segunda-feira, 14 de janeiro de 2019

Pop Séries: Dawson's Creek





Amadurecer não é tão simples quanto pode parecer. Deixar a adolescência de lado e tornar-se adulto tem muito a ver com auto-conhecimento e aprendizado. E muito do sucesso de Dawson's Creek vem do fato de que foi uma série que falava com os jovens de forma coerente e real. 

Criada pelo roteirista Kevin Williamson (que incluiu muito de sua própria biografia nos personagens), a série trata de temas simples e pueris, mas que na adolescência ganham proporções assombrosas. Assim, assuntos como primeiro amor, sexo e futuro são abordadas com uma sutileza poucas vezes vista em séries juvenis até então. 

A princípio passada na pacata cidade de Capeside, Dawson's Creek estreou na mid season de 1998, sem nenhuma pretensão. Com o sucesso estrondoso alcançado, foi renovada, passou para o fall season a partir do segundo ano e teve seis temporadas. Na história, acompanhávamos a vida de Dawson Leery (James Van Der Beek) e dos amigos Pacey Witter (Joshua Jackson) e Joey Potter (Katie Holmes). Com a chegada de Jen Lindley (Michelle Williams) à cidade, paixões são afloradas e os relacionamentos expostos. E aqueles jovens amadurecem juntos, ao mesmo tempo em que passam por várias experiências na vida. No segundo ano, dois novos personagens entraram na história, os irmãos Jack McPhee (Kerr Smith) e Andie McPhee (Meredith Monroe) - Andie ficou até a metade da quarta temporada, mas Jack permaneceu no elenco até o final da série, em 2003. Na quinta temporada, com o ingresso de alguns personagens na faculdade, foi a vez de entrar em cena Audrey Liddel (Busy Philipps), colega de quarto de Joey que se juntou ao elenco principal. 

Dawson's Creek tratou de assuntos polêmicos durante os cinco anos em que esteve no ar. Divórcio, uso de drogas, gravidez na adolescência e homossexualidade foram alguns dos temas tratados. A série é inclusive apontada pelos gays como precursora em mostrar os homossexuais como pessoas normais e não como aberrações. O personagem Jack McPhee assumiu a sua homossexualidade no meio da série, depois de alguns envolvimentos mal sucedidos com mulheres. Dawson's Creek, aliás, foi revolucionária por apresentar o primeiro beijo gay nas séries americanas, no já longinquo ano de 2000: no final da terceira temporada, Jack e seu então namorado, Ethan (Adam Kaufman), se beijam diante das câmeras para todo o mundo ver.

Apesar do nome da série ser Dawson's Creek, foi Joey Potter quem se tornou a verdadeira protagonista. A personagem foi a única a aparecer em todos os episódios da história e foi, desde o princípio, o fio condutor da trama. No final das contas, a grande questão – e que só foi respondida nos minutos finais do último episódio – era com quem Joey ficaria: com Dawson, sua alma gêmea; ou com Pacey, com quem se envolveu e teve uma paixão arrebatadora a partir da terceira temporada. 

A abertura da série teve como música tema I Don't Want To Wait, de Paula Cole, depois que Hand In My Pocket, de Alanis Morrissette, não pode entrar na trilha, por questões de licenciamento. Nos DVDs também houve um problema de licenciamento e, a partir da terceira temporada, a música de abertura é Run Like Mad, de Jann Arden. 

Apontada por muitos como uma série verborrágica (nunca se viu jovens com tamanha eloquência e que viviam a discutir suas relações como em Dawson's Creek), a série é inesquecível por fazer jovens de todas as idades se colocarem no lugar dos personagens e reviverem as próprias experiências.

Por tudo que representou e por ter marcado época, Dawson's Creek foi a escolhida por mim para abrir essa nova coluna aqui no Barba Feita, a Pop Séries. E se você curtia e quer rever, ou se ficou curioso em conhecer Dawson's Creek, a série está atualmente disponível no catálogo do Globo Play. Aproveite.

Leia Também:
Leandro Faria  
Leandro Faria:, do Rio de Janeiro, 30 e poucos anos, viciado em cultura pop em geral. Gosta de um bom papo, fala pelos cotovelos e está sempre disposto a rever seus conceitos, se for apresentado a bons argumentos. Odeia segunda-feira, mas adora o fato de ser o colunista desse dia da semana aqui no Barba Feita.
FacebookTwitter


A opinião dos colunistas não representa necessariamente a posição editorial do Barba Feita, sendo estes livres para se expressarem de acordo com suas ideologias e opiniões.

Nenhum comentário: