domingo, 5 de junho de 2016

Bissexualidade: as Mentes Jovens e Algumas Dúvidas Pontuais





Ai, darlings, eu atóóóóóron vocês e também amo fazer sucesso. E os meninos aqui do Barba me falaram que eu estou ahazando com meus posts e me convidaram de novo, olha só. Claro que eu sou facinho e, por isso, vocês vão ter que me engolir. Aloka! E olha, eu sou bom, mas nem sou Viagra. Hihihi

E, com o convite, fiquei pensando no que escrever nessa semana. E então lembrei de uma conversa que tive, através da minha página no Facebook (vocês me seguem lá, né? Espero!) com uma menina fofa e linda, cujo nome manterei em segredo, mas que chamarei de Bi Iniciante.

Resumo básico: a Bi Iniciante tem 16 anos e, há 6 meses, depois de uma festa de 15 anos onde era convidada, acabou trocando beijos e carinhos com uma amigA da mesma idade. Sim, mocinhas beijando mocinhas. A experiência foi interessante, ela me disse, mas também estranha, o que a deixou bastante confusa. Mas, com o passar do tempo, elas acabaram conversando e ficando e conversando e ficando e, com tantas ficadas, elas estão namorando a aproximadamente 1 mês. Ahaza! A relação das duas é boa, ela está completamente apaixonada, mas continua com a cabeça confusa, já que, segundo ela, a família a vê como "uma princesinha de rosa dançando ballet" e,  por isso, ela também sempre se viu assim. E ela não sabe ao certo o que quer da vida e se ela deve ser essa princesinha idealizada ou uma moça que namora outra moça. Tenso, né?

E eu fiquei pensando, sabem, não é a coisa mais linda do mundo uma menina de quase 16 anos aprendendo a se descobrir? Eu acho, melbem!

Mas, sobre a questão específica, sweet darlings, o que pude dizer? A história da Bi Iniciante parece bem bonita e acho louvável que mesmo tão jovem ela já esteja vivendo experiências que tanta gente nunca vive e sempre sufoca. Se isso aconteceu primeiro com alguém do mesmo sexo? Who cares, my darlings? Ok, ok, a sociedade hipócrita em que vivemos liga, by the way, o mundo não pode ser perfeito.

Entretanto, me parece que a Bi Iniciante é bem resolvida com seu relacionamento e encontrou em sua namorada (parabéns ao casal!) um conforto que não encontrava até então. As suas dúvidas são sobre a sua orientação e o que ela quer pra ela. Por isso, vou ser bem franco e repetir o que disse no chat do messenger: gata, aos 16 anos eu não sabia nem o que vestir no dia seguinte, quanto mais o que eu queria pra minha vida.

Se gosta de meninas, ok. Se gosta de meninos, ok. Se gosta de meninos e meninas, olha que abrangente, people! Sério, deixem essas dúvidas pra lá e curtam suas vidas. Vou repetir: ninguém aos 16 anos tem certeza DE NADA na vida.

O que acho é que cada um de nós deve é se preocupar em ser feliz e em viver o momento. Por isso, digo pra Bi Iniciante e pra quem mais achar relevante: se está feliz com a atual namorada, viva essa fase intensamente. Pode ser que amanhã ou daqui um tempo você descubra que tem tesão em homem e viva uma nova experiência ao lado de um garoto. Ou pode ser que se descubra apenas apaixonada por mulheres (ou mulher, se continuar com a sua namorada).

A sexualidade humana é bem mais abrangente do que preto e branco. Existe uma série de tonalidades entre um extremo e outro e acho muito digno que a juventude de hoje em dia esteja vivendo isso de forma bem mais intensa que as gerações anteriores.

Assim, querida Bi Iniciante, vai com tudo e leve uma vida leve. É apenas isso que deve ser a nossa preocupação, seja qual for a idade que tivermos: ser feliz. Sempre!

Me despeço por aqui e reitero: a fórmula, sempre, é ser feliz. Do jeito que acharmos que devemos!

;-)
Leandro Faria  
Stanford é gay, muito gay, gay mesmo. Mas não tem vergonha de ser assim e levanta a bandeira de que chique é ser inteligente. E ele também é um personagem, mas que é, muitas vezes, mais real que muita gente por aí...
FacebookTwitter


Um comentário:

Ronaldo Torres disse...

Parabéns a Bi Iniciante que já se deixou fazer diferente do que todos a sua volta suplicam. Que seja feliz e conhecedora de todo seu ser, corpo, desejos, etc. E que consideremos os 'bis' menos indecisos e mais confiantes de seus eus.