segunda-feira, 8 de agosto de 2016

O Tempo, a Vida e Algumas Divagações




"Tenho sonhos adolescentes, mas as costas doem
Sou jovem pra ser velha e velha pra ser jovem
Dou valor ao que a alma sente, mas já curti Bon Jovi,
Sou jovem pra ser velha e velha pra ser jovem..."
Aquela dos 30 (Sandy)

Consegue entender o tempo? Para alguns, implacável. Para outros, precioso. Já ouvi, inclusive, que o tempo é relativo. 

Tempo relativo? Parece loucura, mas faz sentido, se analisarmos a explicação que ouvi, que nos pedia para avaliar um (1) minuto. Um minuto para duas pessoas apaixonadas que estão se despedindo e não se verão por um longo período é muito pouco, uma quantidade irrisória de tempo. Um minuto para alguém que segura nas mãos um objeto quente, como uma panela que acabou de sair do fogo e foi colocada na palma das suas mãe, é uma eternidade. E assim fui obrigado a concordar que sim, o tempo é relativo.

Ultimamente, para mim, o tempo é precioso e parece cada vez mais escasso. Quando passei dos 30 anos e, logo em seguida, a Sandy (que tem apenas dois anos a menos que eu) lançou a música que abre esse texto eu experimentei aquela sensação que nos toma quando algo parece ter sido feito pra gente. A música dizia respeito a mim e falava sobre os meus sentimentos sobre a faixa etária dos 30, quando a gente chega no meio da vida, já tendo passado por tanta coisa, enquanto ainda se tem tanto para explorar.



Agora, com os 35 anos recém-completados, se eu tivesse direito a fazer um pedido ao gênio da lâmpada com o qual ainda não tropecei, desejaria aumentar os meus dias em mais 6 horas. Sabe para fazer o quê nessas horas sobressalentes? Dormir, fazer nada, caçar pokémons... Viver.

Sinto saudades do tempo em que minha única preocupação na vida era ir pra escola e, à tarde, ficar sem fazer nada... O mais engraçado é que naquele tempo ficava ansioso para completar logo meus 18 anos, conquistar minha independência, minha vida... Que tolinho eu era.

Perceberam? Estamos sempre pensando no tempo. Em como será nossa vida no tempo futuro. Em como nossa vida era boa no tempo passado. No que podemos fazer para utilizar melhor o tempo presente. No que realizamos e no que queremos realizar.

E por quê então procrastinamos tanto o tempo? 

Lembrei-me agora de uma passagem bíblica (sim, vocês sabem que eu tive formação religiosa, né?) que diz que ‘o tempo e o imprevisto sobrevêm a todos’. Estamos todos sujeitos ao tempo e ao imprevisto. Quem pode nos garantir que amanhã acordaremos vivos? 

Por esse motivo, faça hoje o que tem de ser feito. Ou melhor, para o que você acha que tem de ser feito. Ache tempo para as coisas simples da vida, mas que realmente importam e te farão uma pessoa melhor. Conversar com os amigos, rir com os pais, sair sem destino, sentir o vento no rosto ou, simplesmente, ficar deitado assistindo a maratonas diversas de séries na Netflix. A vida é sua e é você quem sabe o que te faz feliz...

Ok. Eu sei que você é ocupado, que tem um trabalho que te consome muito tempo, que tem responsabilidades. Mas sinto lhe informar: se você morrer hoje, as pessoas vão chorar, vão dizer que sentem falta, mas com o passar do tempo, você será superado. Deixará de ser alguém para se tornar uma lembrança na mente de algumas pessoas, até que, uma hora, até essa lembrança irá se esvair... Eu sei que posso estar sendo cruel. Mas é a verdade. 

O tempo é um ótimo remédio, lembra-se? As pessoas acabam se esquecendo... 

Leandro Faria  
Leandro Faria:, do Rio de Janeiro, 30 e poucos anos, viciado em cultura pop em geral. Gosta de um bom papo, fala pelos cotovelos e está sempre disposto a rever seus conceitos, se for apresentado a bons argumentos. Odeia segunda-feira, mas adora o fato de ser o colunista desse dia da semana aqui no Barba Feita.
FacebookTwitter

Um comentário:

Eli disse...

Muito bom! Eu com 22 também me senti representado pela música e pelo texto!