quarta-feira, 30 de outubro de 2019

A Belíssima Cor Púrpura




O próximo fim de semana é a última oportunidade para os cariocas conferirem o espetáculo A Cor Púrpura, na Cidade das Artes, na Barra da Tijuca. Depois, o musical vai para São Paulo e Salvador, nessa ordem. Eu pude conferir a peça de três horas de duração há algumas semanas e, posso garantir que o tempo passa voando e que até o deslocamento para a tão tão distante Barra vale a pena. 

É importante eu ressaltar que nunca vi o clássico filme de Steven Spielberg, estrelado por Whoopi Goldberg e Oprah Winfrey. Tampouco li o livro que originou tudo. Fui ao teatro (aliás, belíssima sala essa feita na Cidade das Artes!) sem saber praticamente NADA da história, a não quer que era muito emocionante e triste. E, realmente, em vários momentos caíram ciscos no meu olho durante as três horas.

Sim, é bastante triste, principalmente o início. Mas a montagem de Tadeu Aguiar, com versão de Artur Xexéo, justamente por ser um musical, buscou amenizar um pouco com humor e números eloquentes, algo que, pelo que soube, não é presente no filme. Talvez isso colabore para que saiamos leves após o longo período mergulhados no espetáculo. 

A Cor Púrpura é uma história sobre racismo, sobre machismo e empoderamento feminino, sobre família, sobre sexualidade, sobre bullying e assédio moral, sobre estupro e incesto... mas acima de tudo, é sobre descobertas. Descoberta de si mesmo, descoberta da própria capacidade, descoberta do amor... 

A produção conta com 18 atores, oito músicos, 90 figurinos e um grande palco giratório. Não deixa nada a desejar a grandes musicais da Broadway. E é um excelente programa para a noite de sexta e sábado. Ou pro fim da tarde de domingo. Corram para conferir, ou depois terão que viajar para ir atrás...

Leia Também:
Leandro Faria  
Paulo Henrique Brazão, nosso colunista oficial das quartas-feiras, é niteroiense, jornalista e autor dos livros Desilusões, Devaneios e Outras Sentimentalidades e Perversão. Recém chegado à casa dos 30 anos, não abre mão de uma boa conversa e da companhia dos bons amigos.
FacebookInstagram


A opinião dos colunistas não representa necessariamente a posição editorial do Barba Feita, sendo estes livres para se expressarem de acordo com suas ideologias e opiniões.

Nenhum comentário: