terça-feira, 25 de dezembro de 2018

Celebre a Vida! 2019 Está Aí!




Tirando hoje, dia 25 de dezembro, Natal, o calendário assinala apenas mais 6 dias para a estreia de 2019. Menos de uma semana que, como dita a experiência, passará célere no sentir do tempo psicológico aqui nestas bandas do mundo ocidental. Sim, porque culturalmente, aqui no Brasil, especificamente no Rio de Janeiro, já estamos comemorando cheios de festejos, foguetórios, cascatas de luzes, com refinada gastronomia nos encontros (e reencontros) diante das inúmeras confraternizações entre familiares e amigos queridos, em casa, no trabalho, nos bares e guetos da boemia carioca.

Mas, para vocês, sagazes leitores, que (ainda) encontram prazer na captura do sentido de si mesmo quando do exercício de pensar-se, é chegado o tempo de fazer um balanço. Adianto, portanto, esse desafio, visto que meu próximo post já será no novo ano. Contabilidade pessoal das realizações obtidas no correr desses quase 365 dias de vida do último ciclo.

Perdas & Ganhos

A regra de ouro consiste em jamais investir num balanço raso e precipitado. Por quê? Ora, porque muitas vezes lançamos fatos imprevistos e ocorrências emocionais na coluna Perdas, quando, na verdade, deveriam ser listadas na oposta: Ganhos. E vice-versa. Trata-se de operação sutil, cuidadosamente analisada. Sem dispensar o uso da sabedoria. Artigo fundamental. Confuso não? Sejamos mais práticos e objetivos então!

Como todas as vezes, no início de um novo ano sempre vejo as pessoas pedindo milhares de coisas, dizendo que “neste ano” tudo vai ser diferente: iniciando dietas, prometendo parar de fumar, indo para a academia e emagrecer um pouco mais e promessas de toda sorte. Acreditamos, ainda, que vamos atrair dinheiro usando roupa amarela ou mesmo comendo sei lá quantas uvas verdes. 

Dou boas risadas lembrando das macaquices que já fiz para que o próximo ano fosse melhor. Vixi! Já pulei sete ondas, comi semente das tais uvas verdes, usei roupa branca, verde, amarela, vermelha, saltei com pé direito, ofereci coisas pra Iemanjá e tantas outras simpatias que se vêem por aí.

Mas aprendi, principalmente neste último ano, é que a melhor simpatia pra que tudo dê certo está em nossas cabeças, em nossos corações e na nossa fé em Deus. Deixei de fazer graaaandes promessas à meia-noite. Passei a pensar convictamente que preciso continuar ativo, vivo, atrair a minha sorte com a coragem de acreditar que posso chegar onde quero e que Deus, Esse sim, sempre esteve e estará ao meu lado.

O tempo passou, deixei de fazer os tais rituais e passei a ser otimista e por isso não me preocupo mais em fazer pedidos, promessas e rituais (alguns acabo fazendo, confesso...rs). Porém, percebi com a maturidade que passar o réveillon com as pessoas que amamos é uma das coisas mais emocionantes de se viver. A galera vestida de branco, prata, dourado, ou da cor de sua crença, flores nas mãos, abraços apertados, cantoria, sorriso no rosto, pés descalços...Não é um ritual, é, de fato, um momento mágico, uma ode à vida, uma celebração, um mistério Divino. 

Apesar de anos difíceis nesses quase 39 anos (com corpinho de 18, registre-se! rs), minhas despedidas dos “anos velhos” são sempre felizes. Agradeço e me preparo para isso: tomo um bom banho, coloco uma roupa bacana, me olho no espelho e me chamo de lindo e me arrumo como se fosse receber um prêmio, afinal é isso mesmo que estamos recebendo: um grande prêmio – A vida! É como se me preparasse para estar todos os dias do novo ano desse jeito: lindo, alto astral e feliz. Procuro sempre acreditar que o ano que está chegando será sempre melhor. E no balanço geral, não é que acabam sendo mesmo? 

Para vocês que estão lendo, pense no mais simples: celebre! Como se o amanhã nunca fosse acabar, pois tanta coisa a vida tem pra te dar! Aos meus amigos e todos que fazem parte da minha vida, inclusive vocês que tem apenas uma relação virtual comigo, deixo um módico conselho: amem, amem muito e digam isso sempre que tiverem oportunidade. Vivam, loucamente ou contidamente, mas sempre com o pensamento de que o amanhã pode ser ainda melhor. 

Leandro Faria  
Julio Britto: carioca, advogado, amante de telenovelas, samba e axé music. Ator nas horas vagas, fã de Nelson Rodrigues e tudo relacionado a cultura trash. É leonino de 29 de julho de 1980, por acaso, uma terça-feira, mesmo dia da semana colabora aqui no Barba Feita.
FacebookTwitter


A opinião dos colunistas não representa necessariamente a posição editorial do Barba Feita, sendo estes livres para se expressarem de acordo com suas ideologias e opiniões.

Nenhum comentário: