terça-feira, 1 de maio de 2018

Sobre Estreias e Protagonismos





Quando recebi o convite para fazer parte da equipe do Barba Feita, imediatamente me veio o temor. Afinal, é um grupo de caras super descolados e inteligentes que, mesmo com estilos próprios, conseguem me encantar ao explorar assuntos tão diversos em um único local, sendo tão individuais na habilidade da escrita.

Essa então foi a chave para desenvolver meu texto: individualidade e encantamento. Sempre gostei de ler textos que me remetessem a uma viagem. Sim, gosto de me transportar para aquele imaginário que a leitura nos proporciona, viajando pelos lugares descritos pelos autores como uma espécie de transe. E gosto de escrever da mesma forma.

Sou leonino, noveleiro e, nas horas vagas, ator. Escrever sobre uma estreia, mas que tem gostinho de participação especial, tem todos os elementos que precisaria para desenvolver meu texto. 

Na última semana do ano de 2017, durante uma reunião de trabalho, um dos diretores da empresa disse uma frase que virou um mantra para mim: seja protagonista de sua própria história. E me atrevo a completar essa citação com: mesmo que você passe pela vida dos outros apenas como uma participação especial. 

Escrever sobre comportamento, sem parecer tendencioso ou presunçoso em fazer com que as pessoas pensem como você, é algo bastante desafiador. Então, por que não escrever sobre comportamento e fim? Identifique-se quem quiser. Critique também quem quiser. Às vezes, levantar discussões com suas ideias é muito mais produtivo do que simplesmente submetê-las à aceitação do outro. É sem graça a falta de troca. Significa que você não incomodou de alguma forma.

Sempre fui meio transgressor, e por essa razão, punido. Punido pela família, pela sociedade, pelo corporativismo do trabalho. E, aos poucos, fui utilizando essas imposições de comportamento ao meu favor, mesmo aos olhos dos que um dia me abnegaram. Acho normal (e já vivi) relacionamentos poliamorosos, gosto de usar roupas rasgadas (mesmo tendo a obrigatoriedade, pelo meu ambiente de trabalho, de usar roupas sociais), acho supermassa quem fuma maconha (apesar de eu nunca ter dado um tapinha e nem ter essa vontade) e não nego que transar sem camisinha é beeeeeem mais gostoso (para mim, é literalmente chupar bala com papel). 

A única coisa que precisamos ter é culhão pra aguentar o tranco das nossas atitudes. A lei do retorno é algo, para muitos, abstrato. Mas eu creio nela. Creio que tudo que fazemos retorna de alguma forma para nós. Positiva ou negativamente. É uma espécie de lei de Talião do universo: você recebe o que você dá. 

Esse texto pode ser superbem visto. Ou não. Morno para uns e reflexivo para outros. E assim estou fazendo a minha estreia, com aquele friozinho na barriga. E neste exato momento em que você está lendo este texto, deixarei o meu registro ainda que por meio de uma participação especial. Dizem, nas novelas, que quando uma personagem ou um ator ganha a simpatia do grande público, sua participação é esticada (olha aí, editor chefe, quantos acessos terei!!). Outros, são cortados em função da rejeição do público. Mas o registro... Ele sempre fica lá. E no Vale a Pena Ver de Novo da vida, ele aparece novamente, mesmo a contragosto daqueles que o rechaçaram. 

Seja protagonista de sua própria história. Use meus neologismos para interpretar esse texto da forma que for conveniente para o seu dia-a-dia e fazer com que suas estreias ou participações especiais pela vida, sejam marcantes e inesquecíveis.

Leia Também: 
Leandro Faria  
Julio Britto, carioca, advogado, amante de telenovelas, samba e axé music. Ator nas horas vagas, fã de Nelson Rodrigues e tudo relacionado a cultura trash. É leonino de 29 de julho de 1980, por acaso, uma terça-feira, mesmo dia da semana colabora aqui no Barba Feita.
FacebookTwitter


8 comentários:

Mário Schmidt disse...

Parabéns meu querido, muito sucesso, tecto muito bem escrito e disse tudo, abração..

arlinda e carlos Castro disse...

Lindo texto,simples e direto,nós leva a refletir sobre posições que devemos tomar no dia a dia!
Protagonizar nossas vidas e, fluir dentro da nossa história!
Beijos de luz!

MAURICIO CAMPOS DE CASTRO disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
MAURICIO CAMPOS DE CASTRO disse...

Sucesso! Que sejamos sempre protagonistas de nossa própria história.

Alex e Alice Brandão disse...

Me orgulho da sua trajetória... saber que cruzei contigo nessa jornada. Parabéns pela nova empreitada...e sucesso sempre. Linda a reflexão... creio que é disso que tenho sempre falado, somos responsáveis pelo que somos.

Grandão disse...

Show!!

Marcelo Assis disse...

Parabéns!
Sucesso sempre!!

Ana Paula Rocha disse...

Mais um desafio pra sua conta, mais um dever cumprido brilhantemente. Parabéns meu lindo, amei seu texto.