quarta-feira, 23 de outubro de 2019

Sobre Aprendizados e Regressos




Em primeiro lugar, gostaria de me desculpar com os meus leitores pela minha ausência. Muito embora eu tenha recebido reclamação apenas de alguns poucos, ainda que fosse um, valeria o pedido de perdão. Afastei-me do Barba Feita por mais de um mês, algo que nunca fiz. Mas foi um período (e continua sendo) da minha vida em que a minha ausência se fez necessária – na verdade, me afastar de uma série de coisas se fez necessário. 

Ainda não sei do meu futuro por essas bandas. Por enquanto, vou tentando retomar ao ritmo diário. Em respeito a quem lê e aos meus colegas de jornada, que param momentos do seu dia para escrever nem que seja algumas linhas. Estamos num momento muito especial do Barba Feita, completando cinco anos e prestes a lançar o nosso livro conjunto. Vamos tocando o barco.

Esse tempo afastado foi de muito aprendizado. Quando estamos nos maus (e talvez nos piores momentos da nossa vida), pode parecer piegas, mas sabemos com quem podemos contar. Ainda que equivocados, quem gosta de nós quer o nosso bem. Sim, nossos amigos e familiares muitas vezes podem estar equivocados. E me lembro logo de uma frase de uma grande amiga:
“nesse momento, não ouça os seus amigos.”
Pode parecer um paradoxo, mas eu logo entendi. Por mais que essas pessoas te amem e te queiram bem, elas não são você. Elas não viveram ou vivem a sua vida, elas têm referências próprias sobre família, relacionamento, profissão... É preciso ouvir tudo e não ouvir nada, na verdade. Filtrar aquilo que te faz bem – e não necessariamente o que parece ser a solução mais fácil. 

Regressar tampouco é fácil. São quase cinco anos de uma produção semanal para o Barba Feita que muitas vezes é sacrificante e laboriosa. Mas assim é a vida, cheia de trabalhos e sacrifícios. Temos que saber exatamente qual deles prescindir na hora certa. De resto, vamos vivendo e sobrevivendo. E tentando escutar mais a nós mesmos.

Leia Também:
Leandro Faria  
Paulo Henrique Brazão, nosso colunista oficial das quartas-feiras, é niteroiense, jornalista e autor dos livros Desilusões, Devaneios e Outras Sentimentalidades e Perversão. Recém chegado à casa dos 30 anos, não abre mão de uma boa conversa e da companhia dos bons amigos.
FacebookInstagram


A opinião dos colunistas não representa necessariamente a posição editorial do Barba Feita, sendo estes livres para se expressarem de acordo com suas ideologias e opiniões.

Nenhum comentário: