domingo, 27 de novembro de 2016

Indestrutível





O meu coração está batendo na palma da minha mão,
eu estou indo embora.

Estou olhando a releitura do meu quadrinho preferido colado na parede
ele representa que alguém me amava tanto que não precisava usar a palavra amor
e não era você

Ele representa uma dia em que eu cheguei da faculdade chorando,
assisti Grey’s Anatomy e chorei mais:
porque você ainda tinha algum tipo de poder sobre mim
porque você parecia estar bem com outra pessoa
porque todos vieram falar de você olhando fixamente nos meus olhos
esperando eu voltar a ser uma menina com cara de choro
como eu era, quando estávamos juntos
e porque o O’Malley morreu daquele jeito

Então eu fui a um bar
dancei
e te encontrei pela primeira vez
e tive que correr pela rua para lidar com aquilo

Eu estou indo embora
porque minha banda preferida lançou um CD
e eu ainda não superei todas as músicas que você conseguiu contaminar

Estou indo embora
porque no ano passado
você estava no sofá da minha casa ouvindo eles
enquanto eu falava de Garota Exemplar
e eu me cegava para ter você de novo
arrancava as páginas ruins
passava a borracha em pontos estratégicos
lugares que você manchou
eram muitos borrões

Eu estava te mostrando Reservoir e We Broke Free.
um ano se passou
e eu ainda quero te mostrar que eles são a melhor banda do mundo
então preciso ir embora
porque isso não se parece com algum tipo de evolução

Não é como se eu tivesse escolha
não é como se pudéssemos reescrever
ou como se eu tivesse um coração tão puro
que desejasse te ver feliz antes de mim
meu coração ainda deseja
que apesar de tudo todos fiquem bem no fim
mas ele se coloca em primeiro lugar
uma questão de saúde
mas pode chamar de egoísmo
se quiser

Eu estou tão ferrada
desde que eu te conheci
eu não sei ser outra coisa

E eu não posso agradecer e seguir em frente
porque eu não vejo pelo que agradecer
então eu tenho que ir embora
seguir o mais rápido que eu puder
antes que eu esbarre em você
e comece com meu processo de cegueiras e borrachas de novo

Se eu superar
eu escrevo 
te perdoando 
e agradecendo 
por me provar 
que se você não me destruiu 
então eu sou indestrutível.

Leandro Faria  
Joelma Vasconcelos: baiana, criada em São Paulo, 23 anos, formada em Letras. Fundadora do clube: Pessoas que se Importam Demais (e as vezes à toa) Anônimas. Aceita novos membros. Apaixonada pela educação, arte, cultura e seres humanos. Adora escrever sobre sentimentos, pois acredita que os sentimentos são sagrados, mesmo que os seres humanos não sejam.
FacebookTwitter


Nenhum comentário: