segunda-feira, 2 de setembro de 2019

Pop Séries: In Treatment





Com uma quarta temporada recém lançada, dessa vez no GloboPlay, a série Sessão de Terapia foi originalmente ao ar no GNT, que exibiu os três primeiros anos da história. O que muita gente pode não saber, é que a série é uma versão de uma aclamada série americana (que por sua vez também é uma versão). Ou seja, é aquela máxima: nada se cria, tudo se recicla.

E se você pudesse acompanhar uma sessão de terapia de um completo estranho? Mais do que isso, como é a vida de um terapeuta? O que existe por trás daquele profissional tão centrado e que ajuda as pessoas e se auto-conhecerem? É disso que trata In Treatment (Em Tratamento, no Brasil).

Elogiadíssima pela crítica, a série acompanhava a vida do doutor Paul Weston (Gabriel Byrne) e suas sessões semanais com alguns pacientes. O diferencial de In Treatment é que enquanto as demais séries americanas possuem episódios semanais, aqui podíamos acompanhar cinco episódios por semana, um por dia, com 25 minutos cada, de segunda a sexta-feira. Baseada numa série israelense chamada Be´tipull, In Treatment só teve roteiros originais em seu terceiro ano, quando o material base chegou ao final.

A primeira temporada cobre nove semanas na vida dos personagens. Assim, na segunda-feira tínhamos a sessão de Laura (Melissa George), uma médica que se apaixona pelo próprio Paul. Na terça-feira, acompanhamos Alex (Blair Underwood), um piloto de guerra traumatizado, que provoca Paul até o limite. Sophie (Mia Wasikowska, que seria a protagonista de Alice no País das Maravilhas, filme de Tim Burton), uma jovem que flerta com o suicídio, é a paciente da quarta-feira. Quinta-feira é o dia de uma terapia de casal, com Jake (Josh Charles) e Amy (Embeth Davidtz), que vivem uma crise em seu casamento. Na sexta-feira é o próprio Paul quem volta à terapia, procurando Gina (Dianne Wiest), uma velha amiga e mentora com quem teve muitos problemas mal resolvidos no passado.

Na segunda temporada, apenas Paul e Gina permaneceram do elenco principal original. Com outros pacientes, vamos mergulhando em novos dramas, enquanto conhecemos aquelas pessoas, dessa vez durante sete semanas. A segunda-feira passa a ser reservada à Mia (Hope Davis), uma mulher aparentemente bem sucedida, mas que enfrenta problemas para se envolver seriamente num relacionamento. April (Alison Pill) surge às terças-feiras e é uma jovem universitária que enfrenta o surgimento de um câncer. Na quarta-feira acompanhamos Oliver (Aaron Shaw), um garoto de 12 anos que vive o divórcio de seus pais. Quinta-feira é o dia de Walter (John Mahoney), um empresário com ataques de pânico e insônia. Nas sextas, como de costume, temos os deliciosos embates entre Paul e Gina, quando o doutor mais uma vez vira paciente.

Diferentemente das demais temporadas, no terceiro ano da série, Paul atende apenas quatro pacientes: Sunil (Irrfan Khan) é um professor de matemática aposentado, recém chegado da Índia, que passa a morar com o filho e a nora depois da morte da esposa; Frances (Debra Winger), uma famosa atriz de teatro e cinema que procura Paul, já que ele havia tratado sua irmã 18 anos antes; e Jesse (Dane DeHaan), um jovem de 16 anos, gay, adotado, que foi pego traficando receitas médicas para o uso de drogas. E Gina sai de cena, dando lugar a uma nova terapeuta para Paul: a Dra. Adele (Amy Ryan).

Em suas três temporadas, In Treatment e Gabriel Byrne, seu protagonista, foram indicados a vários prêmios (Globo de Ouro e Emmy, entre os mais famosos) e  sairam vencedores em muitos deles. Com uma proposta diferente da habitualmente vista na televisão americana, a série conquistou o seu espaço e merece ser assistida. É um exemplo de bom entretenimento, que mescla excelentes atuações e uma boa história.

Para os brasileiros, a boa notícia é que as três temporadas da versão brasileira, Sessão de Terapia, levada ao ar pelo GNT foram excelentes. O primeiro ano (único que acompanhei da versão nacional) foi praticamente uma tradução ao pé da letra da versão americana, mas algo que foi muito bem feito. Zé Carlos Machado, que viveu Téo (a versão brasileira de Paul) e Selma Egrei (Dora, a terapeuta de Téo) foram espetaculares em seus papeis.

A nova temporada nacional da história, agora original, estreiou na última sexta, 30/08/2019, no GloboPlay trazendo novidades: um novo terapeuta, vivido por Selton Melo; além de Morena Baccarin, atriz brasileira radicada nos EUA e com alguns bons papeis em séries americanas, estreando numa série nacional.

Leia Também:
Leandro Faria  
Leandro Faria:, do Rio de Janeiro, 30 e poucos anos, viciado em cultura pop em geral. Gosta de um bom papo, fala pelos cotovelos e está sempre disposto a rever seus conceitos, se for apresentado a bons argumentos. Odeia segunda-feira, mas adora o fato de ser o colunista desse dia da semana aqui no Barba Feita.
FacebookTwitter


A opinião dos colunistas não representa necessariamente a posição editorial do Barba Feita, sendo estes livres para se expressarem de acordo com suas ideologias e opiniões.

Nenhum comentário: