitado depois de três dias). 

Esse texto é pra você que achou que eu tava aqui sofrendo se acha muito foda, mas que na verdade é a causa dos problemas de muita gente. Já parou pra pensar que a energia que você transmite pode afetar não só a sua vida, mas a vida de todos ao seu redor? Pois bem, ela pode e ela afeta. Positivas ou negativas, as energias que emanamos podem mudar muita coisa. 

Antes estava tudo bem no seu trabalho, antes de você entrar pro time. Aí foi você entrar e pronto, tudo desanda, nada dá certo e ninguém sabe o que raios está acontecendo. Começam as demissões, mandam um embora, outro, e outro, troca aqui, ali, tudo pra tentar recuperar o tempo perdido, e enquanto isso, tu tá lá tirando uma soneca, pensando: “Que merda de empresa, por que eu vim pra esse lugar? Detesto isso aqui, quero ir embora, nada dá certo aqui, eu sou a única pessoa que faz tudo direito nessa merda.”, mas na verdade, tá todo mundo se fudendo porquê você se acha muito foda, mas é totalmente o oposto. Tem pensamentos negativos sobre a vida, sobre o local de trabalho, que é longe da sua casa, que tem clientes chatos, ou que seus colegas de trabalho são isso ou aquilo, que você é muito melhor que todo mundo e trata todos muito mal, com arrogância, não tá nem aí pros problemas da empresa, só quer saber do seu umbigo. Ao invés de tentar promover uma mudança em você e no seu trabalho, prefere ficar lá reclamando feito não sei o que. Todo esse tipo de pensamento se converte em energia negativa, e afeta todo mundo que está perto de você. Aí o rendimento cai, as contas aumentam, demissões acontecem, vidas são prejudicadas, tudo por causa dessa negatividade toda que você emana. E não, eu não estou me excluindo dessa teoria, podem apostar nisso. 

Às vezes, a gente tá lá se achando muito foda, mas tá pagando o maior micão, e quando todo mundo percebe que o erro somos nós, aí, galera, não tem jeito, a gente vai pro mar sim, e fica um tempo dentro do peixe, refletindo sobre o que a gente devia ter feito, mas não fez. Pensando em como devíamos ter agido em determinadas situações, mas não agimos, porque estávamos muito ocupados pensando apenas em nós. E é uma teoria que vale pra todo tipo de situação, incluindo relacionamentos, porque nem tudo de errado que acontece na nossa vida é culpa da outra pessoa, ou de outras pessoas. Às vezes, os causadores de boa parte das complicações nas nossas vidas somos nós, mas insistimos em transferir pros outros porque é mais fácil, mais cômodo. 

Então, antes que te joguem ao mar, para um pouco e pensa no que você anda fazendo, no tipo de energia que você anda transmitindo, no tipo de pensamento que você tem tido. Pode ser que ainda dê tempo de salvar o navio, seja ele qual for.

Leia Também:
Leandro Faria  
Glauco Damasceno, do interior do RJ, é o colunista oficial das terças no Barba Feita. Tem aproveitado a fase de solteiro para viver tórridos casos de amor. Com os personagens dos livros que lê e das séries que assiste, porque lidar com o sofrimento do término com personagens é bem mais fácil do que com pessoas reais.
FacebookTwitter


3 comentários:

Carol Vidal disse...

Ótimo texto, Glauco! A pior coisa que tem é conviver com gente negativista. Esse exemplo no ambiente de trabalho é clássico e eu sofro desse mal (e é difícil não se deixar levar pela maré de pessimismo, viu?).

Mas vamos tocando a vida, tentando sempre nos mantermos positivos. Isso faz toda a diferença mesmo! ;)

Glauco Damasceno disse...

Positividade sempre, Carol!! xD

Glauco Damasceno disse...
Este comentário foi removido pelo autor.