terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Quarentenas




A gente passa quatro dias bebendo, curtindo, pulando, fazendo um bocado de ‘ando’ que a gente espera que nossas mães nem sonhem. Aí chega uma tal de quarta-feira de cinzas que deixa tudo mais triste, mais pesado, mais na bad e menos ando. Chegou a QUARESMA.

Pra quem não conhece, são os 40 dias que separam a quarta-feira de cinzas e a semana santa. São 40 dias que, segundo a Bíblia, Jesus passou de jejum no deserto, pra depois voltar, partir o pão e depois ser crucificado. Tem gente que passa 40 dias sem beber, sem comer chocolate, sem usar o Instagram ou sem ver novela. Tudo pra se purificar e viver bem a Páscoa, que é ressureição de Jesus no domingo.

Mas, podemos dizer também que a Quaresma são os 40 dias que a indústria de chocolates e de peixes aproveita para alavancar suas vendas. Tem gente que faz jejum de chocolate mas deixa lá suas barras e seus ovos pra comer no domingo o que não consumiu no último mês e meio. 

Este que vos escreve tem um ato falho: chama a Quaresma de quarentena. Sim, quarentena como aqueles períodos dos filmes que o povo fica de isolamento por conta de um vírus mutante pra não virar zumbi. E, pode parecer hipocrisia, mas eu acho que, às vezes, a gente precisa sim de um período desses, pra parar um pouquinho e se desafiar a tirar algo da nossa rotina. Eu estou a menos de uma semana sem utilizar o Instagram e já estou vendo como as pessoas se deixam conduzir por stories. Esses mini vídeos são os principais assuntos de qualquer mesa de bar que eu sento e confesso que estou achando tudo isso bem sem graça.

Parece que a gente não sabe mais o que é limite. A gente não sabe mais o que é a sensação de ter algo faltando. A gente não sabe mais se privar de nada, porque a gente se acostumou a sempre ter tudo. Aí, quando algo sai do padrão a gente já fica sem norte, como se a vida tivesse perdido sentido. A gente se acha dono de tudo, até da vida do outro, do relacionamento do outro, da felicidade e da dor do outro. Deixa o outro ser feliz do seu jeito, caramba!

Prometo que nesta quarentena eu vou tentar ser um homem melhor. Confesso que no carnaval fiz todos os “andos” que falei no começo do texto e alguns também que espero que minha mãe nem imagine. Mas estou tentando ser um homem melhor pra, quem sabe, curtir o feriadão dizendo: eu venci os stories, eu posso vencer o mundo!

Leandro Faria  
Gabriel Campelo: Publicitário, Executivo de TV, apaixonado por tudo o que faz. Seja crossfit, corrida, natação, praia ou música, são sempre suas maiores paixões (que sua mãe nunca leia isso). É transparente em suas ideias, mas tenta sempre deixar tudo um pouco mais leve, de pesada já basta a balança. É o único cearense e nordestino deste canal. Não usa barba e essa é uma de suas maiores frustrações. Talvez por isso mesmo esteja tão apaixonado por escrever toda semana no Barba Feita.
FacebookTwitter


Um comentário:

Unknown disse...

Não fiz as contas do tempo, mas fazem quase dois anos que cancelei todas as minhas redes sociais, facebook, instagram, snapchat e outros, e não senti a mínima falta, pelo contrário, eu já devia ter tirado há muito mais tempo...