segunda-feira, 15 de abril de 2019

Jean





Na semana passada, Conversa Com Bial, programa da Globo que, em seu começo tinha a missão de "substituir" a vaga deixada por Jô Soares na programação mas que acabou mostrando seus próprios méritos, retornou para uma nova temporada. E, entre as atrações desse retorno, grandes entrevistas com Sergio Moro (que em cada vez que abre a boca mostra-se mais como um grande imbecil despreparado que foi alçado ao status de "justiceiro", sendo na verdade uma pessoa bem da medíocre), Olavo de Carvalho (senti nojo vendo a entrevista, de verdade) e Jean Wyllys, o ex deputado que cumpre um auto-exílio na Europa.

Todo mundo sabe quem é Jean Wyllys. Ou deveria saber. O agora ex-deputado do PSOL tornou-se celebridade e conhecido em todo o país em 2005, quando venceu a edição daquele ano do Big Brother Brasil. Em uma das edições mais memoráveis do programa (a mesma que alçou Grazi Massafera à fama), foi vista a homofobia de uma certa classe brasileira jogada no ventilador no horário nobre da maior emissora de televisão do país. E, o mais surpreendente, vimos um país inteiro enamorar-se e sagrar vencedor aquele que hoje, certamente, seria o primeiro eliminado do programa. 

Mas ao contrário de muita gente, tudo o que Jean não é na vida é uma pessoa medíocre. Depois da visibilidade do programa, ele continuou sua vida de professor, até que em 2010 enveredou-se pela política, onde construiu uma carreira brilhante calcada nos pilares de defesa das minorias. E foi nesse meio que ele acabou tornando-se, involuntariamente, escada para um ~político~ perigoso que, naquela época, ainda fazia parte do baixo clero da câmara e que, através de ataques sistemáticos e aproveitando-se de uma onda conservadora de uma sociedade doente, hoje ocupa o cargo de presidente do país, apesar de ser um analfabeto político e funcional, cercado de imbecis e aprovado pela parcela descerebrada da nossa população que, infelizmente, é cada dia maior.

O papo de Jean com Bial foi interessantíssimo. Velhos conhecidos (se alguém não lembra, o apresentador comandava o BBB quando Jean foi o grande vencedor da edição de 2005), Jean se despiu das reservas e fez da conversa com Bial um papo sincero entre amigos, sem pudores em tocar em qualquer assunto. E que conversa doída. É impossível não ter o mínimo de empatia e não se solidarizar com a dor de Jean e sua história. Hoje exilado e prestes a se basear em Berlim, há muita mágoa na voz de Jean e essa é uma mágoa devida e que fala a cada brasileiro que vê, a cada dia, o caminho que a nação vai trilhando.

Terminei de assistir a entrevista com um nó na garganta. Pelo triste fim da nossa democracia que assistimos de camarote. Afinal, tudo o que Jean passou é apenas um sintoma de quão doente está esse país. E, apesar de me solidarizar com ele (que, sei, tomou a melhor decisão e que terá uma carreira acadêmica brilhante longe desse circo que foi montado por aqui), sofro mais por cada um de nós que é obrigado a assistir à ruína de tudo que foi construído ao longo do tempo em nosso país. E de ver que a nação de imbecis vai aumentando enquanto marcha a todo vapor rumo ao abismo.

Para quem não assistiu a entrevista, basta clicar aqui para ser direcionado à ela no GloboPlay.

Leia Também:
Leandro Faria  
Leandro Faria:, do Rio de Janeiro, 30 e poucos anos, viciado em cultura pop em geral. Gosta de um bom papo, fala pelos cotovelos e está sempre disposto a rever seus conceitos, se for apresentado a bons argumentos. Odeia segunda-feira, mas adora o fato de ser o colunista desse dia da semana aqui no Barba Feita.
FacebookTwitter


A opinião dos colunistas não representa necessariamente a posição editorial do Barba Feita, sendo estes livres para se expressarem de acordo com suas ideologias e opiniões.

Nenhum comentário: