segunda-feira, 16 de julho de 2018

Cinco Programas de TV Que Deram (Super) Errado





Todo programa de televisão quer ser um campeão de audiência, conquistar o público e ser relevante. E, exatamente por isso, muitos programas entram e saem das grades de programação, num teste sem fim em que somente os bem sucedidos permanecem por aí. E, nesse caso, não estamos falando da qualidade do que é oferecido ao público e sim o que ele rende em matéria de audiência e, consequentemente, em publicidade e propaganda para a emissora.

Que eu sou um viciado em TV (e já fui bem mais, confesso), você já deve desconfiar. E, por isso mesmo, me interesso um pouco por todo programa que prometa revolucionar a televisão de alguma maneira. Só que, na maioria das vezes, vemos verdadeiros tiros no pé (e acho que Lazinho Com Você deve assombrar a Globo e Lázaro Ramos até hoje).

A coluna de hoje é, de certa forma, um olhar para o passado, relembrando algumas produções que foram alardeadas e produzidas visando o sucesso e deram de cara com a apatia do público, seja por quais fatores forem. Assim, programas que tinham bastante potencial para ar certo, acabaram indo para o caminho oposto e parando no grande limbo televisivo. 

Vamos conferir?

Brida

Alguém se lembra de Brida? Baseada no livro de Paulo Coelho, essa novela da extinta Rede Manchete já faz parte da história da televisão brasileira. Porque, né, coitada, foi a última novela da emissora, antes que ela fechasse as portas. 

Estrelada por Carolina Kasting, a história  tinha início na Irlanda de 300 anos atrás, quando um bruxo perseguia uma jovem que detinha poderes para destruí-lo. Nos dias atuais, Brida era a reencarnação dessa bruxa e, a partir daí, tudo se desenrolava. Ou deveria se desenrolar.

O problema foi que Brida mostrou-se um retumbante fracasso. Com apenas 03 pontos no Ibope, a novela escrita por Jayme Camargo, Sônia Mota e Angélica Lopes foi cancelada antes de seu final, que acabou sendo um resumo narrado, já que ocorreu também uma greve entre os funcionários da Rede Manchete.  Tenso e frustrante para quem acompanhava a trama.

O Formigueiro

Depois do sucesso original do CQC, a Band passou a investir nos membros da equipe do programa original, dando novas atrações para alguns deles. Alguns deram certo, claro, como os bons A Liga (que era originalmente comandado pelo Rafinha Bastos e teve algumas boas temporadas na emissora) e o Agora é Tarde, com Danilo Gentilli antes de se mudar para o SBT e para o The Noite. Em compensação, teve coisa que deu MUITO errado. Caso de O Formigueirotalk show que jogaram em cima deram pro Marco Luque apresentar, beeeeeem antes dele ir para a Globo e fazer sucesso por lá.

Baseado num formato espanhol, O Formigueiro foi mais uma co-produção da Band com a produtora argentina Cuatro Cabezas, em parceria com a Endemol e que estreou em julho de 2010. Talk show que pretendia ser divertido, o programa contava, inclusive, com umas horrendas formigas de pelúcia que até mesmo falavam. Eu, heim!

O fracasso foi TÃO grande, que o programa saiu do ar em dezembro de 2010, depois de trocar de dia (de domingo à noite para sábado à tarde) e de ver a audiência nunca passar dos 03 pontos no Ibope.  Sinceramente? Já foi tarde!

Sociedade Anônima

Cazé Peçanha não dá certo na TV aberta e isso é um fato. O apresentador, que surgiu como VJ da antiga MTV, se arristou na Globo durante LONGOS dois meses (abril e maio) de 2001, apresentando o programa Sociedade Anônima que deu tão errado, que sumiu rapidinho do ar.

A proposta do programa era até que simples: entrevistar personagens comuns e anônimos em rede nacional. Com a gravação do programa sendo disponibilizada ao vivo pela internet (aos sábados, um dia antes da exibição na televisão), os internautas podiam participar e interagir com o apresentador Cazé.

Foi um fracasso de audiência, é claro, pois se não fosse, não estaríamos lembrando dele nesse momento, né?

Donas de Casas Desesperadas

Eu só me pergunto uma coisa sobre a decisão de produzirem essa coisa no Brasil: pra quê?

Desperate Housewives é uma série americana que fez um sucesso estrondoso e, juro, não entendo a decisão de algumas pessoas em "abrasileirar" esses sucessos americanos fazendo versões nacionais das mesmas. Tinha tudo pra dar errado. E deu.

Trazendo a trama original para o Brasil, a história de Donas de Casa Desesperadas acompanhava a vida em um tradicional subúrbio brasileiro *cof cof* depois que uma de suas moradoras morria misteriosamente. Com direção de Fábio Barreto e roteiros traduzidos de Marcelo Santiago, foi uma boa bosta!

Apesar do elenco estelar para o padrão Rede TV!, com nomes como Sônia Braga, Lucélia Santos, Teresa Seiblitz, Isadora Ribeiro e Franciely Freduzeski, nada funcionava na história. Para completar, como a série foi toda gravada na Argentina, nem todos os atores eram brasileiros (vai ver gastaram todo o dinheiro contratando as protagonistas) e, por isso, alguns outros eram argentinos que tinham suas vozes dubladas. Ou seja, uma titica.

Oscilando entre os 5 pontos de audiência, entretanto, um milagre aconteceu: a série foi totalmente exibida na emissora, entre 2007 e 2008. Pelo menos esse cuidado tiveram com seus poucos telespectadores.

As Filhas da Mãe 

Porque nem toda novela da Globo dá certo e há uma lista delas que poderíamos lembrar aqui. Mas a minha escolhida para ilustrar que nem mesmo a emissora platinada está protegida dos erros é a novela de Sílvio de Abreu que deu tão errado que é, até hoje, a menor (em número de capítulos) novela das 19h de todos os tempos: As Filhas da Mãe.

Pra começar, a novela tinha até subtítulo: A Incrível Batalha das Filhas da Mãe no Jardim do Éden. E tinha tudo pra dar certo! Uma comédia de Sílvio de Abreu, dirigida por Jorge Fernando, com nomes em seu elenco como Fernanda Montenegro, Raul Cortez, Tony Ramos, Regina Cazé, Claudia Raia e Thiago Lacerda, como dar errado? Mas deu!

A novela já começou num processo diferente: primeiro foram escalados os atores e só então os personagens foram criados, de acordo com as características particulares de cada um

Com apenas 125 capítulos, As Filhas da Mãe foi ao ar entre 2001 e 2002 e é, até hoje, um dos maiores fracassos da Globo.
---

De fracassos, a história da televisão é feita. Afinal, é errando que se aprende, correto? Ou deveria ser!

Vocês se lembram de outros fracassos colossais da televisão brasileira? Se sim, contem pra gente na caixa de comentários! Vamos adorar relembrar com vocês, gente, só vem!

Ah, se liga, o Barba Feita agora está no Instagram!
Segue a gente lá:

Leia Também:
Leandro Faria  
Leandro Faria:, do Rio de Janeiro, 30 e poucos anos, viciado em cultura pop em geral. Gosta de um bom papo, fala pelos cotovelos e está sempre disposto a rever seus conceitos, se for apresentado a bons argumentos. Odeia segunda-feira, mas adora o fato de ser o colunista desse dia da semana aqui no Barba Feita.
FacebookTwitter


A opinião dos colunistas não representa necessariamente a posição editorial do Barba Feita, sendo estes livres para se expressarem de acordo com suas ideologias e opiniões.

Nenhum comentário: