sábado, 12 de novembro de 2016

Dicas Literárias





Hoje tem lista aqui no Barba Feita. Coisa boa, lista literária. 

Recentemente, houve um boom de lançamentos de autores expressivos da literatura contemporânea e, coincidentemente, os cinco livros que citarei tem protagonistas ou personagens importantes gays em seus enredos. Mais interessante ainda, a maior parte dos escritores que criaram essas histórias não são gays. 

Com nomes como Daniel Galera, Bernardo Carvalho e Michel Laub, já bastante conhecidos e prestigiados no meio literário, a "literatura queer", por assim dizer, deixa de estar direcionada a um determinado nicho, ganhando maior visibilidade e atingindo leitores de todos os gêneros. Nos dando a chance de entender o olhar desses autores sobre o que lhe é diferente. Histórias contadas sob um outro prisma, que talvez seja só para mostrar que na verdade não há nada de tão diferente assim, a emoção é do humano, e essa linguagem é universal. 

Ainda não li, nem adquiri nenhum desses títulos, mas estou ansioso para fazê-lo. Não tenho dúvidas de que essas leituras valem muito a pena, por isso as divido com você. Segue a lista: 

O primeiro lançamento, que ocorreu no início do mês de agosto, foi o de O Amor dos Homens Avulsos, de Victor Heringer, escritor de 28 anos, carioca, premiado com o Jabuti em 2013, já em seu primeiro livro. Em seu segundo romance, lançado pela Companhia das Letras, Victor escreve sobre o amor entre dois meninos. 

No calor de um subúrbio carioca, um garoto cresce em meio a partidas de futebol, conversas sobre terreiros e o passado de seu pai, um médico na década de 1970. Na adolescência, ele recebe em casa um menino apadrinhado de seu pai, que morre tempos depois num episódio de agressão. O garoto cresce e esse passado o assombra diariamente, ditando os rumos de sua vida. 

Simpatia Pelo Demônio, de Bernardo Carvalho, foi lançado no final do mesmo mês, agosto, também pela Companhia das Letras. Autor mais experiente, o novo romance de Carvalho é sua 12° obra lançada. Aos 56 anos, o premiado autor trata em seu novo livro da relação entre amor e violência. 

O funcionário de uma agência humanitária é designado para levar o resgate que libertará o jovem refém de um grupo extremista islâmico. Enquanto espera para travar contato com os terroristas, o protagonista revê o mais tortuoso episódio de paixão de sua vida: seu caso com um estudante mexicano em Berlim. 

Em meados de setembro veio o esperado (por mim, ao menos) novo livro de Daniel Galera, Meia-Noite e Vinte. Após ler com avidez o romance anterior do autor gaúcho, Barba Ensopada de Sangue, torcia para que em alguma de suas novas histórias houvesse um personagem gay. Então, com esse lançamento da Companhia das Letras, tenho a grata surpresa que um de seus três protagonistas o é. Aos 37, Galera tem em Meia-Noite e Vinte sua obra mais fluida e palatável, se firmando como "retratista" de gerações. 

Em meio a uma onda de calor devastadora e a uma greve de ônibus que paralisa a cidade, três amigos se reencontram em Porto Alegre. No final dos anos 1990, eles haviam incendiado a internet com o Orangotango, um fanzine digital que se tornou cultuado em todo o Brasil. Agora, quase duas décadas depois, a morte do quarto integrante do grupo vai reaproximar Aurora, cientista e pesquisadora vivendo uma pequena guerra acadêmica, Antero, artista de vanguarda convertido em publicitário, e Emiliano, jornalista que tem uma difícil tarefa pela frente. 

Outro gaúcho desta lista é Samir Machado de Machado com seu Homens Elegantes, lançamento da editora Rocco, no final de setembro. Nesta obra o autor retrata a instável fronteira do território brasileiro no século 18. Um romance de época. 

Na trama, um soldado brasileiro é enviado a Londres com a missão de investigar uma rede de contrabando de livros eróticos para o Brasil, em 1760, e se deslumbra com os luxos e excessos da alta sociedade europeia. Uma legítima aventura de capa e espada, com direito a duelos e perseguições a cavalo, apimentada pela literatura pornográfica iluminista e pelo universo LGBT do século XVIII. 

Finalizando essas incríveis dicas de leitura, temos Michel Laub, autor de O Tribunal da Quinta-Feira, lançado na última sexta-feira (11/10), pela Companhia das Letras. Em seu sétimo livro, o autor de 43 anos escreve sobre o fim da privacidade. 

Um publicitário faz confissões por e-mail ao melhor amigo. Os textos falam de sexo e amor, casamento e traição, usando termos e piadas ofensivas que contam a história de uma longa crise pessoal. Quando a ex-mulher do protagonista faz cópias das mensagens e as distribui, tem início o escândalo que é o centro deste romance explosivo. 

Todos os livros me parecem deliciosos. Espero que tenha despertado seu interesse também. Natal está chegando e esses lançamentos me parecem ótimas pedidas para seu amigo oculto. Se já teve a oportunidade de ler algum dos títulos recomendados aqui, conta pra gente nos comentários. 

Até semana que vem!

Leandro Faria  
Esdras Bailone, nosso colunista oficial do Barba Feita aos sábados, é leonino, romântico, sonhador, estudante de letras, gaúcho de São Paulo, apaixonado-louco pelas artes e pelas gentes.
FacebookTwitter


Nenhum comentário: