segunda-feira, 12 de novembro de 2018

Entrevista Com Deus: Uma Mensagem Cristã em Embalagem Pop






Como escrever sobre uma história de fé sendo uma pessoa sem... fé? Esse foi o meu maior questionamento quando recebi o convite da Imagem Filmes para a cabine de imprensa do longa Entrevista Com Deus, que chega aos cinemas de todo o Brasil na próxima quinta-feira, dia 15/11. Pensei comigo: "como eu, que não acredito em muita coisa, encararei um filme que, obviamente, fala de crenças e fé?". Mas, com a mente aberta e uma grande dose de boa vontade resolvi encarar o desafio. 

No longa dirigido por Perry Lang, o jornalista Paul Asher, vivido por Brenton Thwaites, retorna aos EUA depois de cobrir a guerra do Afeganistão. Escrevendo sobre religiões para o jornal americano The Herald, enquanto passa por uma crise em seu casamento e tenta lidar com os traumas que presenciou na guerra, Paul recebe um convite estranho e curioso: Deus, vivido pelo ator David Strathairn, oferece uma entrevista para Paul, a ser concedida em três partes, durante três dias consecutivos. Intrigado e descrente, Paul aceita o convite, mas quando finalmente se vê cara a cara com o homem que diz ser Deus, ele acaba mergulhando em uma série de dúvidas sobre si e sobre a humanidade em geral. 

Se o personagem de Brenton Thwaites começa o filme cheio de senões, eu senti uma certa empatia por ele. Diferente de Paul, eu não tive grandes traumas na minha vida, apenas me dei conta há bastante tempo de que se há algo "maior" no Universo, "Ele" não está muito preocupado com a forma como levamos as nossas vidas. Assim, apesar de ser tão descrente quanto Paul é para com o possível Deus que se encontra com ele, eu me vi embarcando na história do filme ao encará-lo como uma boa ficção. Se eu me divirto com dinossauros, extraterrestres, super-heróis, bruxos e seres mitológicos diversos, por que não poderia me permitir gostar de um filme com uma mensagem religiosa, mesmo encarando aquilo como fantasia? E assim me vi bastante entretido com Entrevista Com Deus.

Os clichês são muitos: um homem em conflito, a perda da fé, uma tábua de salvação (nesse caso, na persona do próprio Deus Todo Poderoso). Entretanto, o roteiro é inteligente ao amarrar a entrevista em três sessões de 30 minutos com a vida de Paul e seus dramas ganhando a tela entre esses encontros com Deus. E até o "sagrado" e o "profano" não são feitos em tom de pregação catedrática e a história é leve e bem amarradinha.

Se Entrevista Com Deus é um filme cristão? Sem sombra de dúvidas, se é que esse título poderia deixar alguma no ar. Mas é uma mensagem cristã com uma embalagem pop, vendida como entretenimento de qualidade e que não pretende converter ninguém, até porque isso não deve ser o objetivo de um filme.

Como cinema, Entrevista Com Deus é um filme bastante legalzinho e, se houver disposição, pode entreter bem e divertir durante os minutos de sua duração. Eu juro por Deus e isso nem é em vão. ;-)

Leia Também:
Leandro Faria  
Leandro Faria:, do Rio de Janeiro, 30 e poucos anos, viciado em cultura pop em geral. Gosta de um bom papo, fala pelos cotovelos e está sempre disposto a rever seus conceitos, se for apresentado a bons argumentos. Odeia segunda-feira, mas adora o fato de ser o colunista desse dia da semana aqui no Barba Feita.
FacebookTwitter


A opinião dos colunistas não representa necessariamente a posição editorial do Barba Feita, sendo estes livres para se expressarem de acordo com suas ideologias e opiniões.

Um comentário:

Seu BOGA disse...

Só não entendi porque vc alega que o Titulo do filme já deixa claro que é um filme cristão...
O deus judaico, o deus islãmico, ambos são o mesmo deus dos cristãos, mas para essas religiões não são cristãs, no sentido de cristo ser filho de deus ou seu enviado...E se o deus que daria a entrevista fosse Buda? Magro e com cabelos?