segunda-feira, 29 de maio de 2017

Um Pouco Sobre Amizade





Fico pensando sobre o que rege as amizades. O que leva alguém a ser amigo de outra pessoa, a se doar, a querer compartilhar sua existência – regada a felicidades e tristezas – com outro alguém que, se não fosse a nossa escolha, nunca faria parte da nossa vida.

Amizade é, e eu já falei disso, afinidade. É se ver no outro, estar à vontade naquele meio, fazer parte de algo. É um relacionamento mais genuíno, porque você é amigo simplesmente porque é amigo. Diferentemente do amor ou da paixão, não há tesão regendo esse sentimento que, regado ou não, tende a ser tão belo.

Dias desses, num almoço casual em dia de semana qualquer, acompanhado de minhas quatro fiéis escudeiras cuja amizade já se aproxima dos 15 anos, eu pensava sobre o assunto. E, ao pensar sobre isso, me dei conta de que como, quase sempre, os iguais realmente se reconhecem.

Nesse grupo específico, somos todos bem parecidos, apesar das nossas muitas diferenças. O politicamente correto passa longe de nós e ninguém poupa o outro. Cínismo e ironia transbordam na nossa convivência e, sinceramente, não vejo como poderíamos ser mais amigos. Por essas quatro meninas, especificamente, eu seria capaz de fazer coisas que, desculpem-me a sinceridade, eu sequer cogitaria fazer para meu irmão.

Claro que as nossas diferenças às vezes saltam aos olhos, mas acredito que seja essa diferença em especial que dá a liga da relação. E me pergunto, muitas vezes, como entre tantos, acabamos nos escolhendo. Para, no final, deixar essa dúvida pra lá e curtir essa nossa relação, tão divertida, tão intensa, tão sincera. Mais divertido ainda é pensar que nos conhecemos e ficamos amigos no trabalho, logo lá, onde ferrar o outro é quase sempre a tônica existente.


Nesses quinze anos de amizade algumas coisas mudaram. Nós mesmos amadurecemos um pouco. Viramos gente grande. Teve quem comprou imóvel, quem casou (e descasou) e até quem virou mãe nesse meio tempo. E Bernardo taí, já completando um aninho de vida, pra provar que as situações podem até mudar, mas a amizade, quase sempre, apenas se fortalece. 

Claudia, Leina, Giselle e Suzana, é para vocês esse post bobinho e cheio de amor por tudo que temos. Depois dessa semana em que sobrevivemos a um verdadeiro terremoto no trabalho, percebo que o que temos de mais certo na vida é a nossa amizade. Peculiar, maluquinha e, sincera. Porque, querendo ou não, somos tão fofos! E membros do Fofoletes!

Afinal, sem vocês, eu nem teria a oportunidade de me sentir TÃO normal. Obrigado por serem as minhas loucas preferidas do coração!

Leia Também:
Leandro Faria  
Leandro Faria:, do Rio de Janeiro, 30 e poucos anos, viciado em cultura pop em geral. Gosta de um bom papo, fala pelos cotovelos e está sempre disposto a rever seus conceitos, se for apresentado a bons argumentos. Odeia segunda-feira, mas adora o fato de ser o colunista desse dia da semana aqui no Barba Feita.
FacebookTwitter


Nenhum comentário: