sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

O Ano do "Ranço"




Todo ano eu falo a mesma coisa... Quando assisto aquela Retrospectiva na TV, com o centenário Sérgio Chapellin, tenho a impressão que passei seis meses da minha vida morando em... Marte! “Como seria possível eu não saber que tal fato aconteceu, ainda mais eu sendo um profissional de comunicação????”“Como assim fulano morreu????”

O lance é que nossa rotina está cada vez tão mais atribulada que acabamos não prestando muita atenção em mais nada ao nosso redor.  Como já dizia o sociólogo e filósofo Zygmunt Bauman (que infelizmente nos deixou em 2017), “a vida é líquida”

quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

E 2017 Foi...

...de Anitta!




Bem que tentei, mas não consigo fazer o balanço de final de ano. É como se não tivesse visto 2017 passar.  Vivi o ano tão comprometido com certas coisas (leia-se, trabalho), que o ano acabou sendo divido por acontecimentos. E eu preciso falar... dela!

A primeira parte de 2017 pra mim foi até o mês de abril, mais precisamente no dia 29 de abril quando teve o show aqui no Rio de Janeiro em que Anitta convidava Maluma. Sim, para quem não lembra, o início do ano entre os dois foi maravilhoso. O colombiano veio ao Brasil se apresentar com Anitta e enlouquecer todo o público. O que de fato ocorreu na apresentação dos dois no Vivo Rio, que teve os ingressos esgotados. E acredito que o mesmo êxito se repetiu em São Paulo. O que não poderíamos saber é que pouco tempo depois todo o amor iria virar ranço.

quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

2017: Um Ano Para Não Passar Despercebido





Esse já é o meu quarto fim de ano escrevendo pelo Barba Feita (cheguei quase no apagar das luzes de 2014, um dos melhores anos da minha vida) e, em todos eles, aproveito para fazer um balanço dos 365 dias que passaram. E posso garantir que 2017 foi um ano incrível, na acepção original da palavra: difícil de crer até mesmo para mim. Foi um ano que não teve como passar despercebido na minha história caso um dia eu tenha um arroubo narcisista e resolva fazer uma autobiografia. 2017 foi uma gangorra de emoções, no qual vivi alguns dos piores e alguns dos melhores momentos da minha trajetória.

Foi no primeiro dia de 2017 que meu companheiro de 13 anos, Cristiano, completou seus 40 anos, com uma festa surpresa que organizei com amigos queridos. Ver a sua felicidade com um gesto tão simples não teve preço pra mim. Poucos dias depois, também tivemos o nascimento do meu sobrinho e afilhado Samuel. O nosso “Bibo” (apelido que a irmã Manuela deu antes de ele nascer) chegou e trouxe com ele a máxima de todo mundo que nos conhece: “Nossa, é a cara do tio!”. Imagino o desgosto do pai dele, meu cunhado, em ouvir isso... Mas admito o meu orgulho em olhar para o moleque e ver ali muitos dos meus traços; feições que remetem meus pais diretamente ao momento em que se tornaram pais comigo. Porém, não tenho dúvidas de que Samuel veio a esse mundo para ser bem melhor que o tio dele. Espero contribuir para isso.

terça-feira, 26 de dezembro de 2017

Foi No Ano de 2017...




Aaaaah, o famigerado balanço de final de ano, não é mesmo? Sim, chegou a hora de fazer aquele texto de despedida de ano, como se faz com aquela visita indesejada que a gente vai se despedindo com "Tá bem, querida, isso mesmo, a gente vai se falando...", e ela não para de falar. 2017 não veio a passeio, e quem tinha que passar sufoco esse ano, passou com vontade, passou bonito. E quem não tinha? E embora eu tenha pulado duma perna só o ano todo, não obtendo sucesso em vários momentos, tive vitórias que não me cabem no peito.

Foi em 2017 que eu ingressei no coral, onde fui posto à prova desde o primeiro dia. Quando eu ia imaginar que cantaria em sueco? Em alemão? Em francês? Tudo isso num mesmo concerto?! Ou que viajaria para vários lugares, cantando músicas que só ouvia em vídeos, de compositores que só conhecia de estudos, fazendo o que apenas via os músicos dos filmes e dos outros lugares fazerem? Quem diria que eu participaria de uma ópera?! A minha primeira ópera!

segunda-feira, 25 de dezembro de 2017

Roda Gigante




Eu costumo achar Woody Allen ou brilhante (como em Match Point ou Vicky Cristina Barcelona) ou tremendamente chato (como em Você Vai Conhecer o Homem dos Seus Sonhos ou O Sonho de Cassandra). Acho que a sua produção intensiva ao longo das décadas, com pelo menos um filme por ano, o faça oscilar tanto em resultado, pelo menos em minha opinião. Mas, em seu novo trabalho, que chega aos cinemas brasileiros na próxima quinta, dia 28/12, ele não chega em nenhum dos dois extremos, fazendo de Roda Gigante (Wonder Wheel, no original) um filme ok, com qualidades e falhas.

Estrelado por Kate Winslet, o longa conta o drama de Ginny, a esposa de um operador de carrossel, Humpty (Jim Belushi), que trabalha em um parque na praia de Coney Island no início dos anos 50. Em um verão ela conhece Mickey (Justin Timberlake), um salva-vidas que também trabalha na praia, e acaba se apaixonando por ele, entrando em uma relação que, ela espera, salvará sua vida do marasmo. Quando uma filha de seu marido (Juno Temple) volta para casa, fugida do marido gângster, e também se apaixona por Mickey a roda dos desejos começa a girar.

sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

Mais Listas e um Desabafo Pré-Natalino





Dando continuidade à lista que iniciei semana passada, um outro espetáculo me fascinou: a sempre belíssima cantata Carmina Burana, no Theatro Municipal em junho.  Em um ano onde servidores do Estado do Rio ficaram sem receber seus salários (inclusive todo o corpo de bailarinos, coro e orquestra do teatro), ver uma montagem desta categoria foi emocionante.  Em um tom de protesto, a obra de Carl Orff, que mostrou um final metafórico de uma possível esperança (que acabou não chegando até o fim deste ano), levou o público às lágrimas, que aplaudiu de pé por ininterruptos 10 minutos após o espetáculo.

quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

CheckMate Pra Anitta!





Vocês pensaram mesmo que Anitta não iria causar na reta final deste ano? 2017 foi DELA, então a dona e proprietária iria se fazer presente antes das festas oficiais de "encerramento" dessa temporada de jogos. Afinal, na ceia de Natal, Vai Malandra será assunto obrigatório. E eu adooooro

Mas se lá no início a gente - e acredito que Anitta também - não tinha muita ideia de como seria toda trajetória do projeto CheckMate, o fim, pelo menos, já sabíamos... Seria o clipe gravado com toda pompa em Agosto. Muito se especulou, lá no começo, se esse não seria o start, o primeiro clipe que iniciaria toda a jornada de uma música com clipe por mês. Mas era o final do caminho, a jogada final. Era a consagração de uma ideia/projeto bastante ousado. 

quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

Ame e Deixe Amar




Vamos falar de amor? Estamos numa época do ano em que o sentimento está em alta: perto do Natal e da entrada do Ano Novo, as pessoas costumam semear amor mais facilmente. Pensam na família, nos amigos, mesmo aqueles com quem não manteve contato o ano inteiro. Mandamos mensagens, às vezes mais protocolares do que personalizadas, mas que carregam ao menos um bocado de afeto e lembranças nelas.

Talvez aí resida a maior virtude de Jesus Cristo, mesmo para ateus, agnósticos e satanistas. Ao ter seu aniversário fixado a uma semana do Réveillon, Cristo nos faz anualmente refletir sobre o que desejamos para o próximo – afinal, essa foi a principal mensagem dele: amar o próximo como a nós mesmos. O amor é algo tão diferenciado e excepcional que mesmo quem não acredita em Deus e, dessa forma, nas possíveis conseqüências divinas pós-morte, busca amar e ser amado.

terça-feira, 19 de dezembro de 2017

Coisas Que Deixamos Passar Com o Tempo




Um conselho que meu pai me deu certa vez, e que eu adoto até hoje: 
"Já que vai voltar tarde e a pé pra casa, vem caminhando junto com alguém, perto da pessoa, principalmente na hora de atravessar a ponte, porque aí não vai parecer que você tá sozinho."
É um conselho que eu uso bastante na praia também, quando quero ir um pouco mais além da margem; eu vejo se tem gente até onde eu quero ir, e vou indo até lá, devagar, despretensiosamente, a fim de ter certo suporte caso as coisas venham a ficar complicadas. Mas como saber se a pessoa na ponte é apenas mais uma vítima ou se ela pode ser quem vai me assaltar, ou jogar da ponte, ou meter uma bala entre os meus olhos? Como saber se a pessoa que tá mais além na água sabe o que está fazendo, ou se é apenas alguém tentando se aventurar numa parte onde jamais foi, assim como eu?

E aí, gente, como é que ceis tão, hein? Eu tô bem, queimado, morto de cansaço, porque finalmente comecei a aproveitar as praias de Florianópolis, afinal de contas, um calor desses, né?

segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

TOP 5: Livros Para Presentear





Hohoho, segunda-feira que vem já é o quê, Brasil? Isso aí, Natal. O tempo voou, não é mesmo? Parece que foi outro dia que eu tava super empolgado comprando roupa pro Ano Novo, cheio de esperança de que 2017 ia ser maravilhoso e... Bem, a gente viu a merda que deu, mas esse não é o assunto.

E, apesar de eu estar bastante econômico e nesse ano ter sido super simpático e respondido pra todo mundo que me chamou pra participar de amigo oculto com um enfático "Não, nem fudendo! muito obrigado!", sei que muita gente se desespera nessa data sem saber o que dar de presente, seja de amigo oculto ou de Natal para familiares e amigos. 

Por isso, como gosto bastante de ler e fico imensamente feliz quando ganho livros de presente, e pensando nas boas leituras que fiz nesse ano de 2017, elaborei a lista abaixo, com boas dicas literárias que podem agradar e se transformar em ótimas possibilidades para presentear pessoas queridas nessa época do ano.

sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

E Que Venham as Listas de 2017





Quando vai chegando o fim do ano, é chegada a hora de preparar um balanço sobre o que fizemos (ou deixamos de fazer) e começar a produzir as famosas resoluções de fim de ano, acompanhadas das listas de projetos que podem se tornar realidade. 

Eu sempre adorei fazer listas, pois me ajudam até hoje a manter o foco.  Daqui a alguns dias já começarei a produzir os tópicos de ações programadas para 2018.  Mas hoje, venho aqui apresentar para vocês uma outra lista - a dos melhores de 2017.  Vocês podem me perguntar:  “mas teve coisa boa em 2017?  Um ano tão surreal que parece que já entrou virado ao avesso?”.  Foi um ano terrível, tenho que concordar.  Mas, culturalmente falando, trouxe boas novidades.

quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Gravadoras, Contratem Glória Groove!





Uma das melhores surpresas dessa semana foi ver o nome de Aretuza Lovi como nova contratada da gravadora Sony Music. Wow, pensei. Mais uma Drag sendo reconhecida e tendo a chance de mostrar o seu trabalho para grande massa. Mas logo em seguida pensei: E a Glória Groove? 

Não quero desmerecer em nada a nova conquista de Aretuza. Já que quanto mais drags visadas musicalmente, melhor, mas não posso negar que Glória Groove merece isso também. Ela é dona de vocais poderosos, presença de palco de deixar muitos babando e dona de composições maravilhosas. Ela já está mais do que pronta para o mercado. 

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

Família, Família...





No próximo sábado, minha mãe completa 60 anos de idade. Marca que antes assustava, mas hoje ainda permite construir muitas coisas nessa vida. Minha mãe já apareceu por diversas vezes aqui nos meus textos: sempre com um ensinamento, dentro da sua simplicidade de vida. Aprendi com ela valores que considero imprescindíveis. E sigo aprendendo: minha mãe me ensinou que, após ingressar nas redes sociais, é possível, sim, se tornar alguém ainda melhor e fugir da imbecilidade que nos cerca.

Mas não vim aqui falar apenas da minha mãe. Vim falar de família como um todo. Sim, eu sou um cara família. Quando era adolescente, meus amigos não entendiam porque eu preferia estar em um compromisso com meus pais e minha irmã a sair para fazer algo com eles no fim de semana, por exemplo. Sempre tive uma proximidade absurda com minha irmã, uma cumplicidade enorme com a minha mãe e uma conexão única com o meu pai. Pode parecer piegas, porém, sim, eles são a minha base.

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Meu 2017 Em Forma de Música





E aí, gente, como é que ceis tão? Eu tô bem, e hoje vim rapidinho pra falar sobre Música, afinal, é o que eu amo, e eu quero dividir com vocês o que eu mais ouvi nesse ano todo!

Começando por ela, minha diva, Morgan James:


segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

O Poder e o Impossível





Dentro do cinema, existe aquele subgênero de filmes motivacionais, onde o protagonista enfrenta uma situação extrema e, por causa dela, consegue mudar a sua vida. Normalmente, são filmes baseados em histórias reais, cheias de otimismo e de inspiração. E esse é o caso de O Poder e o Impossível (6 Below: Miracle on the Mountain, no original), estrelado por Josh Hartnett e que entra em cartaz  na próxima quinta, 14/12, nos cinemas brasileiros. O legal, pelo menos pra mim que fui assistir ao filme sem saber nada sobre sua história, é que ele é um longa bem realizado e com uma trama interessante, que rouba a nossa atenção.

Na trama, Josh Hartnett vive o protagonista Eric, um jovem rebelde e impulsivo, viciado em metanfetamina desde que viu a sua carreira no hóquei naufragar. Depois de um acidente de carro, ele se isola em uma estação de esqui em High Sierra e, praticando snowboard, acabe perdido nas montanhas. E ali, em condições extremas, terá de lutar para sobreviver, enquanto repassa a própria vida até aquele momento. 

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Assim Nascem os Rockstars




Eu sempre quis ter uma banda.  Quando pequeno, me via na icônica capa do Sgt. Peppers, dos Beatles, que anos mais tarde também vim saber que era uma banda imaginária criada pelo quarteto fantástico de Liverpool.   Aos sete ou oito anos, ficava fascinado por aquele contraste do amarelo e vermelho, do encarte multicolorido e da quantidade de personagens daquela capa sensacional na qual não conseguia identificar ninguém de imediato, mas imaginava que eram fãs reverenciando os seus ídolos, mas como se estivessem no mesmo palco, participando de uma grande celebração.

Sgt. Peppers foi, talvez, o meu primeiro encontro com a música.  Depois me apaixonei por Queen.  Queria ser Freddie Mercury e comandar a platéia.  Quis ser também Robert Smith e me esconder atrás dos cabelos desgrenhados, do delineador negro e da maquiagem borrada.  Aquele “disco do velho na capa” do The Cure tocava noite e dia.  E tal qual um campeão do programa Qual é a Música?, do Silvio Santos, conseguia identificar na primeira nota qualquer canção aleatória daquele álbum.

quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

10 Feats Com Anitta Que Queremos Ver Em 2018





Hoje é sete de dezembro e ainda estamos aguardando o quê de 2017? Vai Malandra, última música do projeto Xeque-Mate, obvio! Mas enquanto a nova música não vem… Nada melhor do que pensar nos feats que ainda estão por vir. Afinal, se tem uma coisa que Anitta fez esse ano foi colaborar em música de vários cantores de gêneros musicais diferentes. Teve feat com Simone & Simaria, Wesley Safadão e Nego do Borel, Harmonia do Samba, Gustavo Mioto, Solange Almeida, Pabllo e Major Lazer.

Assim, decidi reunir em uma lista bem simples, só com dez nomes, cantores que QUEREMOS, SIM ver ao lado de Anira em 2018, em novas parcerias musicais.

Vamos pra minha lista?

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Sair dos Armários da Vida




Um dos momentos cruciais na vida de um cidadão LGBT é quando ele sai do armário. Para alguns é algo natural, percebido pela família e amigos desde novo. Para outros, é mais traumático, tendo dificuldades de aceitação. Mas nada é pior do que quando a própria pessoa tem problemas para se reconhecer e se aceitar como é: esse provavelmente é o pior armário onde alguém pode ficar trancado.

