segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

Opinião: Pegue a Sua e Enfie no...

...Cu




Eu escrevi algumas semanas atrás sobre mimimi e gente chata. Sobre como a internet nos dá uma falsa sensação de que a nossa opinião é realmente relevante e de que podemos opinar sobre tudo e todos. E, vejam só, o meu texto sobre o assunto viralizou. Eu dando a minha opinião sobre todo mundo ter opinião, por mais incoerente que isso seja, parece ter agradado. Por que volto a falar sobre isso? Porque ela, a maldita "opinião", me irritou novamente esses dias. E eu já explico como e porque.

Se vocês acompanham o Barba Feita e lêem os textos dos outros colunistas daqui, devem ter percebido que um deles está vivendo uma nova fase de sua vida. Casado há mais de uma década, ele e seu companheiro conheceram recentemente um outro rapaz e, apesar das desconfianças, resolveram embarcar em um relacionamento a três. É um assunto que ele já comentou em sua coluna, mesmo de maneira discreta, mas que não é nenhum segredo ou tabu para eles. E eu acho isso tremendamente corajoso.

Sou amigo pessoal do nosso colunista das quartas. Conheço a sua história, tenho altas conversas de todos os tipos com ele e é alguém que eu amo e respeito bastante. Sobre as decisões que ele toma para a vida íntima dele, eu prefiro não comentar - assim como eu não comentaria se ele decidisse comprar um carro novo, adotar um novo animal de estimação ou trocar de casa, porque isso diz respeito apenas a ele. E, apesar de não entender bem como funciona um relacionamento poliafetivo e imaginar que o Leandro de hoje não encararia uma empreitada do tipo por diversos motivos, o meu papel de amigo é estar disponível para ele sempre que possível. E o mais importante: eu não preciso concordar ou não com a forma que ele leva a vida dele e dos companheiros. Porque é exatamente isso: a vida é deles, que pagam as próprias contas e não devem nada a ninguém.

Dito isso, entramos no assunto que me inspirou a escrever a coluna do dia. A página Nosso Amor Existe, que tem perfil no Facebook e Instagram, compartilhou a história do trisal. O objetivo dos perfis é mostrar que qualquer tipo de amor vale a pena, compartilhar histórias e inspirar as pessoas. A ideia é ótima, é claro, mas o que eles não contavam é com a quantidade de ódio que seria destilado por algumas das pessoas que curtiam a página, principalmente no Facebook.

Sim, isso mesmo. As pessoas caíram matando. Os comentários, pelo menos alguns dos que li, despejavam ódio, ironia e preconceito. Para uma grande maioria, tratava-se de putaria pura e simples e as pessoas comentavam despejando seu ódio disfarçado da famosa... opinião. Gente que não conhece a história dos três, que não sabe quem são, mas que se julga no direito de apontar e dar a sua opinião não requisitada sobre o que não lhe diz respeito. 

Os moderadores agiram. Apagaram alguns comentários, interviram em outros, sempre explicando o objetivo da página a todos que estavam ali. E a resposta dos agressores? "Isso é minha opinião e eu tenho o direito de expressá-la". Gente, que preguiça de gente oprimida que, na primeira oportunidade faz o que? Vira opressor. Porque a grande maioria dos comentários era de homens gays despejando comentários indesejados. Homens gays feios e que provavelmente não pegam ninguém, se metendo na vida alheia e agredindo na internet, porque ali é seguro mostrar quem realmente são. Nossa, soou preconceituoso o que escrevi, né? Desculpem, é só a minha opinião. E, sinceramente, espero que entendam a minha ironia.

E, somente para lembrar, há algo que muitos se esquecem ao despejar as suas opiniões na internet: muitas vezes, uma "opinião" nada mais é do que crime. O nosso código penal prevê sanções para calúnia e difamação, apenas para citar dois exemplos. Cuidado, porque a sua "opinião" pode te causar uma grande dor de cabeça.

Eu não precisava escrever esse texto. Porque eles não precisam de defesa, são homens bem resolvidos e não se deixaram atingir pelos comentários absurdos que a postagem recebeu. Mas eu escrevi porque me irritou ver como tem gente escrota e mesquinha nesse mundo. Você pode ter a sua opinião sobre todo e qualquer assunto? Claro que sim, afinal, somos seres pensantes (apesar de eu duvidar disso, às vezes). Mas você pode expressá-la quando bem entender? Pode, certamente, mas também pode ouvir alguém mandando você pegar a porra da sua opinião e enfiá-la no cu.

Porque quem fala o que quer, pode ouvir o que não quer.

Leia Também:
Leandro Faria  
Leandro Faria:, do Rio de Janeiro, 30 e poucos anos, viciado em cultura pop em geral. Gosta de um bom papo, fala pelos cotovelos e está sempre disposto a rever seus conceitos, se for apresentado a bons argumentos. Odeia segunda-feira, mas adora o fato de ser o colunista desse dia da semana aqui no Barba Feita.
FacebookTwitter


3 comentários:

Thiago Couto disse...

Entendo perfeitamente que todos podemos TER nossas opiniões. Mas aquele ditado mesmo diz... "se a palavra é de prata o silêncio é de ouro"!! Deixo aqui minhas palavras de apoio ao Trisal, para ser feliz basta sermos nós mesmos.

Cristiano Queiroz disse...

Simplesmente maravilhoso. Como me emocionei ao ver o verdadeiro papel de um amigo, que pode não viver a mesma situação, não querer para si, mas torcer e desejar o melhor para os amigos. Beijos, meu querido!

Mav e Hec Hm disse...

Seu texto me define... Vi a liveLdeles hoje e eles recomendam seu texto... Vim no ato e adorei parabéns!