terça-feira, 31 de outubro de 2017

Os Silêncios Também Fazem Parte da Vida





Ai, ai, sabe? A vida é engraçada. Mas só às vezes.

E aí, como é que ceis tão? Por aqui tá tudo indo.

Há uns meses atrás estávamos trabalhando no programa Do Sagrado ao Profano, do coro que faço parte, e em uma das músicas (Bogoroditse Devo - Ave Maria em russo, composta por Sergei Rachmaninoff) as Contraltos tinham a melodia no final da primeira página, e nós, os outros naipes, ficávamos em segundo plano. Bem, pelo menos era o que devia ter acontecido, mas não foi assim de primeira, afinal, ninguém é perfeito. Foi então que nosso querido maestro Per Ekedahl, nos disse: 
"Vocês precisam ouvir a melodia das Contraltos. Se você não ouve a melodia, é porque está cantando alto demais."
Não preciso dizer que isso ficou na minha cabeça, certo? Pois é, ficou. Desde então venho refletindo sobre diversas coisas que estão acontecendo na minha vida, e o que eu devo fazer pra corrigir isso, o que estou deixando passar, qual é o propósito disso tudo. Aí, dia desses, fui conversar com uma colega do coro, pedir umas indicações de trabalhos, aulas, coros, essas coisas, e ela simplesmente completou tudo o que eu vinha pensando a respeito do meu propósito, e o melhor: sem querer! Eu nem mencionei nada pra ela, apenas comentei algo e ela me deu esse tapa nas costas, daqueles que quase deslocam a clavícula.

O que acontece é que a gente se deixa levar por todas as preocupações que a vida nos empurra diariamente. É conta pra pagar, comida pra fazer, roupa nova, trabalho, falta de trabalho, relacionamento, etc, etc, etc, e tudo isso acaba abafando a melodia, a resposta que você sabe que tá ali, mas não consegue ouvir porque tá gritando demais, se culpando, culpando outras pessoas, dando importância a coisas que não merecem, ou não são pra você se importar.

O lado bom da vida é saber ouvir a música. Dançar a música. Cantar a música. E se você errar a letra, qual o problema? Errar é humano, nem tudo sai certo de primeira! A vida é feita  de sons, mas também de silêncios. É muito bom falar, cantar, gritar, mas também é ótimo saber ouvir, e mais importante que ouvir, é absorver o que se ouviu, e deixar cada coisa ter a devida importância no seu devido tempo. 

Isso é Música. Isso é a Vida.

Leia Também:
Leandro Faria  
Glauco Damasceno, do interior do RJ, aparece por aqui toda terça-feira, munido de sarcasmo, mau humor, ironia, café, vinho e cerveja, afinal, ninguém é de ferro. Gosta de passeios na praia e de assistir o pôr-do-sol, enquanto espera Olivia Pope aparecer e recrutá-lo para ser um Gladiador de Terno. Fala umas coisas bonitinhas de vez em quando, mas só de vez em quando!
FacebookTwitter


Um comentário:

João Pedro Oliveira disse...

Pois é, vem a vida e nos dá cada tapão! É de tapa em tapa que a gente aprende a não bater... é assim que vou aprendendo.

Abraços,

www.homemdepapel.com