domingo, 26 de junho de 2016

Virgindade aos 30 e Algumas Questões Existenciais





Vocês pedem, imploram, mandam emails e mensagens diretas para os meninos do Barba Feita e o que acontece? Eu volto, sweet darlings, sempre volto. Ahaza porque eu podendo e não faço a modesta. Aloka!

E fico pensando? Sobre o que escrever, o que falar. E o que faço? Recorro a vocês, claro. Porque algo que tenho são amigos e amigas virtuais, que adoram me contar o que acontece em suas vidas e pedir a minha singela opinião. Que eu, obviamente, dou, porque não me faço de rogado. E assim é que decidi que hoje seria a hora e a vez de uma amiga virtual, A Virgem dos 30 e Poucos Anos, que me enviou a seguinte mensagem:

Tenho 30 anos e ainda sou virgem. Não sou religiosa, apesar de, no fundo, querer me casar virgem (já que cheguei até aqui). Tive apenas um namorado até hoje e vários “rolinhos”. Gosto de beijos ardentes e do “vem cá, minha nega”. Com o namorado, achei que chegaria aos finalmente, mas, a vergonha de me assumir virgem me impediu de ir em frente. Não me senti segura para contar (nem sei se seria necessário, mas, enfim…). 

Morro de vergonha disso e, por isso, não consigo me envolver com ninguém. Tenho medo de ser considerada “a estranha” por essa situação. O tempo todo tenho que fingir aos outros, inclusive amigos, que já tive experiências sexuais. Não sou assexuada, tenho certeza disto. Ando meio triste porque sei que, seu eu não resolver esse medo, posso ficar sozinha. E eu nao quero isso. Quero amar e ser amada. Quero me casar. 

E eu não entendo porque estou sozinha, já que sou bonita, legal e, sem falsa modéstia, com boa conversa. Cresci ouvindo minha mãe dizer que homem, depois que consegue fazer sexo, joga fora. Acho que isso se enraizou em minha mente de tal forma que, hoje, não consigo viver plenamente. Tem horas que tenho vontade de gritar que sou virgem, pra não viver mais essa mentira e ter certeza que quem se aproximar de mim já aceita esse fato. Enfim, sei que existem problemas infinitamente maiores que o meu, mas não consigo ser feliz com esse peso, pois acho que os homens achariam estranho uma mulher virgem com trinta anos, sem ser religiosa. É isso. 

Um abraço apertado, 
A Virgem dos 30 e Poucos Anos  

Gente, que meigo! E já começo dizendo que não vejo problema algum em alguém se manter virgem até o casamento ou até que se julgue preparada para o ato. Tudo bem, para o casamento acho meio loucura, porque sou daqueles que não dispensa um test drive. Vai que você casa virgem e depois descobre que não tem a química sexual com seu cônjuge? Pelos raios de Zeus, darlings! Deus me livre e guarde desse infortúnio! Mas esperar até o momento em que se julga preparado, nada mais natural. Fazer sexo não é algo banal. Mesmo que depois que deixamos de ser virgens nos perguntemos porque dávamos tanta importância a algo tão natural quanto o sexo. 

Sim, pode parecer estranho à primeira vista alguém de trinta anos virgem, principalmente em nossa sociedade erotizada, mas acho que você está supervalorizando a coisa. Você é virgem por uma série de fatores que lhe deixaram permanecer nesse estado. Ter vergonha disso é um tanto quanto tolo, já que sua virgindade é apenas mais uma característica sua, não algo que lhe defina. 

Então pergunto: você quer ou não permanecer assim? Pelo seu depoimento isso não me ficou claro. Porque perder a virgindade é, provavelmente, a coisa mais fácil do mundo. A forma como se quer isso é que pode ser um fator complicante. Casar virgem, perder a virgindade com um grande amor, sonhar com um momento especial. Uma porção de situações e desejos que fomos incentivados a acreditar. Se é isso que você deseja para você, ótimo. Só não adianta ficar se martirizando que sua hora não chega, pois príncipes encantados desvirginadores não se encontram em liquidação. 

Assim sendo, siga sua vida. Primeiramente, ignorando esse mal estar por ser a única virgem do grupo e ter vergonha disso. Ninguém tem nada a ver com sua vida e com a existência do seu hímen. Eu, no seu lugar, usaria isso mais como diferencial competitivo do que como motivo de preocupação. Aloka

Apesar de não parecer, sou romântico. E espero que seu desejo se realize e você possa chegar aos finalmente. Seja numa cama com pétalas de rosa. Ou apertada no banco de trás de um fusca com um boy magia de alucinar. 

No mais, larga de ser boba. Todo mundo já foi virgem um dia. Até a Madonna. E quando sua hora chegar, se joga, bonita! O melhor ainda vai ser poder cantar: 
Like a virgin, touched for the very first time… Like a virgin, when your heart beats, next to mine… 
Ahazamelbem

Um beijo e até a próxima, 
Stanford

Leia Também:
Leandro Faria  
Stanford é gay, muito gay, gay mesmo. Mas não tem vergonha de ser assim e levanta a bandeira de que chique é ser inteligente. E ele também é um personagem, mas que é, muitas vezes, mais real que muita gente por aí...
FacebookTwitter


Um comentário:

Anônimo disse...

Dia pra tua leitora e todas as virgens do mundo que os homens do mundo se combateriam com espada por elas. Abraço