Ao longo da vida, somos chamados a sair de diversos armários, sejamos LGBT ou não. Além da questão da sexualidade, quantas outras vezes não temos que nos posicionar e expor uma opinião, temendo o risco de sermos julgados ou rotulados? Acontece com quem convive com HIV, como já mencionei aqui no Barba Feita antes, por exemplo; acontece quando temos que definir uma posição política (alguém consegue imaginar uma pessoa se assumindo petista e abertamente declarando voto em Lula sem ter que ser corajosa hoje em dia para enfrentar as críticas?); acontece quando alguém assume que tem um relacionamento aberto ou poliafetivo. São momentos em que é importante ter certeza e bravura para aceitar opiniões positivas e negativas.

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

É Biscoito que Você Quer?





Não, não vamos passar nenhuma receita de biscoito aqui, vocês que procurem no YouTube. E aí, como é que ceis estão, hein??? Por aqui tá numa boa.

Desde quando a Internet era só mato, vídeo da barata falando palavrão, aquele outro da vaca louca que dava umas gargalhadas distorcidas lá, com os assistentes do Office, e muito mais, a galera já amava se expor na web, não é mesmo? mIRC, Fotolog, Flogão, Orkut, My Space, MSN, e por aí vai. Sempre tinha aquela foto especial, com um quilo de efeito, sempre evidenciando o volume dos seios, ou o suposto tanquinho, ou a bunda, os olhos, a boca com bico de peixe/pato, que dava aquela inchadinha na bochecha, sabe? Pois é, esse tipo de foto. E tava tudo muito que bem, a gente seguia em frente com a vergonha alheia e tava tudo certo. 

E assim como muitas coisas, esse tipo de foto também evoluiu. Siim, meus amigos e minhas amigas, a galera foi mudando a forma de se expor fotograficamente na Internet, e não é de nudes que eu tô falando. Tudo começou com pessoas magras, fortes, saradas, definidas fisicamente, postando fotos com legendas do tipo: "Ai, tô gordo", "Gordinha, já apago rsrsrsrsrs", "Correndo atrás do prejuízo do final de semana", ou apenas colocando um emoji de baleia. Com razão, uma parcela da web começou a se irritar profundamente com isso, porque a pessoa é toda trincada, tem um peitoral maravilhoso, um abdome que nossa senhora, tem as curvas perfeitinhas, bunda lá em cima e tal, e fica mandando essa? Ah vá, né?

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

#Error





Quando foi que a nossa geração começou a dar tilt? E não, essa não é uma pergunta debochada ou irônica, e sim uma curiosidade que me toma. Porque sim, estamos falhando, apresentando tela azul, com mensagens de erro tomando conta do nosso cérebro. O mundo tá estranho e nós somos reflexo do que está acontecendo.

Ainda me lembro de quando era mais novo e ouvir falar que psiquiatras eram médicos de gente maluca. Mas, hoje em dia, quem não precisa de consultas psiquiátricas, usa remédios controlados ou necessita de ajustes de serotonina no organismo? É cada vez mais comum ouvir que pessoas próximas estão ansiosas ou deprimidas, procurando ajuda especializada para aprender a lidar com os dilemas que nos afogam.

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Eparrei, Iansã!




Nasci dia 4 de dezembro. Portanto, nesta segunda, completo mais um ano de vida. E, quando era criança, uma das coisas que mais curtia era quando meu aniversário estava chegando. Ficava super ansioso pela festinha que minha mãe preparava com todo cuidado. Mas o que me deixava mais apreensivo, era o possível fato dos convidados não aparecerem. O motivo? A chuva.

Todas as vezes que minha festinha era marcada, o céu desabava. A minha mãe e minha avó sempre diziam que, por ser dia de Santa Bárbara, era obrigatório chover. Mas não era uma chuvinha passageira não... Vinha sempre um dilúvio bíblico, com relâmpagos e trovões estarrecedores. Obviamente, era a clássica “chuva de verão antecipado”, mas na minha cabecinha, sempre achei que era a santa querendo me castigar por algo que eu tivesse feito. Lembro que eu seguia para o meu quarto e, com as mãozinhas juntas, olhava a tempestade cair através da janela de madeira e ficava pedindo perdão por tudo, mesmo sem saber o porquê. Ficava com medo das pessoas não conseguirem chegar a tempo do “apagar das velinhas” e a festa ser um fiasco.