quinta-feira, 20 de setembro de 2018

O Convite: Uma Imperdível História de Tensão Crescente




Sou fã de filmes que constroem toda sua narrativa em cima do diálogo. Infelizmente, o que é bem raro de encontrar nos dias de hoje. Creio que diálogos bem elaborados são um belo presente para bons atores. Permite que cada cena vá apresentando um pouco da história daquelas pessoas e também ajuda a estabelecer o crescente clima de tensão de um filme. Sim, normalmente as películas que se permitem dialogar à vontade são os thrillers e suspenses. Em alguns casos, os dramas familiares também se aplicam. 

Hardy Candy ( que no Brasil ganhou o nome de Menina Má.Com) é um excelente exemplo de filme construído no diálogo entre dois personagens. Praticamente, o filme inteiro possui só dois atores em cena. Helen Paige, que construiu uma incrível Hayley Stark, e Patrick Wilson, que fez inúmeras camadas para o seu Jeff Kohlver. Esse é um tipo de filme que merece ser assistido e recomendado inúmeras vezes. 

Mas não é sobre esse filme que quero falar com vocês. Já havia assistido ao trailer de O Convite (The Invitation, no original)  algum tempo atrás e tinha ficado tentado a conferir esse filme de 2015, mas acabou que isso só foi se concretizar no último final de semana. O enredo é sobre um cara chamado Will (Logan Marshall-Green) que recebe o convite para ir com sua atual namorada, Kira (Emayatzy Corinealdi), até a casa em que morou com sua ex-mulher Eden (Tammy Blanchard). Tem dois anos que os dois não se encontram. O motivo da separação fica meio no ar no início. Tem algo que aconteceu com os dois, mas é doloroso demais para ser dito nos minutos iniciais da história. Will sente carinho por Eden e até simpatiza com David (Michiel Huisman), seu atual marido. 

Falando assim fica parecendo que é um daqueles filmes de estilo indie em que relações são testadas e ex-companheiros mostram que não sabiam tudo sobre seus antigos pares enquanto o jantar é servido. Mas pode ficar tranquilo que não é o caso aqui. O clima construído pela diretora Karyn Kusama (responsável por Garota Infernal e Boa de Briga) é de uma tensão crescente. Outros amigos em comum do antigo casal receberam o convite para o jantar especial, mas no decorrer da noite, Will percebe que existe algo errado naquele encontro. 

O Convite é um filme que funciona conforme vai se desenrolando. Vamos sentindo a mesma sensação do protagonista de incômodo constante, um desconforto com toda aquela situação que vai ficando insustentável. Mas será que o sentimento de perigo está só na cabeça de Will ou existe algo mais acontecendo durante esse encontro que ninguém mais consegue notar? 

The Invitetion está no catálogo da Netflix. Se você não gosta de filme muito parado e que os personagens estão falando o tempo todo, pode não ser sua praia. Mas se curte um belo suspense e fica intrigado com comportamento minimamente suspeito, vai fundo e aceite essa dica, não vai se arrepender.

Ah, se liga, o Barba Feita agora está no Instagram!
Segue a gente lá:

Leia Também:
Leandro Faria  
Silvestre Mendes, o nosso colunista de quinta-feira no Barba Feita, é carioca e formado em Gestão de Produção em Rádio e TV, além de ser, assumidamente, um ex-romântico. Ou, simplesmente, um novo consciente de que um lance é um lance e de que romance é romance.
FacebookInstagram


A opinião dos colunistas não representa necessariamente a posição editorial do Barba Feita, sendo estes livres para se expressarem de acordo com suas ideologias e opiniões.

Nenhum comentário: