terça-feira, 15 de agosto de 2017

Estar e Não Estar Pronto(a) Para o Final





Não, esse não é um texto sobre Scandal. E ainda assim, é um texto sobre Scandal. Ai, que confuso, né? Dia 5 de Outubro estréia a sétima e última temporada dessa que é a série que mudou a minha vida em maneiras que não vou citar aqui porque esse não é um texto sobre a série, apesar de também ser um texto sobre ela.

De umas temporadas pra cá, eu senti uma mudança no ritmo e nos plots da série que foram, aos poucos, me deixando com um sentimento de 'sei lá'. Fui deixando de me identificar cada vez mais com Liv, apesar de amar a personagem que, de novo, foi um grande impacto na minha vida, e assistia os episódios com aquele sentimento saudosista das primeiras três temporadas. Claro, não sou aquele fã chato que fica "Ain, mas a série não é mais a mesma, mimimi", de maneira alguma. Séries evoluem de acordo com o tempo, e Escândalos - Os Bastidores do Poder (de acordo com a Rede Globo) não foi diferente. É assim com todas as séries.

Quando o series finale dela foi anunciado, eu fiquei num misto de tristeza e alívio. Tristeza porque perderia minha fixer de todas as quintas-feiras, e alívio por, finalmente, darem um final para essa série tão maravilhosa. Vejam bem, eu não queria que terminasse, mas ao mesmo tempo, ansiava por isso, porque se fosse renovada para uma oitava temporada, e nona, décima, assim por diante, seria gasta, se tornaria maçante, perderia público e, principalmente, perderia o sentido da existência da série. Assim como muitas outras situações das nossas vidas.

É estranho a gente ficar insistindo numas coisas que o final já tá ali, apontando, praticamente se jogando no precipício, implorando pelo próprio fim. Vamos remoendo, dando chance, e chance, e chance, apertando, esticando, gastando energia com umas coisas que não têm mais solução, e embora a gente já saiba disso, dá uma tristeza saber que não vai ter mais aquilo por perto. Sem brigas, sem dor, sem estresse... O que vai ser da vida depois disso? Essa é a pergunta que fica perturbando a nossa cabeça, e vamos seguindo, brincando com a pedra até onde der, e quando não dá mais e finalmente conseguimos largar mão daquilo que outrora foi algo bom, positivo e feliz nas nossas vidas, vem um alívio misturado de tristeza, e a impertinente saudade.

Hoje em dia dá pra matar saudade de muita coisa, até mesmo de séries, graças aos torrents e à nossa amada Netflix. Mas... algumas coisas devem ser relembradas? Claro que vou assistir Scandal toda outra vez, e vou comprar o box da sexta temporada e tudo mais. Fazemos isso com alguns filmes, também com livros, mas... algumas coisas devem ser relembradas? Já não foi demais o sofrimento de, finalmente, aceitar o final? Não tá na hora de abrir o coração para novas séries, novos momentos, novos amores, novos sabores, novas roupas, novos estilos, novas aventuras?

Leia Também:
Leandro Faria  
Glauco Damasceno, do interior do RJ, aparece por aqui toda terça-feira, munido de sarcasmo, mau humor, ironia, café, vinho e cerveja, afinal, ninguém é de ferro. Gosta de passeios na praia e de assistir o pôr-do-sol, enquanto espera Olivia Pope aparecer e recrutá-lo para ser um Gladiador de Terno. Fala umas coisas bonitinhas de vez em quando, mas só de vez em quando!
FacebookTwitter


Nenhum comentário: