sábado, 1 de junho de 2019

Meu Querido Final de Janeiro




Como está a sua vida? Como anda a convivência com os seus pais? Conseguiu mudar de horário no emprego? E o curso no SENAI? E a sua irmãzinha, continua esperta e pulando em cima de você? Pois bem, essas perguntas, infelizmente, não vão ser respondidas. 

Eu espero que esteja dando tudo certo para você, como está sendo para mim. Lembra quando você disse que eu ia ficar bem? Pois é, meu bem, você estava certo. Você se recorda quando eu dizia que odiava café? Hoje eu faço um ótimo e bebo 4 copos, aliás. O curso de Direito é maravilhoso, e eu não vejo a hora de conseguir algo na área, mas como você disse, eu sou uma pessoa esforçada que merece o mundo, e vou conquistar tudo o que eu quero. 

Me desculpa por ter te excluído das minhas redes sociais, mas não foi imaturidade, eu só comecei a pensar mais em mim e, é claro, na minha saúde mental. Estarei mentindo se disser que não penso em você. Nos meus 20 dias de viagem, a minha mente ficava vazia constantemente e me via pensando em nós dois. Fiquei remoendo nossa história por dias, foi difícil entender a sua decisão. 

Eu comentei com um amigo de trabalho que queria muito voltar a escrever, que por coincidência eu não escrevo desde que você se foi, eu disse para o meu colega que faltava inspiração e, por acaso, eu li um texto e, meu bem, que texto! Ele me fez lembrar de momentos bons que passamos juntos. Eu lembro quando eu te chamei pelo direct do Instagram, você como sempre muito atencioso e educado. E quando eu te chamei na escola? Você sempre tão lindo, com vergonha e sem jeito. Lembra da primeira vez que saímos? Eu, como sempre muito indecisa, mas você teve uma paciência comigo. Eu tomei o melhor milk shake da minha vida, falamos sobre nossas vidas, nossos objetivos para o futuro, foi nesse momento que você me despertou! Éramos tão parecidos que, bem ali do seu lado, eu tinha certeza que havia encontrado a pessoa certa e, de alguma forma, você aceitou sem hesitar da mesma forma que eu te aceitei independente das minhas relações passadas que só me trouxeram dor. 

Eu estava querendo algo que acontecesse no tempo certo, e aquele beijo em frente à minha casa foi super certo, não é? Ele me fez lembrar de você quando foi embora, quando eu me deitei na cama e quando acordei na manhã seguinte. Após isso, se lembra que você me escreveu um texto? Você não sabe o quanto eu fiquei feliz em acordar lendo tudo aquilo, o meu dia só começava quando você me mandava "bom dia "

Eu fui de alma e coração, te marcava em várias coisas clichês, dizia que estava com saudades e sempre dava um jeitinho de te ver. Aliás, eu sinto sua falta no ponto de ônibus, eu sinto falta de cada detalhe seu. A forma que você ajeitava o cabelo, o jeito que cuidava de mim, que me fez me sentir única. Era cada bronca que você me dava, se lembra? Eu ficava até madrugada conversando com você e dormia no meio da conversa. Você se preocupava tanto comigo que mesmo longe eu sentia você bem pertinho de mim. A gente adorava tomar sorvete, conversar de tudo e nunca faltava assunto, você me olhava com brilho nos olhos, era gratificante cada minuto ao seu lado. 

Tenho certeza que quando olha para a cama dos seus avós, você se lembra de mim, que por acaso foi uma das melhores sensações que passamos juntos. A luz da janela que refletia em nossos corpos, os beijos mais calorosos que tivemos, nossas mãos trêmulas uma sob a outra, e um sussurro inesperado "o seu corpo é lindo"

Isso e só um resumo de tantas coisas que passamos e lutamos para dar certo. Mas, me responda: por que jogou tudo para o alto de uma hora para outra? Eu fiquei dias tentando compreender. Quando você me disse "está tudo tão estranho né?", me abalou, eu nunca gostei de despedidas e você sabe disso porque eu ficava com você até o último minuto quando era a hora de ir embora. 

Por que o seu medo te consumiu? O medo não nos leva a nada, eu disse para você. Eu tive raiva no começo, cheguei até a me culpar, será que o erro foi meu? Não, eu disse para você que fiz de tudo, que eu queria que desse certo, mas você leu e insistiu em desistir. A nossa lua de mel na Califórnia? Os nossos cachorros? O casal de filhos que planejamos? Enfim, ficou para trás. 

No dia em que você resolveu terminar tudo que tínhamos, eu chorei a noite toda, fui com os olhos inchados para o trabalho e a qualquer pergunta "está tudo bem?" eu só desejava sumir. Eu me perguntava "por que está acontecendo isso comigo?", saiu tudo fora do eixo. Do nada? O que aconteceu com toda a nossa história? Eu queria poder achar uma explicação, só que nesse caso eu só me questiono. 

Quer saber a verdade? O nosso fim doeu. Doía ver as suas fotos e pensar que eu não ia mais tê-lo em meus braços. No começo, eu espalhei para amigos o quanto você era um babaca por ter desistido de mim, mas eu vi pelos dois lados, eu sei que você sofreu também, sabe por quê? Eu sei que eu te fiz feliz, foram dois meses, em pouco tempo eu te fiz o homem mais feliz desse mundo como eu tinha te prometido. Afinal, o fim doeu para nós dois, não é mesmo? 

Hoje eu tenho uma visão diferente e é por isso que eu estou escrevendo. Em meio a tantas perguntas, eu busquei uma única resposta: a vida seguiu para mim e para você. Como você disse, o mundo é pequeno, quem sabe a gente se esbarra por aí, ou talvez não. Quem sabe a gente se encontre no futuro e dê certo lá na frente. O pouco tempo que ficamos foi suficiente para ser inesquecível, sou grata por você da mesma forma que você é por mim. 

Você prometeu que ia fazer o "nosso 2019 incrível", mas eu mesma estou fazendo o meu 2019 ser incrível. Quero que você esteja bem, alcançando seus objetivos, porque eu sempre acreditei no ser capaz que você é. Agora eu entendo, você sempre fez o melhor para mim, até quando resolveu partir.

Todos queremos um final feliz, certo? Mas nem sempre isso acontece. E está tudo bem!

Leandro Faria  
Julia Luchetti: paulista ao vivo e a cores, estudante de Direito, apaixonada por literatura, filmes de romance e um bom livro em uma tarde chuvosa, admiradora do cinema e do melhor ator Robert Downey Jr. Uma versão feminina de Harvey Specter, que produz textos ao longo dos dias corridos. Ama música, conversas aleatórias, gargalhadas, e tudo que for intenso.
FacebookTwitter



A opinião dos colunistas não representa necessariamente a posição editorial do Barba Feita, sendo estes livres para se expressarem de acordo com suas ideologias e opiniões.

Nenhum comentário: