domingo, 13 de novembro de 2016

Dicas de Intercâmbio Para Quem Não Tem Grana





Muitos, mas muitos amigos mesmo, me perguntam sobre o intercâmbio que fiz na França. Por isso, resolvi falar aqui sobre a minha experiência para, quem sabe, dar uma pequena ajuda a todos aqueles que sonham em fazer um intercâmbio gastando bem pouco ou, melhor ainda, gastando apenas com a o preço da passagem aérea. Porque sim, isso é possível.

Para começar, é preciso saber que existem três sites maravilhosos, porém pouco conhecidos aqui no Brasil, que facilitam MUITO na hora de realizar o tão almejado intercâmbio. Ou, pelo menos te ajudar com hospedagem quando for fazer aquele mochilão maroto!

Vamos a eles?

Começando por: couchsurfing.com - Esse é para períodos curtos. Por exemplo, você vai para Londres mas quer dar uma passada de 3 dias em Paris primeiro; nesses 3 dias, alguém pode te receber na casa dele com toda alegria do mundo, apenas pelo prazer da sua companhia, risos. Mas sério, esse site é mais tipo: dorme aí no sofá, fica de boa, a casa é nossa!

Outra opção: wwoof.org - Esse é bem parecido com o que eu fiz, envolve trabalho voluntário, porém só abrange a área rural. É voltado para quem quer aprender a plantar, aprender sustentabilidade, orgânicos, paz, amor, maconha... MENTIRA! Mas é mais roots.

Agora, para te ajudar a desbravar esse mundão, vou falar sobre o site que me cadastrei e que tenho mais propriedade em falar sobre: www.workaway.info

PERGUNTAS FREQUENTES (tô me sentindo muito sábia escrevendo essas coisas):

  • Como Funciona?
Você precisa primeiro se cadastrar no site e criar um perfil em inglês (pode ser em qualquer idioma, claro, mas o inglês é universal, né, mores?). O cadastro custa $ 29 Obamas e fica disponível por 2 anos, ou seja, você paga os 29 dólares apenas uma vez, ok?

Esse é o preço para o cadastro single, ou seja, para uma só pessoa. Mas você pode fazer o cadastro couple também, que custa 38 dólares, e não precisa ser necessariamente um casal, podem ser amigos, parentes, conhecidos, desde que queiram viajar juntos.

Feito o cadastro no site, você começa a procurar o seu host, ou seja, a pessoa que vai te receber. Eu tive a sorte do meu host me achar, mas antes de fechar com ele eu já havia conversado com outras pessoas.

Tem opções no mundo inteiro MESMO! Desde Brasil até Japão. Escolha seu destino e manda bala na procura.

  • O Que Devo Perguntar Antes de Ir?
TUDO! Fique atento sobre o que o host quer que você faça, se o lugar é próximo a lugares que você gostaria de ir, se ele pode te emprestar o carro aos finais de semana, se você terá seu próprio banheiro e seu próprio quarto. São perguntas que farão toda a diferença, pois na ânsia de fechar com alguém logo, você acaba não perguntando coisas importantes e se frustrando depois – não foi meu caso, porque eu perguntei TUDO!

Seja cara de pau, troque mil e-mails e faça 40 skypes, se necessário. Mas tire todas as suas dúvidas antes de ir.

  • O Que é o WORKAWAY?
É exatamente o que o próprio nome sugere, você vai trabalhar longe de casa em troca de hospedagem e alimentação.

No meu caso, eu trabalhava no máximo 5 horas por dia, em horários variados, de segunda a sexta. Fiquei em um Chatêau incrível na região de Dordogne, na França. Os trabalhos variavam entre ajudar com os hóspedes do hotel, cuidar dos animais, cozinhar e etc.... Aos finais de semana, eu podia fazer o que eu quisesse, então eu aproveitava meu tempo livre para conhecer cidades próximas, meu host nos emprestava o carro dele (para mim e a outra workawayer), então íamos lindas passear, por isso é 
importante você levar uma graninha também.

  • O Trabalho é Remunerado?
Não, é em troca de hospedagem e alimentação.

  • Preciso Saber Falar Inglês?
Você precisa conseguir se comunicar, senão fica difícil a convivência. Mas, como eu disse, existem opções no mundo inteiro, veja o idioma que você tem mais facilidade e vá para lá.

  • Tem Direito a Algum Curso?
Tem. O curso da VIDA! Risos

Você vai aprender a virar gente, mentira. Mas você vai aprender MUITO com essa experiência, vai melhorar muito o idioma que tiver que falar lá e, acima de tudo, vai trocar a sua cultura com outra totalmente diferente, e pra isso não há dinheiro que pague.

  • O WORKAWAY Te Dá Direito a Visto?
Não. Se você for para os EUA, por exemplo, você precisa do visto americano para entrar no país, e só poderá ficar legalmente no país (como turista) pelo tempo que te derem no passaporte.

  • Quanto Tempo Posso Ficar Na Casa da Pessoa?
Geralmente, o workaway é por um período de 2 a 3 semanas. Mas "nóis é" brasileiro, né, mano? Não vamos pagar uma bica numa passagem pra ficar 2 semanas, então conversa com seu host (como eu fiz) e diga que quer ficar pelo menos 2 ou 3 meses, para valer mais a pena! E, claro, lembrando sempre que você é estrangeiro, então se atente ao período que um brasileiro pode ficar legalmente como turista no país que você escolheu.

  • Tem Limite de Idade?
Não.

  • Posso Ir Com Meu Filho?
Sim!!!! Existem muitos hosts que aceitam a mãe com a criança e até o casal com a criança, não é demais???

  • É Seguro? Vão Vender Meu Corpo no Mercado Negro?
Amigo, tudo é possível nesse mundo de Meu DEUS! Porém, existem milhares de maneiras para você fazer isso com muita segurança. Eu, por exemplo, chequei TUDO antes de ir: o lugar, fiz Skypes com meu host, adicionei ele no meu Facebook, conversei com outras pessoas que foram antes de mim, enfim, existem muitas maneiras de se precaver.

E, se mesmo assim você for assassinado, é porque era sua hora mesmo, aceite.
___

Bom, se depois desse livro você ainda tiver dúvidas, deixe-as nos comentários que eu vou responder tudinho conforme o meu conhecimento. Prometo.

Espero ter ajudado de alguma maneira, e ter tornado seu sonho de conhecer outro país e viver uma experiência tão legal quanto essa, mais possível!

Boas dicas são melhores quando compartilhadas, então, se você conhece alguém que se interessaria por esse texto, compartilhe por favor!

Obrigada mais uma vez por ter lido até aqui, e bora viajar meu povo!!!!!

Leandro Faria  
Bárbara Cortez, 27 anos, com rostinho de 15 e pique de 70. Virginiana nada organizada, começou a escrever para não perder também a cabeça. Radialista por formação, cantora por paixão e escritora por cara de pau mesmo.
FacebookTwitter


Nenhum comentário: