terça-feira, 17 de setembro de 2019

Em Família




Neste fim de semana (em mais um, na verdade), estive envolto em alguns programinhas familiares que me trouxeram a reflexão de hoje. E percebi o quanto eu e pessoas próximas a mim somos, de fato – em parte ou no todo – espelho de nossa família. Afinal, é no ambiente familiar que conhecemos nossos primeiros valores e recebemos as primeiras regras sociais. Aprendemos a perceber o mundo, damos início à nossa identidade e somos introduzidos no processo de socialização. Por isso, é tão comum que nos comportemos como quem nos criou, como nossos pais, tios ou avós, trazendo traços da personalidade e atitudes muito semelhantes deles.

Certas situações podem causar grandes frustrações em uma vida. Muitos definem a família como sendo a base de tudo, uma expressão bastante utilizada para caracterizar o laço familiar que vai além do sangue, sendo também emocional e espiritual. Confesso que eu mesmo me utilizo muito desta expressão nas minhas legendas e hastags. Mas esta base pode se desintegrar, desgastando e se tornando prejudicial, dependendo do ambiente e do momento que você vive. Ou da concepção vazia que você dá a ela. Então, é preciso preservá-la sempre.

Não importa o que você faz. Na sociedade, em geral, não importa o quão importante você seja ou o quanto as pessoas te admiram (ou não te admiram), no final, se você não consegue o respeito da sua própria família as coisas não farão muito sentido. Acredite, no final é isso o que importa: o quanto estamos sendo importantes não para quem vê o nosso palco, mas para quem está conosco nos bastidores.

A nossa família exerce um papel importantíssimo na nossa vida mas, por estarem nestes bastidores, muitas vezes não recebe a atenção devida. No palco da vida, tratamos bem os amigos, os fornecedores, os clientes, o chefe e pessoas que encontramos nos eventos, nos cursos, no social. E quanto de energia hoje você coloca nessas relações? Qual o peso que você tem atribuído ao seu meio familiar e ao meio fora dela?

Muitos não enxergam isso. Muitos vivem a vida para agradar pessoas externas, para se mostrar competentes no trabalho, nos estudos, na aparência. Mas não investem tempo e dinheiro para serem competentes na área que mais importa: a família.

Sabe aquele cheiro de café que lembra o colo da vovó? A canção que sua mãe cantava para você antes de dormir? A brincadeira que você tanto se divertia com seus primos? Seu início de namoro que depois virou compromisso e o pontapé para uma nova família? São essas lembranças que permitirão que a pessoa seja segura, alegre, agradecida. Observe os pequenos e fundamentais detalhes para se ter uma vida plena de contemplações e gratidão ao que realmente te importa e estará ao seu lado em todos os momentos.

Invista nas relações familiares porque é essa relação que vai te trazer a paz que você tanto quer. Não é o dinheiro, a fama, os tapinhas nas costas e o sorriso de quem não convive com você. O papel da família, seja ela de que forma for, vai além de ensinar ou te fazer refletir o que é certo e errado, mas ajudar a sermos indivíduos afetuosos, conscientes, tolerantes, pacientes, respeitosos, autoconfiantes e felizes!

Leia Também:
Leandro Faria  
Julio Britto: carioca, advogado, amante de telenovelas, samba e axé music. Ator nas horas vagas, fã de Nelson Rodrigues e tudo relacionado a cultura trash. É leonino de 29 de julho de 1980, por acaso, uma terça-feira, mesmo dia da semana colabora aqui no Barba Feita.
FacebookTwitter



A opinião dos colunistas não representa necessariamente a posição editorial do Barba Feita, sendo estes livres para se expressarem de acordo com suas ideologias e opiniões.

Nenhum comentário: