segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Os Últimos Dias da Noite, de Graham Moore









As romantizações de histórias reais são um filão bastante explorado pelo entretenimento. Até mesmo as novelas vem pegando carona nessa ideia, vide o sucesso da bem sucedida Novo Mundo, exibida pela Globo no ano passado. Na literatura, isso já acontece há bastante tempo, com resultados diversos. E, em Os Últimos Dias da Noite (The Last Days of Night, no original), o autor Graham Moore acerta na pegada, criando uma trama deliciosa de ser acompanhada, daquelas que rouba nossa atenção desde suas primeiras páginas.

Lançado no Brasil pela Companhia das Letras, em Os Últimos Dias da Noite o autor Graham Moore nos leva para o final dos anos 1800, quando o mundo estava sendo sacudido por mudanças e invenções. Os grandes inventores estavam com a mente em ebulição e a humanidade experimentava um salto extraordinário, daqueles que poucas vezes foram dados na existência do homem no planeta. O telefone era uma novidade, assim como a energia elétrica que, desculpem-me pelo trocadilho, é o fio condutor dessa trama.

Com tantas mentes brilhantes e tantas possibilidades de criação coexistindo, a briga por patentes se tornou uma realidade na época. Afinal, quem era o verdadeiro inventor da lâmpada elétrica, por exemplo? Thomas Edison, que apresentou a patente primeiro (com questionamentos de alguns de que ele realmente já tivesse inventado a lâmpada como descreveu) ou alguém que chegou um pouco atrasado na burocracia? Melhorar uma invenção é quebrar uma patente ou aprimorar o que já existe?

É nesse contexto que conhecemos o advogado Paul Cravath que, recém saído da universidade, é contratado por George Westinghouse para se defender de diversas acusações de quebra de patente da invenção da lâmpada elétrica de Thomas Edison. E, nos apresentando personagens reais e calcado em fatos e documentos históricos, Graham Moore consegue nos levar para uma época completamente diferente e nos fazer querer saber como terminou aquela batalha jurídica. Eu, inclusive, passei a leitura inteira procurando por detalhes das figuras reais que inspiraram os personagens no Google. O que fez da leitura ainda mais divertida.

Além de Thomas Edison, George Westinghouse e Paul Cravath, passam pelas páginas dessa história personagens reais como Nikola Tesla, Agnes Huntington, Alexander Graham Bell e vários outros. E é um ótimo exercício de imaginação embarcar nas ideias de Moore, que criou personalidades e motivações para cada um deles, que podem ou não condizer com a realidade da época. 

Os Últimos Dias da Noite é aquele livro que te prende, aguça sua curiosidade e que recomendo para quem curte uma boa trama. E o fato de ser baseado numa história real aguça ainda mais a nossa curiosidade. Confira!

Leandro Faria  
Leandro Faria:, do Rio de Janeiro, 30 e poucos anos, viciado em cultura pop em geral. Gosta de um bom papo, fala pelos cotovelos e está sempre disposto a rever seus conceitos, se for apresentado a bons argumentos. Odeia segunda-feira, mas adora o fato de ser o colunista desse dia da semana aqui no Barba Feita.
FacebookTwitter


Nenhum comentário: