quarta-feira, 28 de março de 2018

Você Se Torna o Que Você Come





Tem algum tempo que resolvi mudar a minha alimentação. Sempre seguia aquela lógica de que comida tem que ter três funções: saciedade, prazer e saúde. A primeira é praticamente instintiva; passa pela necessidade do saco vazio que não para em pé. Questão de vida ou morte. A segunda é algo mais hedonista; ligada ao pecado capital da gula e aos vícios e vontades do corpo. Mas, e a terceira, a saúde? É tão difícil assim conjugar as três coisas numa só alimentação? 

É verdade que o mundo resolveu se preocupar com uma alimentação mais saudável. Gigantes de fast food, refrigerantes e embutidos passaram a sofrer no bolso com a guinada nos hábitos de parte da população. Mas muitas vezes achamos que já tomamos atitudes para a nossa saúde e estamos totalmente no caminho errado. Ou também pode não ser o suficiente para o nosso corpo, ainda mais à medida que não somos mais tão jovens...

Procurar a ajuda de uma nutricionista esportiva foi fundamental para mim. Eu sempre ouvia que, para ter mais resultados nos meus treinos de corrida e de academia, a peça que estava faltando era uma orientação de um profissional de nutrição. Sempre achei que era exagero... até recorrer a ela. Não mudaram apenas meus resultados e meu desempenho nos treinos, mas também em muitas outras áreas da minha vida. 

Houve mudança na minha disposição. Meu cansaço e sonolência diminuíram, o humor melhorou. Há reflexos positivos na pele, no cabelo e até na imunidade: eu praticamente não adoeci desde que passei à orientação nutricional, há cinco meses; até minhas alergias parecem ter dado uma recuada. 

E quando eu digo para as pessoas que não vou comer determinada coisa porque tenho que seguir a minha dieta, são incontáveis as vezes em que ouço: “Dieta pra quê?! Você já está magro demais!”. Atenção, pessoal: dieta não é regime. Dieta é a escolha de uma alimentação customizada para você, que pode, inclusive, ser reflexo de um estilo de vida. 

Assim como para um ex-fumante é um desrespeito as pessoas que ficam o tentando com cigarros quando ele está no processo de cessar o tabagismo, para alguém que tem seus novos hábitos alimentares também é chato quando alguém desmerece ou mesmo tenta atrapalhar a sua dieta. Fica a dica, amiguinho: não é legal. Vejo muito isso com vegetarianos e veganos (não sou, embora eu respeite extremamente quem seja e acho um absurdo quem faz pouco caso dessa opção) e agora passo por isso muitas vezes. E olha que nem sigo nada muito radical... Ainda me permito para muitas coisas do tal prazer ao menos em algum momento da semana. 

Quando a gente toma decisões que nos fazem nos sentir melhores, vemos que o caminho é sem volta. Como ouvi de um conhecido: nosso corpo nos dá tantas coisas boas e precisamos recompensá-lo da melhor forma. Tomar cuidado com o que ingerimos é um passo importantíssimo para ter mais vida e mais qualidade de vida.

Leandro Faria  
Paulo Henrique Brazão, nosso colunista oficial das quartas-feiras, é niteroiense, jornalista e autor dos livros Desilusões, Devaneios e Outras Sentimentalidades e Perversão. Recém chegado à casa dos 30 anos, não abre mão de uma boa conversa e da companhia dos bons amigos.
FacebookInstagram


Nenhum comentário: