segunda-feira, 27 de junho de 2016

Confissões Improváveis: Eu Não Assisto (e Nem Gosto de) Game of Thrones





Todo domingo é a mesma coisa: minha timeline no Facebook e no Twitter explodindo em comentários em tempo real sobre a engenhosa trama de Game of Thrones. São mortes, reviravoltas, spoilers diversos. Gente feliz e gente contrariada. E fãs que repercutem os acontecimentos do episódio da semana por dias, meses (fim de temporada, né?), criando teorias diversas sobre o mundo criado na literatura por George R. R. Martin e levado para a televisão pela HBO. E euzinho no meio dessa história? Fazendo o cavalo na marcha de 7 de setembro: cagando e andando solenemente para tudo isso. 

Ganhei de presente, anos atrás, o primeiro livro da coleção As Crônicas de Gelo e Fogo, do autor George R. R. Martin. A série da HBO ainda não havia estreado, mas todo mundo já comentava a maravilhosa história de A Guerra dos Tronos e eu, interessado nessas novidades, fiquei curioso. Entretanto, logo nas primeiras páginas do livro, me deparei com um problema: o livro era chato à beça, chato pra caralho insuportavelmente chato. Eu tentei avançar na trama, mas senti a mesma preguiça mortal que senti ao tentar ler O Senhor dos Anéis e não titubeei; deixei pra lá. 

O interessante é que, quando eu digo isso, me olham de soslaio e, algumas vezes, me perguntam: ah, você não gosta de fantasia? E a questão não é essa. Eu devorei e ansiei por cada livro da saga Harry Potter. Me divirto com o mundo literário de Percy Jackson. Li e gostei dos livros que deram origem a True Blood. Li toda (e eu sou um herói por isso) a saga Crepúsculo e até achava graça daquela lenga lega. Meu problema é específico: eu não gosto da baboseira que, para mim, é Game of Thrones.

Sansa, Mindinho, John Snow, Tyrion. Eu estou familiarizado com os nomes, com a história e até tenho uma ligeira curiosidade por uma coisa ou outra, de tanto ouvir falar sobre o assunto (vi o episódio do Casamento Vermelho, por exemplo, porque todo mundo comentava e eu queria entender o frisson). Mas se quero ler os livros de George R. R. Martin? Não mesmo, muito obrigado. Faço questão alguma e só de lembrar o martírio que foi acompanhar os poucos capítulos que me obriguei a ler no passado, minha curiosidade se esvai.

Ah, mas por que você não vê então a série? Ela é excelente. Ok, pode até ser, mas acho que não é o meu tipo de série. Tô pouco me importando se John Snow morreu e foi ressuscitado; se tem uma personagem piromaníaca que, aparentemente, queima tudo quando é contrariada; se os dragões e os efeitos especiais são fabulosos; se tem cena de sexo pra caramba - ok, isso eu até acho divertido. Não, gente, eu não tenho interesse. Ponto.

E  me divirto ao dizer isso e ver o choque na cara das pessoas. E não é para ser polêmico, é apenas questão de gosto. Eu adoro How To Get Away With Murder, Scandal e Grey´s Anatomy (e vou sempre ver qualquer coisa que tenha a assinatura de Shonda Rhimes nos créditos) e tem gente que nunca viu nenhuma delas. Eu vi (e revi) Dawson´s Creek e sou completamente apaixonado pela série e muita gente nem deve saber do que se trata. As meninas de Sex and the City me divertiram por temporadas inteiras e tem uma galera por aí que acha a série uma coisa de mulherzinha. Adorei as primeiras temporadas de American Horror Story e larguei de lado quando achei que tudo virou uma palhaçada sem sentido. Eu vejo o que eu quero e, na maioria das vezes, o que gosto. Simples assim.

Então, apesar de improvável, existem pessoas que não ligam a mínima para o que acontece em Game of Thrones. Que no domingo estão tristes com o fim de semana que termina e nem sabem que a série está passando. Eu sou esse tipo de pessoa. E, nesse momento, apenas procuro pessoas que me entendam e me deem um abraço de identificação. Alguém aí?

Tudo bem, tudo bem, entendi. Vou ali ler os spoilers do episódio de ontem então. Porque eu posso não assistir a série, mas não resisto a soltar spoilers sem querer para quem é viciado e ainda não assistiu a season finale. Duvida? Vai lá na minha timeline do Facebook se você tiver coragem! :-P

Leia Também:
Leandro Faria  
Leandro Faria:, do Rio de Janeiro, 30 e poucos anos, viciado em cultura pop em geral. Gosta de um bom papo, fala pelos cotovelos e está sempre disposto a rever seus conceitos, se for apresentado a bons argumentos. Odeia segunda-feira, mas adora o fato de ser o colunista desse dia da semana aqui no Barba Feita.
FacebookTwitter


Nenhum comentário: