sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Frutas Estranhas





No meu primeiro livro há um pequeno conto chamado As horas, em que eu observo como as pessoas vão perdendo suas referências quando a velhice chega.  Há um determinado momento que vamos nos tornando sozinhos com a perda dos amigos e parentes que construíram nossa referência.  E assim, com nossa história e experiência, vamos nos tornando referências para outras pessoas e assim por diante, um eterno F5. 

Hoje vou escrever pouco.  Queria escrever um texto cheio de referências, mas tenho notado que a cada dia que passa, as tenho perdido.  E antes que você me chame de solitário, eu já digo que isso não é verdade.  Tenho muitos amigos.  E só estou triste hoje pois estou cansado...

Essa semana fiquei meio atordoado com aquele massacre na Somália.  E o que mais me deixou desnorteado foi perceber que a porra de um movimentozinho de merda, de um bandozinho de aspirantes a politiquinhos medíocres e tão incompetentes quanto os atuais, tem mais alcance nas redes com comentários histriônicos e hipócritas de uma população que se incomoda com um homem nu.  Um bando de gente imbecil que confunde uma propaganda de Polenguinho com uma referência ao disco The Dark Side Of The Moon, do Pink Floyd, com a bandeira LGBT!  Uma população que acha que o Sargento Pimenta é somente um bloco de carnaval! Dê à população pão e circo!  Panis et circenses!  Dêem a eles um mês de promoções no supermercados Guanabara, uma goleada do time do coração no campeonato carioca e um feriadão prolongado com sol.  A quem importa um massacre de centenas de negros, pobres, muçulmanos e africanos? 

Je suis Somalia?  Pra quê colocar isso na timeline?  Vamos esconder esse banho de sangue, pois dá muito mais Ibope linchar em praça pública um Caetano, uma Fernanda Montenegro, uma Adriana Varejão.  “Não somos homofóbicos, apenas queremos que nossos filhos sejam homens ou mulheres, o que há de errado nisto?” brada um descerebrado.  Outro, semianalfabeto, escreve em letras garrafais “se na escola do meu filho levar essa pornografia pra ele ver sem minha atorização....eu prosseço”. 

Sinceramente, tenho pena.  Essas pessoas nunca saberão que interesses existem por trás de um país africano fragmentado onde já morreram mais de 1 milhão de pessoas em pouco mais de 25 anos.  Um país que sofre desde a Guerra Fria e que está no meio de um jogo entre potências e a exploração do petróleo.  Sempre ele.

Tenho pena dessas pessoas.  Elas nunca conseguirão compreender a força de um poema como Strange Fruit, escrito por um professor judeu sobre o linchamento de homens negros na década de 1930.  Não saberão que esse poema foi imortalizado por magníficas interpretações de Billie Holiday e Nina Simone, duas mulheres negras e Siouxsie, uma ex-punk neogótica.

Enquanto essas pessoas não captarem que toda essa incompreensão transformada nesse câncer chamado preconceito continuar existindo, negros continuarão tendo sua pele dilacerada; corpos continuarão explodindo em regiões de conflito; mulheres continuarão sendo espancadas por animais na sua casa ou no próprio trabalho; homens públicos continuarão escravizando e tirando direitos do povo; políticos influentes continuarão tendo seus cargos e posições blindadas; doenças negligenciadas continuarão com essa nomenclatura; mosquitos do século XIX continuarão dizimando sonhos; gays continuarão sendo assassinados à luz do dia ou “passeando pelo lado selvagem” das grandes metrópoles.

Tenho pena das pessoas que não se tornam referências para ninguém.  A velhice está chegando e o que será delas quando finalmente partirem?  Quem colocará as moedas sob seus olhos para pagar o barqueiro Caronte e, assim, atravessar sua alma através do rio que separa os mundos?

Tic-tac, tic-tac, tic-tac, tic-tac...  a areia continua caindo, grão por grão.  As frutas estranhas continuam sendo produzidas... Tic-tac, tic-tac, tic-tac... O cheiro de carne queimada continua se espalhando... As horas não cessam.  O tempo não para.  Tic-tac, tic-tac, tic...

Árvores do sul produzem uma fruta estranha
Sangue nas folhas e sangue nas raízes,
Corpos negros balançando na brisa do sul,
Frutas estranhas penduradas nos álamos.

Cena pastoril do valente sul,
Os olhos inchados e a boca torcida,
Perfume de magnólias, doce e fresca,
Então o repentino cheiro de carne queimando.

Aqui está a fruta para os corvos arrancarem,
Para a chuva recolher, para o vento sugar,
Para o sol apodrecer, para as árvores derrubarem,

Aqui está a estranha e amarga colheita.
Leia Também:
Leandro Faria  
Marcos Araújo é formado em Cinema, especialista em Gestão Estratégica de Comunicação e Mestre em Ciências em Saúde. Nas horas vagas é vocalista da banda de rock Soft & Mirabels, um dos membros da Confraria dos Bibliófilos do Brasil, colunista do Papo de Samba e um dos criadores do grupo carnavalesco Me Beija Félix. E também o colunista das sextas-feiras aqui no Barba Feita.
FacebookTwitter


3 comentários:

Laís Maurílio disse...

Ah, Marcos... É um cansaço tão grande! Mas textos como esse seu dão um pouco mais de energia. Obrigada!

JULIO CESAR BRITO disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
JULIO CESAR BRITO disse...

Sinto que vivemos um "Holocausto" pós moderno em que as pessoas suncumbem a ideias tendenciosas, sem sequer parar pra pensar se teriam um pensamento diferente daquilo tudo que tem sido "plantado". Talvez seja mais fácil, lá na frente, dizer que a culpa foi dos "Hitlers" da vida - não os eximindo, absolutamente, de suas ações - porque assim, fica mais fácil justificar o apoio ignorante a tudo que vem acontecendo no mundo. Como se esse apoio, da sociedade insana e egoísta, não fosse a mola propulsora para a catástrofe e segregação humana que temos vivido. Parabéns, mais uma vez, pela sua sensibilidade 😢