quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

Minha(s) Meta(s) Para 2018




É estranho ver o quanto o final de um ano (literalmente, o último dia dele), mexe com as pessoas. Elas precisam falar sobre toda a intensidade do ano que ainda é vigente por algumas horas, analisar o que foi bom ou não foi tanto assim. Mas as pessoas precisam falar, colocar pra fora. Tudo até meio catártico. É então que neste fatídico 31 de dezembro todos dizem aos quatro ventos - leia-se, nas redes sociais - tudo o que desejam e no que querem mudar... já no dia seguinte! Não é assim que funciona?

Então todos listam seus desejos, fazem metas. Ah, essas metas que a gente vai elaborando como se o primeiro de janeiro do ano seguinte tivesse superpoderes e nos desse todo ânimo necessário para realizar tudo o que desejamos - apesar da lista conter só itens inatingíveis. Sei lá, é como se a gente elaborasse uma lista impossível de ser concluída e que nisso está, secretamente, toda graça e propósito dela. É como se ali, em item por item pensando por nós, estivesse guardado aquele pequeno sabotamento que vai alimentando e corroendo nossa falta de vontade de todo dia. Então, quando acabamos por não realizar o que queríamos, ficamos conformados de que não estávamos destinados a tê-lo. Resumindo: uma triste constatação humana. 

Mas foi pensando nessa lista do impossível que decidi criar a minha lista do possível. Pensei em dez coisas que quero fazer no próximo ano e sei que cada uma delas não é tão absurda assim. Vai depender muito mais de mim do que dos outros em realizar item por item. 

  • SER MAIS SOCIÁVEL COM DESCONHECIDOS
Sou educado com todo mundo, fui criado assim, mas isso não significa que sou sociável com todo mundo que acaba "esbarrando" em minha vida. Algumas vezes, sinto que poderia ser mais agradável com "novatos" no meu círculo social, mas sei que isso demanda uma quantidade absurda de boa vontade e energia. Mas percebi que é preciso sair da minha bolha. Minha zona de conforto é ilusória e é necessário ter contato com pessoas que não me conhecem, não sabem de manias pessoais, séries que assisto ou sobre o que gosto falar. Se o outro é uma novidade pra mim, também sou um novidade para o outro e estamos sempre precisando de novidade, até quando não queremos admitir. 

  • SAIR DA MINHA ZONA DE CONFORTO: MÚSICA, LITERATURA, FILMES E SÉRIES
O maior clássico da literatura mundial que li até hoje foi O Conde de Monte Cristo, e sou apaixonado por esse livro. Não é por menos que a história é fonte de inspiração para os mais diversos autores. A trama é muito bem escrita e acaba sendo impossível não devorar página após página para saber se Edmond Dantès consegue ou não se vingar de todos que destruiram sua vida.  Recomendo muito, sempre. 

Mas esse ano li um livro de crônicas de Fernanda Torres que me fez perceber o quanto estou me limitando ao ler gêneros e autores que já conheço. Não que tenha sido ruim visitar sua escrita, mas através de suas crônicas consegui encarar o fato de que nada sei e nada novo ando me permitindo conhecer. Isso é muito triste. É preciso se aventurar por novas escritas. Conhecer e me encantar por novos personagens. Foi lendo Chico Buarque e seu controverso Budapeste que conclui não estar, no momento, tão aberto ao diferente. Me vi meio que impregnado por sua escrita (não me incomodava, mas também não agradava ao mesmo tempo. Mas revolveu internamente o que precisava). 

Não foi um ano que vi muitos filmes, preciso mudar isso. Tenho que retomar meu contato com a tela grande. Já as séries, vi coisas maravilhosas e outras que eram ruins, mas necessárias. Mas é preciso, assim como nos livros, me permitir ver séries com temas que não me atraem em um primeiro momento. Mas quem sabe pode ser tão bem escrita e dirigida que mexa comigo e me encante. É preciso dar o benefício da dúvida. 

  • ESTAR MENOS NAS REDES SOCIAIS E MAIS PRESENTE
O que quero dizer com isso? Se nada tenho para fazer, posso ficar sem fazer nada longe da timeline do Facebook, não é mesmo? Posso adiantar um livro, caminhar (ou tentar começar a correr...), mas é preciso sair da escravidão de novidades dos meus amigos (ou dos grupos que sigo). É usar o tédio para algo que vá me beneficiar no futuro. Sei que esse desejo pode esbarrar naquilo que citei sobre impossível, mas nesse caso creio que é realmente necessário. 

Percebo o quanto utópico é pensar nessa meta, mas é preciso tentar. Estou consciente do que quero e acho que posso obter um sucesso com isso.

  • ESCREVER UM ROTEIRO/CONTO
Eu preciso voltar escrever meus roteiros. Já faz mais de um ano que não sento e desenvolvo uma sinopse e isso me deixa bastante triste. Mas é algo que faz parte em diminuir meu consumo de redes sociais. Sem tanto tempo no Facebook, mais tempo elaborando uma ideia ou colocando "no papel". 

Conto já é um território de novidade pra mim. Nunca escrevi realmente um. Já brinquei sobre escrever um conto aqui. Mas pensar em toda estrutura, trama e elaborar um sinopse completa, ainda não aconteceu. Vou me empenhar para que role em 2018.

  • ME ORGANIZAR
O que engloba um pouco de me dar tempo para fazer tudo o que venho montando de desejos. Acho que elaborei uma lista que vai encadeando desejos. Para escrever roteiro, conto e ler, preciso equilibrar meu tempo, minha disponibilidade. O que fora das redes sociais, será maior. Assim espero. 

Ou seja, preciso criar uma rotina para seguir meus desejos.

  • SAIR COM MEUS AMIGOS
Sim, se tem algo que venho fazendo pouco nos últimos anos é sair. Com amigos, menos ainda. Se quero ser sociável com pessoas que não conheço, é preciso sair e esbarrar com elas. É tudo meio que interligado. Se antes evitava conhecer novas pessoas ou me permitir conhecer, hoje quero o oposto. Assim, não é que queeeero, mas está na minha lista querer. rs 

E sair não significa, necessariamente, ir para uma balada. Cinema (lembram que venho assistindo pouco filme?), barzinho, caminhar, correr... Tudo isso é sair. É preciso sair de casa e ir pro mundo.

  • ESCREVER MAIS SOBRE TEMAS ESPINHOSOS
Em 2017 meu tema preferido foi: Anitta. Falei mais sobre ela do que qualquer outra coisa. Quis me proteger de sentimentos negativos e tantos outros que estão povoando a internet. Mas me proteger não pode significar fugir. Preciso ler e entender o que está acontecendo nesse louco mundo em que vivo. E não posso ser alheio ao que vem rolando por aí. 

2018 tem eleição e sabemos que não será um ano fácil. Nem esperamos que seja. Se está distópico viver essa realidade, ela pode ser piorada quando não se possui ampla informação. Então vou me informar e debater e escrever e falar.

  • ESTUDAR SOBRE INVESTIMENTO FINANCEIRO
Sempre fui muito curioso sobre bolsa de valores e ações. Mas sou de humanas e não levo jeito para números. Mas com essa crescente em investimentos e canais do gênero no Youtube, espero aprender uma coisa ou outra. Até duas ou três coisas na verdade. 

Aprender nunca é demais e quem sabe posso transformar esse conhecimento em lucro.

  • TIRAR MEU PASSAPORTE
Sim, ainda não tenho passaporte, acreditam? Existem lugares que quero e pretendo visitar, mas não dá para ficar só no plano dos sonhos. Preciso agir e tirar ao menos meu passaporte. Assim, posso começar a sonhar o quanto quiser sobre determinados locais que vou conhecer.

  • VIAJAR
Sim, preciso mesmo viajar. E quando digo isso, não falo de Nova York, Milão, Japão. Falo de sair do Rio de Janeiro. Quem sabe conhecer um estado novo, uma cidade que ainda não tenho ideia de como seja... Quero viajar. Sair daqui por um tempo. Respirar um ar diferente e ir... 
...

E qual o seu sonho e desejo para 2018? Já pensou em listas e metas? Ainda da tempo. Não precisa começar no dia primeiro. Nem em janeiro. Mudanças você pode iniciar sempre que achar necessário e quiser cada uma delas.

Leia Também:
Leandro Faria  
Silvestre Mendes, o nosso colunista de quinta-feira no Barba Feita, é carioca e formado em Gestão de Produção em Rádio e TV, além de ser, assumidamente, um ex-romântico. Ou, simplesmente, um novo consciente de que um lance é um lance e de que romance é romance.
FacebookTwitter

Um comentário:

Suzana disse...

Sil, se quiser me chama pra caminhar!
Tenho caminhado diariamente. Aterro, Praça Paris, Santa Teresa, Urca. Fico nas redondezas próximas ou distantes (que daí já não é redondeza, mas vc me entendeu, rs), mas estou disposta a desbravar outras paisagens.
Bjim, boa sorte com os desejos.
Su (a amiga do Le dos Correios).