sexta-feira, 20 de abril de 2018

O Universo e o Grão de Areia




Você está vendo este pequenino grãozinho de areia? Já faz algum tempo que gostaria de falar um pouco sobre ele. A princípio, parece ser muito insignificante, não é mesmo? Mas, e se eu afirmar que toda a humanidade terrestre caberia em suas mãos se utilizássemos as devidas proporções? Você acreditaria? Certamente duvidaria.

Vamos então pensar em algo mais didático para poder mensurar estas proporções: todas as noites ao olhar o céu podemos enxergar a Lua. A olho nu, podemos pressupor que o satélite natural da Terra está bem perto de nós, correto? Não.

A Lua está distante de nós em aproximadamente 385 mil quilômetros! Se pudéssemos encaixar, enfileirados, os maiores planetas gasosos do sistema solar (Jupiter, Saturno, Urano e Netuno) e os que tem superfícies terrestres (Mercúrio, Vênus, Marte e a própria Terra), todos caberiam nesta mesma distância.

Busquemos outro exemplo: o Sol. Ao observarmos nossa estrela maior nascendo todas as manhãs ou então quando pegamos aquela corzinha invejável na praia durante o verão, acabamos não tendo ideia do quão ele é gigantesco. O Sol tem cerca de 1,4 milhões de quilômetros de diâmetro, o que equivale a quase 4 vezes mais do que a soma dos diâmetros de todos os planetas do nosso sistema solar. Mas se colocássemos o nosso sol ao lado da estrela UY Scuti, o nosso astro rei seria mais um pequeno grãozinho de areia: comparando a grosso modo, seria como se fosse uma maçã no meio do estádio do Maracanã.

Chegamos então ao ponto principal: as estrelas e a areia da praia. Você pode imaginar que existem mais estrelas no universo do que grãos de areia em todas as praias terrestres? Pois é... Meio assustador, não? Uma vez li um artigo de um astrônomo onde dizia que há uma estimativa de que na Terra existiria 700 trilhões de metros cúbicos de areia de praia. Se contabilizarmos a quantidade de grãos, daria algo em torno de 5.000.000.000.000.000.000.000 (5 sextilhões) de pequenas pedrinhas como esta que está na ponta do meu dedo.

Na nossa galáxia, a tão conhecida Via Láctea, existem cerca de 400 bilhões de estrelas. Se pensarmos que existe um número estimado de outras 100 bilhões de galáxias (que pode ser até cinco vezes mais) teríamos, no mínimo, 10 sextilhões de estrelas, ou seja, o dobro do número de todos os grãos de areia. 

Sei que neste exato momento, você deve estar aí fazendo cálculos mirabolantes e achando isso tudo muito louco, mas acreditem: esse número pode ser ainda muito maior do que imaginamos, pois o universo não para de expandir. A todo segundo, estrelas se apagam e outras surgem; o tempo inteiro! Portanto, resolvi escrever um pouco sobre isso para ratificar o quanto somos minúsculos e imperceptíveis diante da tamanha imensidão do universo. 

Nosso Sol já tem 5 bilhões de anos e já é um senhorzinho de meia idade. Daqui a outros 5 bilhões vai se apagar, lentamente. Eu e você partiremos em poucas dezenas de anos, mas o sol continuará nascendo e iluminando todos os dias, no tempo dele. E aí me pergunto se vale à pena gastarmos nosso pequeno intervalo que temos por aqui com tanta mesquinharia, tanta hipocrisia, tanta falta de bom senso... Já repararam que gastamos a maior parte do nosso tempo reclamando da vida sem perceber que temos a maior sorte em poder viver essa aventura tão grandiosa? 

Observando esse pequeno grão, podemos ter uma real dimensão de todo um espelho da humanidade. Entre nossas mãos escorrem as vidas, escorre o tempo. Iremos embora um dia e desapareceremos; enquanto isso, esse pequenino mineral ainda repousará em alguma praia, até o sol se apagar definitivamente. 

Leandro Faria  
Marcos Araújo é formado em Cinema, especialista em Gestão Estratégica de Comunicação e Mestre em Ciências em Saúde. Nas horas vagas é vocalista da banda de rock Soft & Mirabels, um dos membros da Confraria dos Bibliófilos do Brasil, colunista do Papo de Samba e um dos criadores do grupo carnavalesco Me Beija Félix. E também o colunista das sextas-feiras aqui no Barba Feita.
FacebookInstagram


Um comentário:

JULIO CESAR BRITO disse...

Seria tão bom se os grandes políticos e poderosos do Brasil e do mundo tivessem essa mesma percepção... acho que às vezes eles se acham onipotentes e que quando fizerem essa tal passagem, vão levar seus bens materiais e sua riqueza. Seria tão melhor uma humanidade mais justa e igualitária... pena que esse poder esteja em mãos erradas na maioria das vezes, o que contribui pro meu crer de que muitas gerações ainda estão fadadas a viver sob a tutela da ganância e da injustiça...