quinta-feira, 20 de abril de 2017

Morando Sozinho!?




Quando tinha por volta de uns doze anos já me imaginava morando sozinho. Não, não sozinho. Iria dividir algum apartamento com um amigo. Isso até aconteceu anos depois. O amigo se tornou uma amiga, mas minha mãe continuou perto de mim. Era um morar junto, acompanhado de mais uma pessoa que não era da minha família. Foi bom. É divertido um pouco.

Morar sozinho, admito que nunca havia passado pela minha cabeça. Mas é minha atual realidade. E minha ficha ainda não caiu, acreditam? Só agora, que me vejo escrevendo esse texto é que percebo o quanto de "adulto" se transformou a minha vida.

Não tenho precisado cozinhar, ainda bem! O bolo de caneca que explodi no microondas ainda é um alerta do que posso representar na cozinha. Mas esse pode ser um novo passo no futuro.

Esse "morar sozinho", por enquanto, deve durar mais uns quatro meses. Depois, se tudo correr como o plano inicial, volto pra casa! Aquela casa que divido com minha mãe e estou acostumado com a rotina. A casa que tem um gato de nome Tarantino, que me dá bola quando quer (mas segundo relatos da minha mãe, anda cheio de saudades de mim).

Tudo o que li até hoje sobre esse momento de sair de casa, hoje faz sentido. Entendo as reflexões, os quereres e a saudade de uma época, que já não volta mais.

 Leia Também:
Leandro Faria  
Silvestre Mendes, o nosso colunista de quinta-feira no Barba Feita, é carioca e formado em Gestão de Produção em Rádio e TV, além de ser, assumidamente, um ex-romântico. Ou, simplesmente, um novo consciente de que um lance é um lance e de que romance é romance.
FacebookTwitter

Nenhum comentário: